Getnet (GET11) agenda AGE para deliberar sobre saída da Bolsa; veja os destaques do Radar

Últimas notícias sobre: Petrobras, Ferbasa, Vibra, Méliuz, MRV e CCR

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (31), a Getnet marcou para o dia 8 de julho a AGE (Assembleia Geral Extraordinária) para votar o fechamento de capital da empresa e sua saída da Bolsa de Valores.

Já o Ministério de Minas e Energia formalizou ao Ministério da Economia o pedido de inclusão da Petrobras na carteira do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), visando estudos para uma privatização.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Veja esses e outros destaques corporativos do dia:

Getnet (GETT11)

A Getnet agendou para o dia 8 de julho a AGE (Assembleia Geral Extraordinária) para delibrar, perante a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e a SEC (Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos), sobre o fechamento de capital da empresa e sua saída da Bolsa de Valores.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Petrobras (PETR3;PETR4)

O Ministério de Minas e Energia formalizou ao Ministério da Economia o pedido de inclusão da Petrobras na carteira do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), visando estudos para uma privatização.

O movimento está em linha com anúncio anterior do ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, que disse no início do mês que uma das primeiras medidas à frente do cargo seria a solicitação de estudos sobre a desestatização da Petrobras.

“A proposta é oportuna devido à conjuntura energética corrente, em face da situação geopolítica mundial, das discussões sobre o ritmo da transição energética e do realinhamento global dos investimentos”, afirmou em comunicado o ministério.

Ferbasa (FESA4)

A Ferbasa anunciou o pagamento de JCP (juros sobre capital próprio) no valor de R$ 51,8 milhões e de dividendos complementares no valor de R$ 26,6 milhões, correspondentes a R$ 0,5714 e R$ 0,2936 por ação ordinária, respectivamente.

O pagamento ocorrerá no dia 29 de junho, com base nas posições acionárias existentes no fechamento do pregão do dia 9 de junho.

Vibra Energia (VBBR3)

A Vibra Energia concluiu a aquisição das ações de emissão da Comerc com o pagamento total de R$ 1,2 bilhão aos acionistas originais da Comerc, outorgantes da opção de compra, e deles recebeu 61.594.123 ações ordinárias de emissão da Comerc, representativas de 16,9667% do seu capital social.

Com isso, a Vibra se torna titular de ações representativas de 48,7% do capital social total da Comerc e forma, em conjunto com os sócios fundadores da Vibra Comercializadora de Energia, um bloco de acionistas titular de 50% do capital social total da Comerc.

Méliuz (CASH3)

O Méliuz informou que foi aprovada a incorporação das ações da Acessopar pela companhia. Com esses eventos, a Acessopar, a Bankly e o Banco Acesso passam a fazer parte do grupo Méliuz.

MRV (MRVE3)

A MRV informou que a AHS Residential, sua subsidiária focada em multifamily que atua exclusivamente no mercado dos Estados Unidos, passou a se chamar Resia.

Segundo a empresa, o propósito da mudança é criar uma identidade mais direta com o público que se enquadra ao perfil de seus empreendimentos – focados exclusivamente no workforce americano.

“O nome Resia busca uma conexão mais intuitiva com as palavras resident e residence, de modo a estimular uma associação espontânea com a marca”, afirmou em comunicado.

Atualmente, a subsidiária americana da MRV está presente nos estados da Flórida, Georgia e Texas e conta com dez empreendimentos em construção, que totalizam 3.391 unidades, equivalentes a um VGV estimado de US$ 1,02 bilhão.

CCR (CCRO3)

A CCR anunciou mudanças estruturais nas diretorias de Rodovias, Aeroportos e GBS (Global Business Service).

As divisões de Rodovias (LamVias e InfraSP) serão unificadas e geridas pelo diretor Eduardo Siqueira Moraes Camargo. O diretor Fábio Russo Corrêa, que liderava a divisão CCR InfraSP, de Rodovias no Estado de São Paulo, assume a divisão CCR Aeroportos. A diretora Cristiane Alexandra Lopes Gomes assume o cargo de CTO na estrutura GBS.

A CCR afirma que as mudanças são importantes para o fortalecimento e a perenidade dos seus negócios, garantindo uma estrutura mais eficiente, que confere mais autonomia e agilidade na tomada de decisões do Grupo CCR. (Com Reuters)

>> Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: