Ibovespa inicia mês em queda com aumentos de juros no radar

Na quarta-feira (4), os bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos irão anunciar aumentos nas taxas básicas de juros.

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em queda de 0,30% na abertura do pregão de hoje (2), a 107.609 pontos, às 10h15, horário de Brasília. O clima de cautela é predominante nos mercados ao redor do mundo, ao início de semana que será marcada por decisões de política monetária nos Estados Unidos e Brasil.

Na quarta-feira (4), o Federal Reserve, banco central norte-americano, deve anunciar um aumento de 0,50 ponto-percentual na taxa básica de juros do país, para um intervalo entre 0,75% e 1% ao ano. Já no Brasil, o Copom (Comitê de Política Monetária) deve anunciar uma alta de 1 ponto-percentual na Selic, elevando-a para 12,75% ao ano.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Os aumentos nas taxas de juros são uma forma de enfrentar um cenário de inflação persistentemente alta, agravada pela invasão da Ucrânia pela Rússia, que eleva preços de commodities e petróleo e afeta ainda o crescimento global.

Nos Estados Unidos, os índices futuros também registram queda.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Entre os indicadores domésticos, o foco nesta manhã é para o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês), que perdeu força em abril diante das dificuldades com gargalos globais de logística e pressões de preços. O PMI da indústria caiu a 51,8 em abril de 52,3 em março

Já o IBC-Br, considerado um sinalizador do PIB (Produto Interno Bruto), registrou em fevereiro alta de 0,34% na comparação mensal, após baixa de 0,73% em janeiro. O destaque no mês foi o setor varejista, cujas vendas aumentaram 1,1%, segundo mês seguido de ganhos e bem mais do que o esperado.

O dólar opera em alta de 1,52%, sendo negociado a R$ 5,0181 na venda, com um clima mais arisco no exterior mantendo a demanda pela divisa norte-americana.

Na Ásia, o mercado acionário japonês fechou em queda, em busca de pistas sobre a agressividade do aperto monetário promovido pelo banco central norte-americano.

“Não houve direção no mercado hoje. […] Embora o aumento dos juros já tenha sido precificado, há incertezas entre os investidores sobre o quanto o Fed será ‘hawkish'”, disse Shuji Hosoi, estrategista sênior da Daiwa Securities.

As bolsas chinesas permanecerão fechadas até quinta-feira (5), por conta do feriado do Dia do Trabalho, enquanto o mercado japonês suspenderá operações a partir de amanhã (3), para feriados públicos conhecidos como a Semana Dourada.

O BSE Sensex, de Mumbai, fechou o dia em baixa de 0,15%; já no Japão, o índice Nikkei recuou 0,11%.

Na Europa, os principais índices operam em baixa. O sentimento econômico da zona do euro caiu muito mais do que o esperado em abril, refletindo as tensões por conta da guerra na Ucrânia e saltos de preços de commodities.

O indicador do sentimento econômico mensal da Comissão Europeia caiu para 105,0 pontos no mês passado, de 106,7 pontos em dado revisado para baixo em março. Economistas esperavam uma leitura de 108,0.

A indústria esteve entre os setores mais atingidos, com o sentimento caindo de 9,0 em março para 7,9 pontos, enquanto a confiança do comércio varejista caiu para -4,3 de -2,4.

Por volta das 10h15, o Stoxx 600 perdia 1,28%; na Alemanha, o DAX cedia 0,95%; na França, o CAC 40 operava em baixa de 1,74%; na Itália, o FTSE MIB caía 1,41%; enquanto, no Reino Unido, o FTSE 100 avançava 0,47%. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: