IEA alerta contra crise energética que aprofunda dependência de combustíveis fósseis

A agência alertou os investidores no ano passado a não financiar novos projetos de fornecimento de petróleo, gás e carvão

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Regis Duvignau/Reuters
Regis Duvignau/Reuters

Recomendações da IEA podem reduzir a demanda de petróleo em 2,7 milhões de barris por dia em quatro meses

Acessibilidade


A crise de segurança energética desde a invasão da Ucrânia pela Rússia não deveria levar a uma dependência mais profunda de combustíveis fósseis, defendeu o chefe Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês), Fatih Birol, hoje (23).

Os investimentos certos, especialmente em energia renovável e energia nuclear, significam que o mundo não precisa escolher entre escassez de energia e mudanças climáticas aceleradas devido às emissões de combustíveis fósseis, disse Birol no Fórum Econômico Mundial.

Leia mais: Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

“Precisamos de combustíveis fósseis no curto prazo, mas não vamos bloquear nosso futuro usando a situação atual como desculpa para justificar alguns dos investimentos que estão sendo feitos. Não funciona em termos de tempo, e nem moralmente, na minha opinião”, disse Birol aos delegados em Davos, na Suíça.

A IEA, um dos principais órgãos de fiscalização da energia, alertou os investidores no ano passado para não financiar novos projetos de fornecimento de petróleo, gás e carvão se o mundo quiser atingir zero emissões líquidas até meados do século.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A demanda de curto prazo significa que o mundo não pode se livrar imediatamente do fornecimento tradicional de energia, disse Birol, acrescentando que espera que os países produtores com capacidade de exportar mais energia deem uma “contribuição positiva”.

A aliança de exportadores de petróleo Opep+ vem liberando petróleo de forma incremental nos mercados, com Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, os principais produtores, adiando aproveitar a capacidade total.

Compartilhe esta publicação: