Magazine Luiza pode voltar a ter margem de 8%, vê ambiente melhor com dólar a R$ 5

A expectativa decorre de um ambiente melhor de negociação com fornecedores, após a empresa vender R$ 1 bilhão em produtos excedentes

Reuters
Compartilhe esta publicação:
SOPA Images/Getty Images
SOPA Images/Getty Images

Segundo a empresa, o cenário econômico agora é muito melhor que no ano passado

Acessibilidade


O Magazine Luiza poderá alcançar novamente margens de lucro de cerca de 8%, em meio a medidas adotadas pela companhia no atual ambiente de elevação de juros, afirmou o presidente-executivo da varejista hoje (17).

“Temos total possibilidade de chegar nelas novamente (margens de 8%)”, afirmou Frederico Trajano durante teleconferência com analistas após a divulgação do resultados da companhia na noite da véspera. O balanço do primeiro trimestre do Magazine Luiza apontou margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado de 5%.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Mas após medidas tomadas pela companhia no início do ano, que incluíram redução de prazos e aumento de juros para parcelamentos em um ambiente de Selic em elevação, a margem Ebitda da empresa considerando apenas março subiu para 6,1%.

Trajano, porém, afirmou que a expectativa de margem de 8% “não é um ‘guidance'” e não estimou quando este patamar poderia ser alcançado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A expectativa do executivo decorre de um ambiente melhor de negociação com fornecedores, após a empresa ter conseguido vender 1 bilhão de reais em produtos excedentes no primeiro trimestre, e de um último trimestre do ano a ser marcado pelo combo Black Friday, Copa do Mundo e Natal.

“Ainda temos alguma coisa para fazer em estoques, mas o grosso já foi realizado no primeiro trimestre”, disse Trajano.

“A situação agora é muito melhor que no ano passado. Ano passado o dólar estava a 5,70 reais, Estados Unidos estava em superaquecimento e havia pouca oferta de produto no mundo. Agora tem um certo excesso de produtos e o dólar está a 5 reais”, acrescentou.

Compartilhe esta publicação: