Mercados globais de GNL se preparam para cenário incerto antes do inverno

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Por Joyce Lee e Florence Tan

DAEGU (Reuters) – Compradores e vendedores globais de gás natural liquefeito (GNL) estão se preparando para mais incertezas sobre a oferta russa e uma perspectiva de demanda obscura da Europa e da China –principal importadora–, no período que antecede o pico do inverno, disseram executivos do setor.

Além do clima imprevisível, ainda não está claro se haverá mais cortes nos suprimentos russos para a Europa, disseram os executivos. Também é incerto se a Europa pode construir uma nova infraestrutura de importação de GNL a tempo de substituir os enormes volumes russos, acrescentaram.

Mais uma pergunta é quando a China suspenderá as restrições contra Covid-19, que reduziram as importações nos primeiros cinco meses deste ano.

As sanções ocidentais à Rússia devido à invasão da Ucrânia provocaram temores de interrupção do fornecimento de gás russo para a Europa, elevando os preços globais do gás a recordes no início deste ano e aumentando as preocupações com a segurança energética. Moscou chama sua ação na Ucrânia de operação militar especial.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Temos uma enorme incerteza sobre o que acontecerá a seguir”, disse Steve Hill, vice-presidente executivo da Shell, na Conferência Mundial de Gás.

“Se convertermos o volume de gás russo enviado por gasoduto à Europa em 2021 no equivalente de GNL e adicionarmos os volumes de GNL entregues na Europa em 2021, isso equivale a 200 milhões de toneladas de GNL equivalente. Isso é metade do tamanho da atual indústria (global) de GNL”.

Peder Bjorland, vice-presidente de marketing e comércio de gás natural da Equinor, disse que as mudanças nos fluxos criaram um “mercado estranho” onde alguns países da Europa, como o Reino Unido, estão com excesso de oferta, mas não há infraestrutura para transportar o gás para centros de demanda como a Alemanha.

A Alemanha está construindo um terminal de recebimento de GNL e contratou unidades flutuantes de armazenamento e regaseificação.

“É uma corrida contra o tempo. Acreditamos que as instalações de regaseificação provavelmente estarão em funcionamento antes do final do inverno, mas talvez não no início do inverno. Portanto, esse é um equilíbrio muito delicado”, disse Michael Stoppard, líder de estratégia global de gás da S&P Global Commodity Insights.

Um inverno rigoroso no hemisfério Norte também pode desencadear a competição entre a Europa e a Ásia pelo GNL e elevar os preços, disseram os executivos.

“À medida que entramos no inverno… mercados como a Ásia realmente começam a competir por essas cargas”, disse Anatol Feygin, vice-presidente executivo da Cheniere Energy.

No entanto, um executivo de um importador de gás chinês disse que os compradores provavelmente entrarão neste inverno mais preparados do que no ano passado, já que países europeus como Alemanha e Itália exigiram níveis mínimos de estoque.

Os compradores estão aumentando os estoques antes do inverno, sustentando os preços spot asiáticos de GNL em quase três vezes os níveis de maio de 2021, excepcionalmente altos para a temporada de baixa demanda no segundo trimestre.

Compartilhe esta publicação: