Minério de ferro atinge mínima de quase 2 meses na China por preocupações com juros e demanda

Os futuros de minério de ferro mais ativos na bolsa de commodities de Dalian da China, para entrega em setembro, chegaram a cair até 7% na sessão.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Stringer/Reuters
Stringer/Reuters

Na bolsa de Cingapura, o contrato de minério de ferro mais negociado para junho caiu 3,1%

Acessibilidade


Os contratos futuros de minério de ferro negociados na China chegaram a cair até 7% hoje, atingindo seu menor nível em quase dois meses, alimentados por preocupações com taxas de juros mais altas e demanda ainda estagnada no mercado chinês.

O Federal Reserve aprovou um aumento da taxa de juros de 0,5 ponto percentual na semana passada e disse que poderia manter a alta nas próximas duas ou três reuniões e, em seguida, avaliar como a economia e a inflação estão respondendo antes de decidir se mais aumentos são necessários.

“Isso levou a um declínio significativo nos preços das commodities denominadas em dólares americanos, como o minério de ferro”, escreveram analistas da GF Futures em nota.

Enquanto isso, as margens de lucro apertadas das produtoras de aço e controles gerais da produção de aço reduziram aumentos de produção e prejudicaram a demanda por ingredientes para a fabricação de aço, segundo a nota.

Os futuros de minério de ferro mais ativos na bolsa de commodities de Dalian da China, para entrega em setembro, chegaram a cair até 7% na sessão, para 756 iuanes (R$ 577,95) por tonelada, o menor nível desde 16 de março. Os contratos encerraram em queda de 4,1%, a 779 iuanes por tonelada, registrando perdas pelo terceiro dia consecutivo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Na bolsa de Cingapura, o contrato de minério de ferro mais negociado para junho caiu 3,1%, para R$ 633,03 a tonelada.

Os futuros de carvão metalúrgico de Dalian recuaram 2,1%, para 2.610 iuanes por tonelada, e os preços do coque caíram 1,9%, para 3.343 iuanes por tonelada.

O banco central da China disse ontem que aumentará o apoio diante da desaceleração da economia, enquanto observa de perto a inflação doméstica e monitora ajustes de políticas em economias desenvolvidas.

Compartilhe esta publicação: