Receita de reequilíbrio da AutoBan turbina lucro da CCR no 1º tri

Por Aluisio Alves SÃO PAULO (Reuters) – Uma receita extraordinária de 5,3 bilhões de reais na concessão do sistema rodoviário AutoBan impulsionou as principais linhas de resultado da CCR no primeiro trimestre, embora a concessionária.

Compartilhe esta publicação:

Por Aluisio Alves

Acessibilidade


SÃO PAULO (Reuters) – Uma receita extraordinária de 5,3 bilhões de reais na concessão do sistema rodoviário AutoBan impulsionou as principais linhas de resultado da CCR no primeiro trimestre, embora a concessionária de infraestrutura também tenha tido robusto crescimento de suas receitas recorrentes no período.

A CCR anunciou nesta quinta-feira que o lucro de janeiro a março subiu 5 vezes na comparação com igual etapa de 2021, para 3,45 bilhões de reais. Em termos ajustados, a empresa teve prejuízo de 89,3 milhões ante lucro de 204 milhões um ano antes.

O resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) mesma base evoluiu 30,7%, para 1,44 bilhão de reais, com alta de 0,5 ponto percentual da margem Ebitda, a 60,4%. O número líquido disparou 176%, chegando a 6,91 bilhões de reais.

Na base recorrente, a receita líquida da companhia teve crescimento de 29,8%, para 2,39 bilhões de reais. Em termos líquidos, a receita deu um salto de 133%, a 8 bilhões de reais.

O contrato de reequilíbrio permite que a CCR administre por mais 10 anos o Sistema AutoBan, que inclui as rodovias Anhanguera e Bandeirantes, ambas no Estado de São Paulo, até 2037.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Para ajustar os resultados do primeiro trimestre, a empresa excluiu os números da Rodonorte, concessão no Paraná vencida em novembro, assim como os da entrada de novos negócios, como as linhas 8 e 9 do metrô de São Paulo.

No relatório de resultados, a CCR afirmou que os números do primeiro trimestre mostram a retomada econômica no país, “com o retorno às atividades presenciais, viagens de negócio e turismo e maior circulação de pessoas e mercadorias”. As companhias aéreas Azul e Gol fizeram comentários semelhantes recentemente em suas respectivas divulgações de resultados.

Os destaques no período para a CCR foram o setor de aeroportos, com aumento de 81,8% no tráfego de passageiros, enquanto o de mobilidade avançou 39,7%. A movimentação de veículos nas rodovias administradas pela CCR cresceu 6,2%.

“Essa tendência de recuperação foi acelerada desde então”, disse a gerente de relações com investidores da CCR, Flavia Godoy, à Reuters.

INTERNACIONAL

A CCR pretende manter seus negócios de administração de aeroportos fora do Brasil -Curaçao, Costa Rica e Equador – após ter anunciado nesta semana a venda de sua participação de 70% na Total Airport Services (TAS), disse Godoy.

“Continuamos com nossas operações internacionais mas, devido ao forte pipeline de oportunidades aqui, vamos focar em novos negócios no Brasil”, disse ela.

Votorantim e Itaúsa acertaram em março a compra da fatia da Andrade Gutierrez na CCR por 4,1 bilhões reais.

Compartilhe esta publicação: