Superávit fiscal estrutural do país em 2021 foi mais de 3 vezes superior ao realizado, diz Economia

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) – Cálculo que elimina fatores transitórios do resultado fiscal do país aponta que o setor público consolidado brasileiro teria registrado um superávit de 2,37% do PIB em 2021, ante o saldo efetivamente realizado de 0,75%, estimou nesta quarta-feira a Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia.

A análise do chamado resultado fiscal estrutural visa avaliar a condução das contas públicas retirando efeitos conjunturais do ciclo econômico e de eventos que não representam mudança permanente na situação do país.

Partindo do patamar positivo de 0,75% do PIB observado em 2021, foi retirado inicialmente o efeito de eventos fiscais não recorrentes, correspondentes a 1,16% do PIB, segundo o órgão. Em seguida, foi eliminado o efeito cíclico do nível de atividade econômica e das flutuações do preço internacional do barril de petróleo, que contribuíram com 0,47% do PIB.

Entre os principais fatores para o cenário estrutural mais positivo, segundo a pasta, estão os efeitos do teto de gastos, da reforma previdenciária e da redução de gastos do governo com pessoal, com menos concursos e congelamento de salários. O impulso fiscal pelo lado das receitas foi explicado pela evolução da atividade, com maiores pagamentos de tributos sobre lucros de empresas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Nos últimos meses, o ministro da Economia, Paulo Guedes, vem criticando analistas que erraram projeções sobre a situação fiscal do Brasil. Segundo a secretaria, o cálculo apresentado nesta quarta mostra uma melhora na situação do país e é útil para ancorar expectativas do mercado em relação à condução das contas públicas.

“Do ponto de vista estritamente estrutural, a situação das contas públicas no Brasil melhorou”, disse o subsecretário de Política Fiscal do Ministério da Economia, Bernardo de Andrade.

Os números do setor público consolidado incluem os dados fiscais do governo federal, Estados e municípios, além de empresas estatais.

A conta do resultado fiscal estrutural incorpora avaliação do valor de equilíbrio de longo prazo do petróleo e do PIB potencial –capacidade produtiva que seria atingida com investimento e força de trabalho em nível de equilíbrio. São desconsideradas despesas e receitas não recorrentes do governo.

Gráfico da SPE que apresenta os dados a partir de 2002 mostra que o resultado fiscal estrutural mais forte foi observado entre 2003 e 2008, durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, atingindo patamar próximo a 4% do PIB. Depois, houve deterioração, com o indicador virando para o campo negativo em 2014, durante a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff.

O nível mais baixo foi registrado em 2016, ano do impeachment da presidente petista. Segundo os números, houve recuperação gradual desde então. O ano de 2021 marcou o retorno do dado para o campo positivo. A SPE afirmou que ainda não é possível antecipar o dado de 2022, que só poderá ser calculado ao final do ciclo.

Compartilhe esta publicação: