Turismo de cannabis já movimenta US$ 17 bilhões nos EUA

De passeios em fazendas de maconha a hotéis “bud and breakfast”, norte-americanos estão descobrindo que “viagens” são para todos

Suzanne Rowan Kelleher e Will Yakowicz
Compartilhe esta publicação:
Folha de maconha sobre nota de US$ 100
Andrii Zorii/Getty Images

O turismo de cannabis pode impulsionar ainda mais a economia dos EUA

Acessibilidade


Adrienne, uma maquiadora de quarenta e poucos anos, cresceu nas montanhas do norte da Geórgia, um estado onde a maconha ainda é ilegal. Quando ela e o marido estavam planejando sair de férias em 2018, Adrienne, que fala com um sotaque sulista simpático e fuma maconha desde os 14 anos, sugeriu que fossem para a Califórnia para ver como é comprar maconha legalmente.

“Eu nunca tinha ido a um dispensário antes e queria um profissional que pudesse conversar conosco para que pudéssemos absorver todo o conhecimento”, diz Adrienne sobre a experiência.

Leia mais: Fumar maconha depois do trabalho atrapalha a produtividade no dia seguinte?

Ela reservou uma excursão com a Emerald Farm Tours, de São Francisco, que oferece tours a dispensários locais para os entusiastas de cannabis, além de passeios privados a cultivos indoors na região. Adrienne gastou cerca de US$ 1.500 (R$ 7.096) em sua “viagem”, que incluiu uma excursão de meio período, uma boa seleção de maconha e um quarto de hotel. Meses depois, ela reservou outra viagem com a mesma empresa, mas desta vez ela e alguns amigos compraram a excursão de dia inteiro para visitar uma fazenda de cannabis ao ar livre em Mendocino, três horas ao norte de São Francisco.

Claro, Adrienne não precisou viajar até o “centro de brotos da América” na Califórnia para desfrutar de cannabis nas férias. Até o momento, 19 estados e Washington, D.C., legalizaram a cannabis recreativa, e vários outros estados provavelmente se juntarão ao grupo este ano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

À medida que a legalização se dissemina, a maconha também se tornou consideravelmente menos estigmatizada. Mais de dois terços dos adultos americanos (68%) apoiam o uso adulto, de acordo com uma pesquisa da Harris realizada em maio. 

Metade de todos os millennials (50%) dizem que o acesso à cannabis recreativa legal é importante ao escolher um destino de férias, e mais de quatro em dez millennials (43%) dizem que escolheram especificamente um destino porque a cannabis era legalizada lá.

Por enquanto, as viagens de cannabis foram amplamente ignoradas pelos conselhos de turismo e pela indústria, deixando milhões de dólares na mesa, diz Victor Pinho, cofundador da Emerald Farm Tours. “Eles são turistas e estão fazendo compras – eles estão aqui para gastar dinheiro na meca da maconha”, diz ele, acrescentando que seu cliente típico gasta de US$ 300 (R$ 1.419) a US$ 400 (R$ 1.892) no dispensário durante uma visita, cerca de três vezes mais do que os locais.

Ainda não está claro qual será o tamanho da nascente indústria do turismo de cannabis, ou qual será seu potencial impacto econômico no setor de turismo dos EUA, que movimenta cerca de US$ 1,2 trilhão (R$ 5,6 trilhões), mas os dados iniciais são promissores. 

Um estudo nacional pré-pandemia de 2020 da empresa de pesquisa de mercado MMGY Travel Intelligence Insights descobriu que quase um em cada cinco (18%) viajantes de lazer norte-americanos está interessado em experiências relacionadas à cannabis nas férias. Esse número cresce para 62% quando a amostra da pesquisa é reduzida a adultos consumidores de cannabis com mais de 21 anos com renda familiar anual superior a US$ 50 mil (R$ 236,5 mil).

A cannabis legal também impulsiona outros negócios. Dos US$ 25 bilhões (R$ 118 bilhões) em vendas legais de cannabis em 2021, a Forbes estima que até US$ 4,5 bilhões (R$ 21,2 bilhões) foram impulsionados por turistas, que despejam US$ 12,6 bilhões (R$ 59,6 bilhões) adicionais em restaurantes, hotéis, atrações e outras lojas – bem como nos cofres de impostos estaduais e municipais. 

Isso porque para cada dólar gasto em um varejista de cannabis, há um efeito multiplicador, com US$ 2,80 (R$ 13,25) adicionais injetados na economia local, diz Beau Whitney, fundador e economista-chefe da Whitney Economics, líder em consultoria de negócios de cannabis.

Para muitos destinos, isso significa uma renda passiva com quase nenhuma promoção local. Considere o Colorado, onde a cannabis recreativa é legal há uma década e gerou US$ 423 milhões (cerca de R$ 2 bilhões) em impostos no ano passado. 

O site do Escritório de Turismo do estado oferece poucas orientações para viajantes pró-​​420, além de dicas genéricas de segurança de cannabis, diretrizes legais e outros conselhos práticos. “A cannabis não é um dos principais impulsionadores em termos de turismo para o nosso estado, em comparação com categorias como recreação ao ar livre”, diz um funcionário do turismo do Colorado por email, observando que não há estatísticas ou relatórios sobre o volume de viagens ou receita.

Embora o Colorado possa não estar tentando atrair de forma proativa turistas que desejam experimentar sua cultura de cannabis, os empresários do estado estão. O Denver’s Patterson Inn, um hotel boutique de nove quartos localizado, apropriadamente, no número 420 da rua E. 11, em breve abrigará o primeiro lounge de consumo de cannabis licenciado da cidade em um hotel. 

O proprietário Chris Chiari diz que seu clube de 92,9 metros quadrados, que será chamado de Suíte 420, estará aberto para hóspedes pagantes do hotel até o final do ano. “Gosto de dizer que é Soho House com maconha”, diz Chiari.

Enquanto isso, outros destinos estão começando a abraçar o turismo de cannabis. A pesquisa mais recente pinta um retrato do típico viajante de cannabis que se parece menos com um maconheiro estereotipado e mais com qualquer outro turista de luxo – um que pode ser tanto do sexo feminino quanto do masculino, inclinando-se para os millennials ou mais jovens (63%), com um diploma universitário (59%), um emprego (82%) e uma renda familiar média de US$ 87 mil (R$ 411,5 mil), de acordo com um relatório da CTAI (Cannabis Travel Association International), um grupo comercial da indústria. 

“Até 2025, 50% dos viajantes nos EUA serão millennials”, diz Brian Applegarth, fundador da organização. “E sua relação com o consumo de cannabis é extremamente normalizada em comparação com os líderes da indústria de hoje, que ainda veem o assunto com estigma.”

Todd Aaronson, CEO da Visit Modesto, o escritório de convenções e visitantes do centro agrícola no Vale Central da Califórnia, concorda. “Os amantes de cães são usuários de maconha. Foodies são usuários de maconha”, diz ele. “Não há diferença entre um turista de cannabis e qualquer outro turista.”

No ano passado, Modesto fez uma parceria com a Cultivar, uma empresa de estratégia de turismo de cannabis fundada por Applegarth, para lançar o MoTown CannaPass, um programa de recompensas no estilo passaporte que ajuda os visitantes a descobrir uma variedade de restaurantes, atividades e varejistas de cannabis na região. 

“Queríamos a oportunidade de dizer: ‘Ei, se você gosta de maconha e você está aqui, temos lojas que são legais’”, diz Aaronson. “E nós temos experiências que você pode desfrutar como se estivesse visitando uma cervejaria ou adega de vinhos. Todos são regulamentados. Você deve ter um driver designado para cada um. Todo visitante é bem-vindo. Deixe seu dinheiro aqui.”

Com o mapa da cannabis legalizada nos EUA ainda parecendo uma colcha de retalhos, a Califórnia emergiu como o centro do turismo de cannabis por enquanto, com um punhado de outros destinos em todo o Golden State lançando recentemente seus próprios programas.

Entre eles há o novo Oakland Cannabis Trail, que leva os visitantes a uma viagem imersiva pela herança da maconha da cidade, para Greater Palm Springs, cujo site de turismo destaca o bem-estar por meio de seus lojas, hotéis, spas e passeios. 

O Los Angeles Times recentemente apelidou o badalado bairro de West Hollywood como “a Amsterdã do Faroeste”, graças a uma alta concentração de dispensários, incluindo alguns apoiados por celebridades como Jay-Z e Woody Harrelson.

Viajando alto

O que saber sobre o turismo de cannabis antes de ir:

  • Nos estados dos EUA onde a cannabis recreativa é legal, a idade mínima é 21 anos.
  • Cada estado onde a cannabis é legal tem suas próprias regras, que também podem variar de cidade para cidade. Pesquise as leis locais antes de chegar.
  • Nunca dirija sob o efeito de cannabis. Planeje com antecedência e use táxis, aplicativos de transporte ou combine com antecedência quem será o motorista da rodada.
  • Muitos hotéis não permitem fumar em suas instalações, enquanto outros oferecem áreas designadas. Milhares de propriedades no Airbnb e Bud & Breakfast atualmente permitem fumar.
  • É ilegal cruzar fronteiras estaduais com cannabis.
  • A cannabis é ilegal sob a  legislação federal dos EUA, o que significa que é ilegal transportá-la em um voo comercial. Embora a TSA não faça inspeções focadas especificamente em maconha, os policiais são obrigados a alertar a polícia local se a descobrirem substâncias durante uma triagem.
  • Alguns destinos não permitem que pessoas de fora do estado comprem cannabis com uma receita médica, mesmo que eles tenham uma licença válida em seu estado de origem. Verifique as regras de reciprocidade antes de viajar.

Em outros lugares dos Estados Unidos, programas de turismo de cannabis surgiram em alguns nichos surpreendentes. No Centro-Oeste, a Michigan Cannabis Trail ajuda os visitantes a aproveitar ao máximo a cannabis legal na região dos Grandes Lagos. E em Kentucky, onde a cannabis recreativa continua ilegal, a Hemp Highway celebra a colheita somente de CBD em todo o Estado do Bluegrass.

Olhando para o futuro, a Flórida tem o potencial de ser um divisor de águas para o turismo de cannabis na Costa Leste. Depois da Califórnia, o Sunshine State é o segundo do país em turismo, arrecadando US$ 99 bilhões (R$ 468,3 bilhões) em gastos de visitantes em 2019. 

A Flórida também possui o maior mercado de maconha medicinal do país, com vendas anuais de US$ 1 bilhão (R$ 4,73 bilhões). Mas até agora os esforços para legalizar a maconha recreativa encontraram oposição de líderes estaduais.

Uma executiva de olho no setor de turismo é Kim Rivers, CEO e cofundadora da Trulieve, uma das maiores empresas de cannabis do país que está presente em 11 estados. “A oportunidade será enorme”, diz Rivers sobre a Flórida. “Temos 21 milhões de habitantes e 130 milhões de turistas. Em um mercado de uso adulto, nosso negócio se beneficiaria muito.”

Rivers posicionou estrategicamente muitos dos dispensários de Trulieve em lugares sinônimos de turismo: Orlando, Key West e perto do famoso Daytona International Speedway. Embora as tentativas de legalizar o uso adulto na Flórida tenham falhado, Rivers está confiante de que, quando isso acontecer, o mercado do estado se transformará.

Quão grande poderia ser o mercado de turismo de cannabis da Flórida se o estado legalizar a maconha recreativa? Em 2019, um estudo de impacto financeiro estimou que a Flórida poderia arrecadar US$ 190 milhões (R$ 898,8 milhões) adicionais em impostos sobre vendas “como resultado dessas vendas e do aumento do turismo”. Com base em uma alíquota de imposto sobre vendas de 6%, isso significaria um mercado potencial de US$ 3,2 bilhões (R$ 15,1 bilhões) há três anos. Nada mal para uma indústria nascente.

Compartilhe esta publicação: