Waller, do Fed, apoia altas de 50 pontos-base nos juros até declínio "substancial" da inflação

O banco central está sob pressão para reduzir decisivamente uma taxa de inflação que está em mais de três vezes sua meta de 2%

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Brendan McDermid/Reuters
Brendan McDermid/Reuters

Sede do Federal Reserve (Fed), banco central dos Estados Unidos

Acessibilidade


O Federal Reserve deve estar preparado para aumentar as taxas de juros em 0,50 ponto percentual em cada uma de suas próximas reuniões até a inflação ser decisivamente contida, disse o diretor Christopher Waller hoje (30), ressaltando tensões no banco central sobre quão agressivamente deve apertar a política monetária enquanto luta para derrubar a elevada inflação.

“Estou defendendo [ajustes de] 0,50 [ponto percentual] à mesa a cada reunião até vermos reduções substanciais na inflação. Até conseguirmos isso, não vejo sentido em parar”, disse Waller após discurso no Instituto de Estabilidade Financeira e Monetária em Frankfurt, Alemanha, no qual, mais cedo, confirmou querer incrementos do mesmo valor nas próximas “várias” reuniões.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Os comentários de Waller vieram antes da reunião de amanhã (31) entre o chair do Fed, Jerome Powell, e o presidente dos EUA, Joe Biden, para uma discussão convocada pela Casa Branca sobre o estado da economia norte-americana e global.

O banco central está sob pressão para reduzir decisivamente uma taxa de inflação que está em mais de três vezes sua meta de 2% e que causou um salto no custo de vida dos norte-americanos. A instituição enfrenta uma tarefa difícil de reduzir a demanda na economia o suficiente para conter o avanço dos preços sem causar uma recessão.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O índice de aprovação pública de Biden caiu nesta semana para 36%, nível mais baixo de sua presidência, conforme norte-americanos sofrem com a inflação pressionada, de acordo com uma pesquisa de opinião Reuters/Ipsos feita na semana passada, que soou alarmes de que o Partido Democrata de Biden esteja a caminho de perder o controle de pelo menos uma Câmara do Congresso nas eleições de meio de mandato em 8 de novembro.

O Fed elevou sua taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual no início deste mês, para uma meta entre 0,75% e 1%, e planeja novos incrementos do mesmo tamanho em suas próximas duas reuniões –em junho e julho.

O debate no Fed migrou para os aumentos das taxas de juros necessários para o restante do ano. A maioria dos formuladores de política monetária disse querer esperar e ver o quanto a inflação cai durante o verão (nos EUA) antes de decidir se precisam acelerar ou reduzir o tamanho da elevação da taxa de juros em setembro.

Waller disse querer ver o banco central elevando sua taxa básica de juros acima do nível neutro –que não estimula nem restringe o crescimento econômico– até o fim deste ano.

Atualmente, investidores veem a taxa das Fed Funds em uma faixa entre 2,50% e 2,75% no fim deste ano.

As decisões do banco central até agora resultaram em uma liquidação de ações e um salto nos rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA e no dólar.

O diretor disse estar otimista de que o forte mercado de trabalho possa lidar com juros mais altos sem um aumento significativo no desemprego.

“Se conseguirmos uma taxa de desemprego de apenas 4,25%, eu consideraria um desempenho magistral”, afirmou Waller. A taxa atual é de 3,6%.

Compartilhe esta publicação: