As 5 piores decisões que você precisa evitar na hora de investir

Profissionais listam quais são os principais erros ao realizar uma aplicação financeira

Naty Falla
Compartilhe esta publicação:
Homem aparece em pé segurando notebook.
GettyImages/Photographer is my life

Definir o seu perfil como investidor é o ponto central para realizar boas escolhas.

Acessibilidade


Rentabilidade passada, dicas de amigos e promessas mirabolantes. Para entrar no mundo dos investimentos de forma segura, é essencial entender que esses assuntos precisam ser analisados com cautela para não investir os recursos de forma equivocada.

A Forbes Brasil conversou com especialistas para entender quais são as piores decisões das quais você precisa fugir, como investidor iniciante ou até mesmo de longa data, para que os seus investimentos não sejam impactados de forma negativa. Confira:

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

1. Não conhecer o seu perfil como investidor

Se conhecer é importante até na hora de investir. Para o especialista Abner Gonçalves, líder de produtos e alocação da Blue3, definir o seu perfil como investidor é o ponto central para realizar boas escolhas.

Com isso estabelecido, é possível entender qual a sua tolerância a risco, decidir quais os objetivos financeiros, o prazo esperado para retornos e a necessidade de liquidez.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Caso a pessoa perceba que ela se encaixa em um perfil conservador, por exemplo, é preciso buscar opções menos voláteis, como a renda fixa. Com isso, é possível definir quais são as melhores oportunidades dentro deste tipo de investimento”, diz o especialista.

2. Achar que rentabilidade passada é sinônimo de rentabilidade futura

Passado não é garantia de futuro, alerta Rodrigo Moliterno, head de renda variável da Veedha Investimentos. Por mais que um investimento tenha dado muito certo, isso não significa necessariamente que ele continuará dando certo no momento atual. Muitas coisas podem acontecer e, por isso, é preciso se manter informado.

“Esse ponto serve principalmente quando a gente fala em renda variável. A ação, por exemplo, pode variar de acordo com a mudança de cenário. Alguns papéis de empresas que antes eram as queridinhas dos investidores hoje sofrem grandes perdas na Bolsa de Valores. Por isso é preciso se manter informado”, explica.

Para Moliterno, também não adianta olhar para a performance de hoje e achar que ela vai continuar rendendo na semana seguinte: “É preciso entender o porquê do investimento ter valorizado naquele momento, avaliando se foi um caso excepcional ou se tem algum outro fator que possa trazer mais segurança para o ativo.”

3. Acreditar em promessas mirabolantes

Já pensou investir R$ 100 e ter um retorno de R$ 100 mil em um curto prazo? Parece duvidoso, certo? Gonçalves alerta que promessas de rentabilidade muito acima do que o mercado pratica estão cada vez mais comuns na internet e, por isso, é importante ter cautela para não cair em golpes.

“Claro que existem bons negócios que podem trazer rendimentos excelentes, mas é preciso ir com calma, principalmente quando o investidor é iniciante. Para evitar isso, busque sempre informações corretas por meio de profissionais”, alerta o especialista.

Para evitar decepções no futuro, também é importante ter um bom senso na hora de escolher uma plataforma de investimentos, além de sempre questionar se a decisão faz sentido.

Moliterno também alerta sobre não cair em papo de terceiros: “Não é porque um amigo conseguiu uma rentabilidade boa em um investimento que o outro conseguirá o mesmo. É preciso entender se o momento continua favorável, qual o nível de risco do produto e o período de carência, que podem não ser aquilo que a pessoa procura”.

4. Não ter uma reserva de emergência

Para o especialista Abner Gonçalves, é importante manter uma reserva de emergência antes de construir uma carteira a longo prazo para começar a investir de uma forma mais segura. “Para isso, é preciso fazer uma leitura da quantidade dos gastos médios e criar uma reserva que consiga cobrir entre 6 e 12 meses, o que varia de acordo com o perfil da pessoa”.

“Também é essencial ter consciência do momento atual da vida financeira. Caso tenha muitas dívidas, por exemplo, o foco precisa ser em conseguir descontos e quitá-las, para que elas não virem uma bola de neve e atrapalhem rendimentos futuros”, alerta o especialista.

5. Se basear apenas na emoção

Tomar decisões baseadas na razão é crucial no mundo dos investimentos, já que aquelas tomadas no calor do momento tendem a ser perigosas. Segundo Gonçalves, é importante fazer uma análise fria olhando para o futuro.

“O passado tem um valor histórico muito importante na hora de você tomar uma decisão, mas ele não é o único ponto. É preciso realizar uma análise cautelosa, considerando todos os riscos, ou ao menos o máximo possível, levando em conta a razão e nunca somente a emoção”, explica.

O especialista complementa que não é só porque saiu uma notícia boa sobre uma empresa, ou uma ruim, que é hora de comprar ou vender as ações. “A informação é crucial, mas filtre para que não haja conflitos. Se mantenha atualizado, mas entenda que nem toda notícia afetará o investimento. Respire fundo e vá atrás de opiniões de especialistas”, conclui Gonçalves.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: