Banco Central anuncia que real digital chegará ao mercado em 2023

Moeda digital será uma extensão da física e poderá ser utilizada em pagamentos internacionais e transações na internet

Redação
Compartilhe esta publicação:
Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Moeda brasileira de um real e cédula de 100 reais.

Acessibilidade


 

A versão digital da moeda brasileira, chamada de real digital, deverá chegar ao mercado em 2023 na versão piloto, para testes, segundo o economista do BC (Banco Central), Fábio Araújo. O cronograma inicial do projeto previa que o piloto fosse liberado ainda neste ano, porém, devido à greve dos servidores do BC, a programação foi adiada.

Em debate promovido pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos) na segunda-feira (30), Araújo indicou que, em 2023 e início de 2024, os pilotos do real digital estarão na fase de testes, para que no segundo semestre de 2023 a moeda seja lançada oficialmente.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O que é o Real Digital?

Versão digital da cédula física, o real digital é um modelo de CBDC (Central Bank Digital Currency ou Moeda Digital do Banco Central, na sigla em inglês), que propõe a criação de uma moeda eletrônica, emitida pelo próprio Banco Central, como extensão ou substituição às cédulas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O movimento do Brasil na criação da própria moeda digital acompanha outras nações. Países como Estados Unidos, Reino Unido e Venezuela já discutem a criação de suas CBDCs. Mas é na China que o processo já está consolidado.

Precursora na criação da versão digital do iuan, boa parte das transações financeiras do gigante asiático são com a versão digital da moeda. Mais de 20 milhões de chineses já usam a moeda criada pelo Banco Popular da China e sua rede de blockchain para pagamentos.

Aposentadoria das cédulas de papel

Em 2021, o Banco Central anunciou que estava desenvolvendo o real digital, que deverá funcionar como uma extensão da moeda física.

Diferentemente das criptomoedas, o real digital será regulamentado e garantido pelo BC e trará a possibilidade do uso de novas tecnologias, segundo a autoridade monetária. Algumas das transações anunciadas pelo BC são em contratos inteligentes (smart contracts), pagamentos internacionais e utilização em internet das coisas (IoT).

De acordo com o BC, as pessoas interessadas em utilizar o real digital deverão obter uma carteira virtual de um agente autorizado, como um banco ou uma instituição de pagamento. A versão inicial da moeda digital será uma opção adicional ao uso de cédulas convencionais e poderá ser convertida para qualquer outra forma de pagamento hoje disponível, como depósito bancário convencional ou em real físico.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: