Brasilprev atinge R$13 bi em recursos de sua plataforma aberta

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


SÃO PAULO (Reuters) – A Brasilprev está ampliando a aposta em fundos multimercados e em carteiras geridas por terceiros, em meio à maior disputa com novos players, que oferecem produtos mais flexíveis.

Maior administradora de previdência complementar do país, com 328 bilhões de reais em ativos sob gestão, a gestora controlada por Banco do Brasil e a norte-americana Principal segue líder, com cerca de 30% do mercado.

Porém, tem visto participantes mais recentes desse setor, como XP e BTG Pactual, crescerem mais rápido em captação líquida, enquanto exploram inovações regulatórias para lançar novidades como fundos de investimento em ativos no exterior.

Para lidar com essa dinâmica de mercado, a Brasilprev agregou à sua prateleira 22 fundos multimercados, incluindo próprios e os de 18 casas gestoras independentes. Neste ano, lançou também 5 produtos em plataforma aberta com 100% de exposição em bolsa.

Segundo o diretor financeiro da Brasilprev, Jorge Ricca, o movimento faz parte da estratégia lançada há dois anos de atender a demanda por produtos que ofereçam rentabilidade superior à da renda fixa, após a Selic ter tocado a mínima histórica de 2% ao ano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Segundo o executivo, a decisão surtiu resultados. “Mais de 50% do que foi captado para previdência complementar por meio de plataforma aberta no Brasil neste ano veio para Brasilprev”, disse Ricca.

O patrimônio sob gestão da companhia nesse segmento atingiu 13 bilhões de reais neste mês, valor que inclui tanto novos clientes quanto da migração de parte dos recursos que estavam em outras carteiras.

Ricca explicou que a maior demanda por fundos de terceiros parte de clientes que já conhecem o mercado financeiro. A previsão da casa é de mais adiante passar a oferecer fundos de terceiros também para clientes empresariais.

(Por Aluísio Alves)

Compartilhe esta publicação: