Confiança da indústria do Brasil tem em junho melhor nível desde fim de 2021, diz FGV

Índice de Confiança da Indústria chegou a 101,2 pontos, resultado mais forte desde novembro do ano passado

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Esse é o terceiro mês seguido que a indústria brasileira apresenta ganhos

Acessibilidade


A confiança da indústria no Brasil melhorou em junho pelo terceiro mês seguido e atingiu o melhor nível desde o final de 2021, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) hoje (28).

Os dados da FGV mostraram que o Índice de Confiança da Indústria (ICI) avançou 1,5 ponto na comparação com o mês anterior, chegando a 101,2 pontos, resultado mais forte desde novembro de 2021, quando o indicador atingiu 102,1 pontos.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O Índice de Situação Atual (ISA), que mede o sentimento dos empresários sobre o momento presente do setor industrial, teve alta de 1,9 ponto em junho, indo a 102,3 pontos, segundo a FGV.

“Observa-se aumento da satisfação em relação à situação presente dos negócios e avaliações muito positivas quanto à demanda externa, com destaque para o bom momento dos segmentos de consumo não durável e intermediários”, explicou o economista do FGV IBRE Stéfano Pacini, em nota.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Já o Índice de Expectativas (IE), indicador da percepção sobre os próximos meses, subiu 1,2 ponto para 100,2 pontos, embora ainda haja cautela em relação ao futuro.

“Na ótica das expectativas, as previsões são otimistas no horizonte de três meses, mas ainda cautelosas no de seis, uma diferença possivelmente decorrente da preocupação com a escalada inflacionária e dos juros internos, além do previsível aumento da incerteza durante o período eleitoral”, completou Pacini.

A indústria brasileira apresentou ganhos em abril pelo terceiro mês seguido, de 0,1% segundo o dado mais recente do IBGE, indicando alguma melhora mas ainda insuficiente para compensar as perdas recentes.

Compartilhe esta publicação: