CPI da Petrobras teria foco mais político do que técnico, diz ministro

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


SÃO PAULO (Reuters) – O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, disse nesta terça-feria que uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre a Petrobras teria foco mais político do que técnico, mas afirmou que apoiará eventual decisão do Congresso de instaurá-la.

“Como ministro, defendo marcos legais, segurança jurídica, mais previsibilidade… O que posso garantir é que o ministério vai apoiar a decisão do Congresso”, disse, durante audiência pública na Câmara dos Deputados.

Uma CPI, que geralmente é um instrumento da oposição, foi defendida pelo presidente Jair Bolsonaro, em sua disputa com o comando da estatal devido ao preço dos combustíveis.

Sachsida avaliou também que a criação de uma conta de estabilização de preços de combustíveis alimentada por dividendos da Petrobras é uma “ideia tecnicamente interessante”, mas que poderia gerar uma “bola de neve” ao criar instabilidade nos mercados.

O ministro reiterou ainda ser favorável à privatização da Petrobras, que, em sua leitura, geraria mais competição no mercado, a exemplo do que ocorreu com a Telebras.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

No entanto, ele ponderou que a decisão sobre a desestatização cabe ao presidente da República e ao Congresso, repetindo posicionamento que já havia externado em audiência na Câmara na semana passada.

(Por Letícia Fucuchima)

Compartilhe esta publicação: