Dólar à vista salta 3% e flerta com R$5,14 por temores inflacionários antes de reuniões de BCs

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar saltava nesta segunda-feira e ultrapassou as marcas de 5,13 reais no mercado à vista e de 5,16 reais no segmento futuro da B3, com os mercados ainda abalados por dados recentes de inflação norte-americanos, em semana que terá como destaques as reuniões de política monetária dos bancos centrais de Brasil e Estados Unidos.

Às 12h03 (de Brasília), o dólar à vista avançava 2,83%, a 5,1300 reais na venda, após bater 5,1388 reais, alta de 3,00%.

Na B3, o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 2,80%, a 5,1570 reais, depois de alcançar 5,1650 reais.

A moeda negociada no mercado interbancário operava nas máximas desde 13 de maio e caminhava para fechar acima de sua média móvel linear de 100 dias –um importante nível técnico atualmente em torno de 5 reais– pela primeira vez desde janeiro passado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O real não estava isolado nas perdas em relação ao dólar. A maioria das principais divisas do mundo caía acentuadamente no dia, com peso mexicano, peso chileno, peso colombiano e rand sul-africano entre os destaques negativos, em queda de mais de 2% cada. Frente a uma cesta de rivais de países ricos, a moeda norte-americana acelerou os ganhos para 0,56% e bateu uma nova máxima em cerca de 20 anos.

Os mercados “estão dando continuidade à forte aversão a risco verificada na segunda metade da semana passada e acelerada após a divulgação dos dados de inflação nos EUA na sexta-feira”, disse em blog Dan Kawa, diretor de investimentos da TAG.

O Departamento do Trabalho dos EUA informou no fim da semana passada que seu índice de preços ao consumidor acelerou a alta a 1% em maio, contra 0,3% em abril e expectativa de taxa de 0,7%. O avanço acumulado em 12 meses foi de 8,6%, o mais intenso desde dezembro de 1981, com os preços da gasolina atingindo recorde.

Os dados desencadearam fortes temores de que o Federal Reserve optará por aumentos mais agressivos dos juros de forma a conter a disparada da inflação, o que poderia minar o crescimento da maior economia do mundo num momento já desafiador por causa da guerra na Ucrânia e de riscos de novos lockdowns da Covid-19 na China.

Isso levou a uma inversão na curva de juros entre os rendimentos dos títulos soberanos de dois e dez anos dos Estados Unidos –movimento visto como prenúncio de recessão nos próximos um ou dois anos.

“A inversão da curva de juros nos EUA… é um indicador preocupante para a dinâmica dos mercados. O Brasil, por ora, será refém desta aversão a risco internacional”, disse Kawa.

Contratos futuros vinculados aos juros básicos dos Estados Unidos mostravam por volta de 11h40 (de Brasília) probabilidade de 25% de aumento de 0,75 ponto percentual pelo Federal Reserve em sua próxima reunião de política monetária, que começa na terça e termina na quarta-feira desta semana.

O Fed aumentou os custos dos empréstimos em 0,25 ponto percentual em março passado, ajuste seguido de alta mais intensa, de 0,50 ponto, em maio. Até poucos dias atrás, o consenso nos mercados era de que o banco central norte-americano manteria esse ritmo de aperto pelas próximas duas reuniões, pelo menos.

No Brasil, o Banco Central também se encontra para discutir a política monetária nesta semana, nas mesmas datas que o Fed. A maior parte dos participantes do mercado espera aumento de 0,50 ponto percentual na taxa Selic, para 13,25%.

O Goldman Sachs compartilha dessa visão, conforme relatório do fim da semana passada, e espera ainda que o Copom deixe a porta aberta para outra alta moderada da Selic na reunião de agosto. A instituição, no entanto, não descarta o fim do ciclo de aperto monetário nesta semana com um ajuste acima de 0,50 ponto percentual, citando “efeitos defasados ​​de uma postura monetária já claramente restritiva” e “maior incerteza geopolítica e econômica global em meio à alta volatilidade dos ativos financeiros”.

Quanto mais alta a Selic, mais atraente tende a ficar o real para investidores que utilizam estratégias de “carry trade” –que buscam lucrar com diferenciais de juros via compra de moedas de países com taxas elevadas.

(Edição de José de Castro)

Compartilhe esta publicação: