Dólar esboça acomodação após forte alta da véspera e segue acima de R$5,10

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


SÃO PAULO (Reuters) -O dólar ensaiava uma acomodação na primeira meia hora de negócios no mercado à vista nesta terça-feira, em meio a um dia mais calmo nos mercados globais de câmbio após o forte estresse da véspera que no Brasil levou a moeda à maior alta em um mês.

Às 9h18 (de Brasília), o dólar à vista recuava 0,07%, a 5,1085 reais na venda. Na B3, o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,20%, a 5,1335 reais.

O foco do mercado segue voltado para o que o banco central dos Estados Unidos vai decidir e sinalizar ao fim de sua reunião de política monetária na quarta-feira.

“O PPI (índice de inflação ao produtor dos EUA), (a ser) divulgado hoje às 9h30, será o balizador dos negócios enquanto ‘players’ migram apostas para alta (dos juros) de 75 pontos-base amanhã, na reunião do Fomc”, disse a Renascença em comentário matinal.

O mercado já espera altas de taxas pelo Fed, mas um orçamento maior de aperto monetário pode oferecer novo fôlego ao dólar, que na segunda-feira renovou máxima em 20 anos contra uma cesta de rivais.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Nesta manhã, o índice do dólar frente a uma cesta de países ricos cedia 0,1%. O dólar perdia 0,2% contra um grupo de moedas emergentes.

No Brasil, o mercado debate ainda o que o Copom vai indicar ao término de sua reunião de política monetária, previsto para poucas horas depois do anúncio do Fed. Tem crescido apostas de que o colegiado do Bacen pode elevar os juros na quarta em 0,75 ponto percentual, embora um aumento de 0,50 ponto ainda seja consenso por larga escala.

O dólar completou na segunda-feira sua sexta sessão consecutiva de altas frente ao real, mais longa série do tipo desde setembro de 2021. No período atual, acumulou ganho de 7,00%. A moeda fechou em alta de 2,46% na segunda, a 5,112 reais na venda –valor mais elevado desde 12 de maio (5,1424 reais) e o ganho percentual mais forte desde 2 de maio (2,58%).

Segundo a Renascença, o “ruído” que ronda as mesas é que um grande ‘player’ sistemático vem comprando uma “grande quantia” de dólares desde sexta, o que tem feito bastante preço. “Mercado segue monitorando esse fluxo enquanto temos um início de dia um pouco mais ‘morno'”, disse a corretora.

Entre o último dia 3 e a véspera, investidores estrangeiros compraram, em termos líquidos, 1,64 bilhão de dólares em contratos de dólar futuro e cupom cambial na B3.

(Por José de Castro)

Compartilhe esta publicação: