Dólar salta 1,1% e supera R$4,80 em atribulado começo de mês

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – Uma nova rodada de fortalecimento global do dólar pegou em cheio o mercado de câmbio brasileiro nesta quarta-feira, e a moeda norte-americana fechou em alta de mais de 1%, acima de 4,80 reais, num começo de junho nada auspicioso para divisas emergentes em meio a renovados temores inflacionários e de juros mais altos pelo mundo.

O dólar à vista subiu 1,10%, a 4,8065 reais. É o maior patamar em uma semana e a mais forte valorização diária desde 9 de maio (+1,62%).

A cotação firmou alta na parte da tarde, quando o sentimento de risco global piorou, mas pela manhã chegou a marcar queda de 0,66%, a 4,7227 reais. Nas operações vespertinas, chegou a saltar 1,29%, a 4,8154 reais.

O real amargou o terceiro pior desempenho entre as principais moedas globais nesta sessão, melhor apenas que rublo russo e iene japonês. O dólar ganhou terreno frente a 29 pares de uma lista de 33, e uma medida das oscilações da moeda caminhava para a maior alta diária em quase um mês, após dados fortes nos EUA alimentarem novamente apostas de elevação mais intensa dos juros norte-americanos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os ruídos em Brasília –que vão desde demanda por aumentos salariais por parte de servidores públicos, pressões cada vez maiores por medidas para intervir nos preços dos combustíveis, tensões entre centrão e Ministério da Economia e as manchetes eleitorais– deram ainda menos motivos para qualquer venda de dólar.

Diretamente afetada por especulações sobre mudanças forçadas em sua política de preços, Petrobras voltou a cair nesta quarta-feira e acumula queda de quase 8% em suas ações preferenciais desde as máximas alcançadas horas antes do anúncio da mais recente troca do presidente da estatal, ocorrida em 23 de maio.

Em relatório, Claudio Irigoyen e Christian Gonzalez Rojas, do Bank of America, disseram que o real está próximo do patamar justo sugerido por elementos macro e deve superar pares regionais no curto prazo, mas ponderaram que a moeda pode sofrer com efeitos negativos de um aumento de prêmio de risco decorrente da combinação entre as eleições de outubro e o fim do ciclo de aperto monetário pelo Banco Central.

A visão mais desconfiada acerca do real faz parte de um entendimento mais amplo em relação às moedas latino-americanas, para as quais os profissionais mantêm viés “cauteloso” apesar de taxas de câmbio em níveis “historicamente baratos”.

“Nosso melhor conselho para investidores é não cair na armadilha de valor da América Latina”, afirmaram. “A incerteza política é ampla, os fundamentos institucionais continuarão enfraquecendo e o crescimento continuará ficando para trás em relação a outras regiões, o que sugere que o prêmio de risco deve permanecer alto por mais tempo. Além disso, o cenário global que nossos economistas e estrategistas preveem para o restante de 2022 não é um bom presságio para as moedas latino-americanas”, finalizaram.

Compartilhe esta publicação: