Evergrande é alvo de processo de liquidação em Hong Kong

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Por Clare Jim

HONG KONG (Reuters) – Um acionista da unidade da China Evergrande Fangchebao (FCB) disse nesta segunda-feira que entrou com uma petição de liquidação da incorporadora imobiliária em Hong Kong, pois a companhia não honrou um acordo de recompra de ações adquiridas na FCB.

Trata-se da primeira petição de liquidação da Evergrande de que se tem conhecimento. O grupo tem mais de 300 bilhões de dólares em passivos e sua dívida offshore foi considerada inadimplente depois de não cumprir obrigações de pagamento no final do ano passado.

A holding de investimentos Top Shine Global comprou em março do ano passado 0,46% da FCB, um marketplace online imobiliário e automotivo, por 750 milhões de dólares de Hong Kong (95,6 milhões de dólares). A operação ocorreu no âmbito da venda pela Evergrande de 10% da unidade para 17 investidores por um total de 2,10 bilhões de dólares antes de uma planejada oferta pública inicial de ações (IPO) da FCB.

Um executivo da Top Shine disse à Reuters que, segundo o acordo, se um IPO não se concretizasse até 8 de abril deste ano, a Evergrande teria que recomprar as ações com um prêmio de 15%.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Na petição, a Top Shine cobra que a Evergrande honre o acordo de recompra das ações, disse o executivo, sem dar mais detalhes. A pessoa não quis ser identificada devido à sensibilidade do assunto.

A Evergrande não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre a petição.

Os registros do Tribunal Superior de Hong Kong mostraram que a petição foi apresentada na sexta-feira, e uma audiência será realizada em 31 de agosto, de acordo com o site do órgão.

A fonte acrescentou que a decisão de entrar com a ação é independente do processo de reestruturação da Evergrande, embora a Top Shine seja considerada credora.

O beneficiário final da Top Shine é Lin Ho Man, que também investiu mais 0,46% na FCB por meio de outra entidade, a Triumph Roc International, de acordo com documento do ano passado.

(Por Clare Jim; reportagem adicional de Kiki Lo)

Compartilhe esta publicação: