Febraban vê 2023 'desafiador' e tendência de inadimplência em deterioração

Segundo o presidente da federação, a dúvida é se a inadimplência vai ficar acima do que os bancos esperam.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Moeda brasileira de um real e cédula de 100 reais.

Acessibilidade


O setor bancário considera que o ano de 2023 será “desafiador” e que a tendência da inadimplência é seguir em deterioração, em meio ao ambiente de alta de juros, inflação elevada e falta de racionalidade no debate político, o que gera dúvidas sobre o quadro fiscal e a continuidade das reformas no país.

Apesar disso, o presidente da Febraban, Isaac Menezes Ferreira, afirmou durante evento do setor de telecomunicações em Brasília que o setor bancário “não está com projeções de que a inadimplência vai se deteriorar de forma a perdemos o controle sobre ela”.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“A dúvida é se a inadimplência vai ficar acima do que esperávamos”, acrescentou.

Segundo ele, as eleições trazem a perspectiva de retomada da agenda de reformas estruturais, como a tributária, mas o debate político atualmente não tem sido marcado por racionalidade nessa questão.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Novos governos, governo renovados, começam com capital político maior e forte apoio popular para comandar uma agenda de reformas”, disse Ferreira. “A nossa percepção é que o governo que vai se eleger em outubro, seja reeleição ou uma nova eleição, retome a agenda de reformas. Isso é fundamental e não haverá alternativa para quem assumir o comando do país.”

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: