Ibovespa abre em alta de 0,63% e recupera os 100 mil pontos

Acompanhando as Bolsas americanas, o Ibovespa sinaliza dia de recuperação.

Redação
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa abriu em alta hoje (23), com subida de 0,63%, de volta aos 100 mil pontos, acompanhando as altas nas Bolsas americanas. O discurso do presidente do Federal Reserve (banco central dos EUA), Jerome Powell, ao Senado ontem conteve os ânimos do mercado, que espera o mesmo tom do chair em sua audiência na Câmara nesta quinta.

Powell garantiu que o compromisso do Fed é conter a inflação que já chega aos maiores níveis em 40 anos e assumiu que existe a possibilidade de uma recessão, visto que “será muito desafiador” baixar a inflação dos atuais 8,6% para a meta do BC, de 2%.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Para hoje, é esperado que o presidente mantenha o mesmo tom, o que colocou os futuros de Nova York no campo positivo. Às 10h (horário de Brasília), o Dow Jones subia 0,20%, o S&P avançava 0,37% e o Nasdaq ganhava 0,58%.

Na Europa, o mesmo tema guia os mercados. Hoje, a cúpula dos líderes da União Europeia se reúne para falar sobre alta dos preços, aumento dos juros e risco de recessão. Os indicadores de gerentes de compra PMI da zona do euro que saíram nesta quinta não favorecem as discussões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Segundo os dados, a indústria perdeu força ao registrar um PMI de 52,0 em junho, contra os 54,6 de maio – especialistas esperavam 53,8. O indicador de serviços também desacelerou em junho: saiu dos 56,1 de maio para 52,8 no mês passado, contra projeções de 55,5.

Nas Bolsas europeias, os índices operam de forma mista nesta manhã. Em Londres, o FTSE 100 apresenta ligeira queda de 0,07% às 9h30 (horário de Brasília), enquanto o DAX, da Alemanha, caía 0,60%. Na França, o CAC 40 tinha alta de 0,34%. O índice europeu Stoxx 600 tinha ligeira queda de 0,11%.

Na Ásia, as bolsas fecharam sem direção definida, com o medo de uma recessão nos Estados Unidos pesando de um lado, e do outro o governo chinês reiterando seus compromissos de ampliar esforços para cumprir as metas do ano.

O Xangai fechou em alta de 1,62% e o Shenzhen avançou 2,08%. Em Hong Kong, o Hang Seng teve ganhos de 1,26%. Em Tóquio, o Nikkei subiu 0,08%, mas, em Seul, o Kospi perdeu 1,22% e, em Taiwan, o Taiex fechou em queda de 1,12%.

Cenário interno

Por aqui, investidores digerem os novos planos do governo para compensar o aumento dos combustíveis. Está em destaque a proposta de um voucher para os caminhoneiros que pode variar entre R$ 600 e R$ 1.000, segundo o jornal O Globo. Anteriormente, o valor proposto era de R$ 400, mas foi considerado insuficiente.

A medida se soma à PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos Combustíveis que isenta a cobrança de ICMS e prevê compensação para os estados que fizerem o mesmo. Segundo Broadcast, a conta de todo o pacote de benefícios deve custar R$ 51,4 bilhões aos cofres públicos.

Na agenda, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, participa de coletiva de imprensa para falar sobre política monetária, juros e inflação no Brasil, às 11h (horário de Brasília).

No corporativo, CVC (CVCB3) e Eneva (ENEV3) precificam suas ofertas subsequentes de ações. A CVC pretende uma captação de R$ 477 milhões, enquanto a Enerva pretende arrecadar R$ 4 bilhões.

O dólar registra alta hoje pela manhã, de 0,16% às 10h10 (horário de Brasília), sendo negociado a R$ 5,1850 na venda.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: