Ibovespa recua 3% e vai abaixo de 100 mil pontos com temor sobre recessão

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) – O Ibovespa recuava fortemente nesta sexta-feira, perdendo o patamar dos 100 mil pontos pela primeira vez desde novembro de 2020, sem alívio nas preocupações com os efeitos de medidas de políticas monetária na atividade econômica mundial.

Às 11:16, o Ibovespa caía 3,2%, a 99.521,37 pontos, menor patamar intradia desde 5 de novembro de 2020. O volume financeiro somava 7 bilhões de reais.

Parte das vendas na bolsa brasileira refletia ajustes a fortes perdas em Wall Street na véspera, quando não houve negociação no mercado acionário brasileiro pelo feriado de Corpus Christi. [nL1N2Y32NT]

Na quarta-feira, o Ibovespa chegou a experimentar uma trégua e fechou em alta, após uma sequência de oito sessões de queda, na maior série negativa desde 2015.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Os mercados de ações globais permanecem altamente voláteis devido ao aperto monetário sinalizado pelos principais bancos centrais”, afirmou a equipe da XP Investimentos, em relatório a clientes nesta sexta-feira.

“Com muitos bancos centrais aumentando as taxas tempestivamente, a maioria dos participantes do mercado prevê uma recessão global em algum momento nos próximos 12 meses.”

Nem a melhora das bolsas norte-americanas nesta sessão era suficiente para atenuar as vendas na B3. Após fechar em baixa de mais de 3% na véspera, o S&P 500 subia 0,5% na manhã desta sexta-feira.

“No ambiente atual, sem uma desaceleração da inflação, deveremos conviver com uma desaceleração ao mesmo tempo em que a inflação está elevada e a política monetária não pode ser usada como um ‘seguro’ ou um ‘suporte’ à economia e aos mercados”, avalia o diretor de investimentos da TAG, Dan Kawa.

“O mercado está saindo da narrativa ‘pura’ da inflação e precificando uma recessão de maneira mais aguda”, acrescentou em comentário a clientes.

DESTAQUES

– PETROBRAS PN caía 5%, na esteira do forte declínio do petróleo no exterior, mesmo após anunciar aumentos dos preços médios de venda da gasolina em mais de 5% e do diesel em mais de 14%, valendo a partir de sábado

– VALE ON perdia 4,5%, conforme os preços do minério de ferro estenderam as perdas para uma sexta sessão na bolsa de Dalian nesta sexta-feira, marcando a queda semanal mais acentuada em quatro meses.

– ITAÚ UNIBANCO PN apurava queda de 1,9% e BRADESCO PN tinha baixa de 1,55%, contaminados pelo viés mais vendedor na bolsa como um todo.

– GOL PN e AZUL PN recuavam 6,2% e 5,9%, respectivamente, tendo de pano de fundo a forte alta do dólar ante o real nesta sexta-feira.

Compartilhe esta publicação: