IGP-M tem alta de 0,59% em junho, abaixo do esperado

Resultado, entretanto, ficou abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Bomba de combustível pingando
REUTERS/Adriano Machado

Bomba de combustível em Brasília

Acessibilidade


O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) registrou alta de 0,59% em junho depois de ter subido 0,52% em maio, com a maior pressão no varejo compensando a alta mais fraca no atacado, informou hoje (29) a Fundação Getulio Vargas (FGV).

O resultado, entretanto, ficou abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters de alta de 0,69%, e levou o índice a acumular em 12 meses avanço de 10,70%.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do índice geral e apura a variação dos preços no atacado, passou a subir 0,30% no mês, de alta de 0,45% em maio.

“Os principais destaques do IPA foram: óleo diesel (de 3,29% para 6,96%), leite in natura (de 7,47% para 4,40%) e automóveis (de 0,57% para 2,31%)”, destacou André Braz, coordenador dos índices de preços.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Por outro lado, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que tem peso de 30% no índice geral, passou a subir 0,71% em junho, de avanço de 0,35% no mês anterior.

A principal contribuição para esse resultado partiu do grupo Habitação, que deixou para trás a queda de 2,57% de maio e subiu 0,65% em junho. O destaque foi o item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de -13,71% em maio para -0,34% em junho.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) acelerou a alta a 2,81% no período, de 1,49% em maio.

O IGP-M calcula os preços ao produtor, consumidor e na construção civil entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: