Japão pressiona para remover meta de veículos de emissão zero de comunicado do G7

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Por Makiko Yamazaki e Kate Abnett

TÓQUIO/BRUXELAS (Reuters) – O Japão está pressionando pela retirada de uma meta relacionada a veículos de emissão zero de um comunicado do G7 que deve ser divulgado nesta semana, de acordo com um rascunho do texto visto pela Reuters.

A pressão do Japão, um membro influente do grupo dos sete países mais ricos, ocorre à medida que a indústria automobilística japonesa enfrenta escrutínio de investidores “verdes”. Segundo eles, o país tem demorado a adotar veículos de emissão zero e feito lobby contra regulamentações que encorajariam uma transição mais rápida para a eletrificação de frota.

O Japão propôs remover uma referência a uma “meta coletiva de pelo menos 50% de veículos com emissão zero até 2030”, de acordo com um rascunho do comunicado visto pela Reuters.

Em substituição, o país propôs uma meta menos concreta de “aumentar significativamente a venda, a participação e a implementação de veículos leves de emissão zero, reconhecendo a variedade de caminhos que os membros estão adotando para atingir esses objetivos”, de acordo com o esboço.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Uma pessoa familiarizada com o assunto confirmou que o Japão havia proposto as mudanças, pedindo para não ser identificada devido à sensibilidade do assunto. Não ficou claro se as alterações pleiteadas estariam na versão final do comunicado, que deve ser divulgado ao fim da cúpula de líderes, realizada na Alemanha, na terça-feira.

O Ministério das Relações Exteriores do Japão não comentou imediatamente.

O Japão havia pressionado para retirar a meta de que todas as vendas de carros e vans novos nos países do G7 fossem de “veículos de emissão zero” até 2035 do comunicado dos ministros do G7 no final de maio, de acordo com fontes familiarizadas com as discussões e um rascunho do comunicado visto pela Reuters.

No fim, a meta de 2035 não foi incluída na declaração final, que se comprometeu a alcançar um “setor rodoviário altamente descarbonizado até 2030”, “aumentando significativamente” as vendas de veículos com emissão zero.

Tanto o lobby da indústria automobilística do Japão quanto a montadora líder Toyota dizem que as fabricantes não devem se limitar a tecnologias específicas e precisam manter uma gama de opções para atingir o objetivo de neutralidade de carbono até 2050.

A Toyota, a maior montadora do mundo em vendas, disse que os combustíveis fósseis, e não os motores de combustão interna, são o problema. Além dos híbridos, que popularizou há mais de duas décadas com o Prius, a fabricante também defende a tecnologia de hidrogênio, embora até agora não tenha se difundido como os carros elétricos a bateria.

(Por Makiko Yamazaki, em Tóquio, e Kate Abnett, em Bruxelas; reportagem adicional de Kiyoshi Takenaka)

Compartilhe esta publicação: