Kraft Heinz quer dobrar velocidade para tornar América Latina seu 2º maior mercado

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) – A Kraft Heinz quer dobrar o ritmo de crescimento na América Latina para tornar a região seu segundo maior mercado global nos próximos cinco anos, disse o presidente-executivo da companhia de alimentos para a região, Bruno Keller.

“Estamos investindo em aumento de capacidade das nossas fábricas na região, que vemos como o maior motor de crescimento da empresa nos próximos anos”, disse Keller à Reuters, sem mencionar valores de investimentos ou volume de vendas da companhia na América Latina.

Atualmente, a região é o quarto maior mercado da Kraft fora dos Estados Unidos, atrás de Reino Unido e Canadá. O Brasil tem quatro das seis fábricas latino-americanas da companhia, com cerca de 4,3 mil empregados.

Como parte desse plano, o grupo controlado pelo fundo 3G – dos empresários brasileiros Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira – e pela Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, está se reforçando para atender públicos com diferentes faixas de renda, numa região que concentra cerca de 650 milhões de consumidores em potencial, disse Keller.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Um das maiores empresas alimentícias do mundo, com centenas de marcas, a Kraft Heinz é mais conhecida no Brasil por suas marcas de ketchup e mostarda premium. Mas a companhia tem ampliado presença em marcas mais populares, como a Quero, de enlatados e molho de tomate. Em setembro passado anunciou a compra da fabricante de molhos Hemmer por cerca de 1,2 bilhão de reais.

Esse portfólio mais diversificado tem ajudado a companhia a navegar por um período de inflação mais alta, com consumidores buscando mais alternativas para otimizar o orçamento.

Segundo Keller, uma das ações da Kraft Heinz para lidar com esse cenário foi lançar embalagens de tamanhos diferentes, como a de um quilo de ketchup, que atende clientes que queiram comprar mais volume para economizar. A empresa, por outro lado, reduziu significativamente suas promoções.

Ainda assim, “a gente tem ganhado participação de mercado”, disse ele, referindo-se à América Latina, mas sem informar números.

Keller disse também que a companhia tem ampliado ações para redução de custos de produção, como com embalagens, além de economia de água e energia, para tentar minimizar o repasse de custos maiores com insumos e com frete marítimo.

No primeiro trimestre a receita global da Kraft Heinz caiu 5,5% no comparativo com um ano antes, mas ficou acima das expectativas do mercado. A empresa elevou a projeção de crescimento anual da receita orgânica em abril, beneficiada em parte de preços mais altos e maior demanda por refeições e condimentos embalados, que ganharam força durante a pandemia.

A ação da Kraft caiu nas últimas semanas, após o UBS reduzir recomendação para os papeis de “neutra” para “vender”, citando dificuldade mais alta da companhia em repassar maiores pressões de custos ao longo de 2022.

(Edição Alberto Alerigi Jr.)

Compartilhe esta publicação: