Quanto tempo pode durar o 'bear market' nos EUA?

Análises históricas e econômicas indicam que o fim do momento de baixa pode estar próximo

Simon Moore
Compartilhe esta publicação:

Uma observação simples da história sugere que já estamos, de alguma forma, no mercado de baixa

Acessibilidade


Com o S&P 500 agora oficialmente em um mercado de baixa (bear market), definido como um declínio de 20% em relação ao último pico, existem três maneiras de avaliar quanto tempo a onda negativa pode durar no mercado dos EUA e quão severa pode ser a queda das ações.

É claro que todas as abordagens aqui são estimativas, mas fornecem algumas indicações do que pode estar reservado para os investidores. Essas técnicas envolvem comparação histórica, avaliação e análise econômica.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Análise histórica

Uma observação simples da história sugere que já estamos, de alguma forma, no mercado de baixa.

Um estudo realizado pela First Trust, que analisa os mercados de baixa desde 1942, conclui que o declínio médio nesses momentos fica em torno de 32%, o que corresponde a um recuo do S&P 500 para 3.300 pontos ou uma desvalorização de mais 12% em relação aos níveis atuais. Assim, o mercado de baixa duraria cerca de um ano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Isso sugeriria que o cenário negativo terminaria por volta de dezembro de 2022. Claro, tendo em mente que já estamos passando por esse momento de baixa.

Além disso, se você olhar para um índice diferente, como o Nasdaq, o mercado de baixa começou mais cedo e causou perdas ainda maiores, o que significa que o período de baixa pode estar mais perto de terminar.

De qualquer forma, se a história servir de guia, podemos estar no meio caminho de um mercado de baixa em termos de tempo e mais da metade em termos de declínios das ações.

Há também 25% de probabilidade de já termos visto o pior momento da crise com base na história, já que vários mercados de baixa nunca sentiram um declínio muito inferior a 20% nas ações.

Portanto, embora a história não possa ser o único ponto de análise e mostrar exemplos de mercados de baixa com declínios próximos de 50% e com duração de quase dois anos, na maioria dos casos, o passado está começando a sugerir que as coisas podem melhorar a partir daqui. A maior parte do dano pode já ter acontecido.

Avaliação dos índices

Observar o valuation (avaliação de valor) pode fornecer alguma indicação de quando os retornos das ações podem começar a melhorar. No entanto, esta avaliação é mais útil em uma visão de médio prazo, num horizonte de sete a dez anos. Portanto, ela nos ajuda a avaliar quando as chances de retornos positivos das ações podem melhorar, não necessariamente quando o mercado de baixa terminará.

Por exemplo, o índice PE do S&P 500 está em aproximadamente 19x, o que significa que o mercado está pagando atualmente US$ 19 para cada dólar de lucro do S&P 500.

Leia mais: Estudo define quanto você precisa ganhar para ser considerado rico

Isso é muito menos elevado do que já foi e inferior a muitas avaliações das últimas décadas. No entanto, ainda está acima do nível médio de valuation de longo prazo, que é de cerca de 15x.

Isso sugere que as ações podem cair 20% ou mais para atingir os níveis médios de avaliação. No entanto, esse é um indicador de longo prazo. Os retornos das ações podem ser um pouco mais suaves nos próximos anos do que vimos na história recente, mas ainda assim o valuation está se tornando um pouco mais atraente do que era.

Análise econômica

A última maneira de pensar sobre o mercado de baixa é do ponto de vista econômico. Aqui, três variáveis principais importam, embora todas estejam relacionadas.

O mercado em queda provavelmente irá se estabilizar quando a economia puder superar a recessão, ou quando o Federal Reserve (banco central norte-americano) começar a diminuir os aumentos das taxas de juros ou esperar que a inflação se modere.

Aqui é importante ter em mente que o mercado é bastante voltado para o futuro, assim, as ações geralmente atingem mínimas bem antes da economia e da precificação dos aumentos do Federal Reserve.

Muitos dados são realmente otimistas, embora sejam claramente confusos. Em primeiro lugar, a economia, em métricas como empregos, mostra desempenho muito bom, embora talvez esteja começando a suavizar. Isso sugere que qualquer recessão pode ser bastante leve.

Leia mais: O que os bilionários pensam sobre a próxima recessão nos EUA

É claro que a inflação é a principal preocupação, mas há indícios de que já podemos ter visto o pico da inflação básica no início de 2022, especialmente porque os preços de energia parecem estar caindo, embora o índice de preços permaneça bem acima do que os formuladores esperam.

O mercado também está precificando muitos aumentos futuros do Fed, e é possível mudar o curso para uma abordagem menos agressiva. Por exemplo, uma autoridade do banco pediu um aumento menor na última reunião.

Por fim, se uma recessão ocorrer em 2023, isso indica que o mercado pode chegar ao fundo do poço em algum momento de 2022. Desta forma, dado que tantas más notícias econômicas já estão precificadas pelo mercado, a economia pode realmente se sair um pouco melhor do que o esperado e isso pode estabelecer um piso no mercado de baixa.

É claro que tudo isso depende de dados econômicos futuros e anúncios do Fed, mas se as notícias começarem a melhorar a partir daqui, provavelmente os mercados também melhorarão.

Portanto, olhar para essa série de fatores oferece um grau moderado de conforto neste mercado de baixa. As ações podem cair ainda mais a partir daqui, mas é possível que já tenhamos visto o pior em termos da maior parte das quedas de preços.

Os níveis de valuation sugerem que os retornos a partir deste ponto ao longo da próxima década podem ainda não ser tão bons quanto os observados para as ações nos últimos anos, mas os papéis de companhias ainda podem se tornar uma classe de ativos atraente daqui para frente, como tem sido o caso de grande parte da história para aqueles com um horizonte de investimento de longo prazo.

É claro que muito depende da economia, mas muitas notícias ruins já podem estar precificadas e, mesmo que ocorra uma recessão, ela pode ser relativamente branda. Por fim, lembre-se de que o timing do mercado é difícil. As ações mostraram retornos robustos ao longo da história, e os investidores que mudam de rumo por causa de um mercado de baixa geralmente se saem mal, perdendo retornos futuros.

Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: