Alta de juros nos EUA deve continuar depois de setembro, diz membro do Fed

Lael Brainard classificou a inflação elevada como "desafio número um" e disse não ver espaço para uma pausa na alta dos juros em setembro

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Elizabeth Frantz/Reuters
Elizabeth Frantz/Reuters

Diretora do Federal Reserve, Lael Brainard

Acessibilidade


Classificando a inflação elevada de “desafio número um” do Federal Reserve, a vice-presidente Lael Brainard disse hoje (2) que apoia pelo menos mais dois aumentos de 0,50 ponto percentual na taxa de juros, com mais à vista se as pressões sobre os preços não esfriarem.

“O mercado está precificando 50 pontos-base (de alta dos juros) potencialmente em junho e julho. A partir dos dados que temos hoje, parece um caminho razoável”, disse Brainard à CNBC. Setembro é menos claro, ressalvou.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“Mas se não virmos o tipo de desaceleração nas leituras mensais de inflação, se não virmos parte dessa demanda realmente quente começando a esfriar um pouco, então pode ser apropriado ter outra reunião em que prosseguimos no mesmo ritmo.”

O banco central dos EUA elevou as taxas de juros num acumulado de 0,75 ponto percentual neste ano, e a maioria das autoridades do Fed apoia elevação dos juros em 0,50 ponto em cada uma de suas próximas duas reuniões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, sugeriu que até setembro o Fed deveria fazer uma pausa para avaliar o estado da economia antes de apertar ainda mais a política monetária.

Brainard disse que isso é improvável e indicou que a discussão será centrada apenas na questão de se o incremento será de 0,25 ponto ou 0,50 ponto naquele mês.

“Neste momento, é muito difícil ver justificativa para uma pausa”, disse à CNBC. “Ainda temos muito trabalho a fazer para reduzir a inflação para nossa meta de 2%.”

Brainard é normalmente vista como um dos membros mais “dovish” do Fed — ou seja, mais inclinada a uma política monetária acomodatícia em favor do crescimento econômico. Mas em seu novo papel como vice-presidente do Fed seus comentários são vistos como reflexo da visão da liderança do banco central. Brainard foi empossada no mês passado como número dois do Fed.

Os membros do Fed se reúnem em meados de junho, e esta semana é a última em que estão livres para falar publicamente antes do período regular de silêncio que antecede o encontro do Fomc.

“Certamente faremos o que for necessário para trazer a inflação de volta para baixo”, disse Brainard nesta quinta-feira. “Esse é o nosso desafio número um agora. Estamos partindo de uma posição de força, a economia tem muito impulso.”

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: