América Latina lidera perdas entre emergentes passado "boom" das commodities

Desde o fim de maio, quando as commodities começaram a cair, as baixas das moedas e das ações latino-americanas são ainda mais acentuadas

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Sean Justice/Getty Images
Sean Justice/Getty Images

A menor oferta de moeda é piorada pelo encarecimento do custo do dólar, conforme os Estados Unidos elevam os juros de forma expressiva e contínua.

Acessibilidade


Após um rali patrocinado pela íngreme escalada das commodities, a América Latina agora sofre a maior correção de preços de ativos dentre os mercados emergentes, sentindo mais a desaceleração chinesa num cenário já delicado pelo aperto monetário global e por incertezas políticas locais, disseram analistas.

Muitos países da região são exportadores líquidos de matérias-primas e, por isso, tiveram impulso com o forte aumento dos preços de produtos básicos por causa da guerra na Ucrânia, iniciada no fim de fevereiro.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Mas nas últimas várias semanas as matérias-primas entraram em rota descendente, à medida que aumentaram temores de demanda diante de riscos elevados de recessão global. A depreciação dessa classe de ativos tem pressionado os chamados termos de troca –razão entre preços de exportação e importação–, sugerindo declínio no fluxo de dólares.

A menor oferta de moeda é piorada pelo encarecimento do custo do dólar, conforme os Estados Unidos elevam os juros de forma expressiva e contínua.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Além disso, a China recorreu a novos lockdowns para conter surtos de Covid-19, o que nublou mais o cenário para a segunda maior economia do mundo, principal compradora dos insumos vendidos pela América Latina.

“Nossa visão é que uma recessão global deve significar que a América Latina provavelmente continuará com desempenho inferior”, disseram Claudio Irigoyen e Christian Gonzalez Rojas, do Bank of America.

“Como tal, não é de surpreender que (as moedas de) países com grande exposição ao fator oferta de commodities –nomeadamente Chile, Colômbia e Brasil— tenham experimentado as perdas mais expressivas, mesmo com um retorno significativo ajustado à volatilidade”, completaram.

Apenas em julho, o dólar sobe 7,5% ante o peso colombiano, 5,1% frente ao real e 3,8% contra o peso chileno. As moedas da Colômbia e do Chile caíram a mínimas recordes recentemente, e o real está no menor valor em seis meses.

Desde o fim de maio, quando as commodities começaram a cair, as baixas das moedas e das ações latino-americanas são ainda mais acentuadas.

Para estrategistas do banco francês Société Générale, a depreciação das moedas regionais não deve parar, pelo menos no curto prazo, mesmo após as divisas de Chile, Colômbia e Brasil registrarem os piores desempenhos nos meses recentes.

“Enquanto a China luta para recuperar uma base econômica mais forte, as moedas dos importadores de commodities provavelmente superarão as dos exportadores de commodities”, afirmam os especialistas.

O Goldman Sachs destaca que grande parte da desvalorização cambial é resultado de liquidações nos preços do cobre e petróleo, entre outras importantes matérias-primas, em meio a um cenário de ampla força do dólar.

Os analistas avaliaram que os bancos centrais da América Latina podem ter de recorrer a outras ferramentas além dos juros para defender suas divisas e citaram o programa de intervenção cambial do BC chileno no valor de US$ 25 bilhões.

“Não descartamos que outros bancos centrais regionais também possam eventualmente anunciar programas de intervenção no mercado de câmbio se suas respectivas moedas continuarem a cair e se desviarem ainda mais do vetor de fundamentos macroeconômicos.”

Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: