Boeing e Airbus Inflam carteira de pedidos na feira aérea Farnborough

Os acordos com a Índia, em rápido crescimento, até agora escaparam de Farnborough, que alterna com Paris como a maior feira aérea do mundo

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Roosevelt Cassio/Reuters
Roosevelt Cassio/Reuters

A Boeing garantiu mais de 100 pedidos firmes para o MAX

Acessibilidade


A Boeing vem fazendo anúncios de pedidos no Farnborough Airshow desta semana, retomando o impulso para o 737 MAX, enquanto a rival Airbus aumentou sua carteira de pedidos do A320neo.

A Boeing garantiu mais de 100 pedidos firmes para o MAX, mas ainda enfrenta grandes desafios para certificar uma nova versão antes do prazo final do ano.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A Airbus confirmou nesta quarta-feira um acordo para 56 jatos da família A320neo para a easyJet.

A fabricante europeia recebeu um grande pedido de quase 300 aeronaves da China semanas antes da feira bienal, que está retornando após um hiato de quatro anos devido à pandemia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os acordos com a Índia, em rápido crescimento, até agora escaparam de Farnborough, que alterna com Paris como a maior feira aérea do mundo.

A Air India está perto de decidir sobre um pedido de US$ 50 bilhões a preços de tabela sob o novo proprietário Tata Group a ser dividido entre Airbus e Boeing, provavelmente não a tempo para o evento, disseram fontes do setor.

Ambas as fabricantes de aviões estão dando um empurrão com o pedido definido para incluir até 70 jatos de fuselagem larga, incluindo Airbus A350 e Boeing 787 e 777, e até 300 aeronaves de fuselagem estreita, disseram eles.

Uma fonte disse que a decisão parecia “iminente”, embora outra tenha alertado que o resultado continua imprevisível.

Ambas as fabricantes se recusaram a comentar. O Tata Group não respondeu a um pedido de comentário.

O presidente-executivo da Boeing, Dave Calhoun, voou para a Índia antes da feira desta semana, disseram duas fontes.

A Airbus espera redirecionar os jatos originalmente destinados à Aeroflot da Rússia, atingida por sanções.

Compartilhe esta publicação: