Compra de BDRs cai em junho e chega ao menor volume do ano

As negociações líquidas dos recibos de ações registraram saldo negativo de R$ 1,1 bilhão no mês.

Monique Lima
Compartilhe esta publicação:
Witthaya Prasongsin/Getty Images
Witthaya Prasongsin/Getty Images

No semestre, o cancelamento dos recibos de ações (BDRs) superou a emissão em 35%.

Acessibilidade


Junho registrou o menor volume de compra de BDRs (recibos de ações listadas no EUA) do ano. De acordo com dados do último boletim mensal da B3, foram emitidos R$ 600 milhões em BDRs no período, enquanto nos cinco meses anteriores a média de compra era de R$ 1,6 bilhão.

O saldo líquido de negociações em junho fechou negativo em R$ 1,1 bilhão, com a compra de R$ 600 milhões em BDRs e a venda de R$ 1,7 bilhão.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

No semestre, o cancelamento dos recibos de ações superou a emissão em 35%. Durante os primeiros seis meses do ano foram vendidos R$ 13,5 bilhões em BDRs ante R$ 8,8 bilhões em compras.

Os resultados dos investimentos internacionais acompanham o sentimento de aversão a risco do mercado em um momento em que diversos países enfrentam avanço da inflação e aumento dos juros. Com o cenário global cercado por incertezas e temores em volta de uma recessão nos EUA e na Europa, investidores brasileiros estão optando por vender seus ativos atrelados a fundos ou ações internacionais.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ontem (6), a Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) divulgou o balanço dos fundos de investimentos no primeiro semestre do ano e mostrou que os investimentos no exterior registraram um saldo negativo de R$ 18,3 bilhões no período, frente a uma captação positiva de R$ 24,2 bilhões em dezembro de 2021.

Giuliano De Marchi, diretor da Anbima, afirmou que os resgates são reflexo de uma combinação de fatores: queda na performance do mercado, desvalorização do dólar e menor apetite por renda variável. Entre janeiro e junho, o S&P 500, índice de referência dos EUA, caiu 20,6%, e o dólar recuou 6,1% frente ao real.

Queda nas negociações

Junho também marcou o menor volume médio diário de negociações de BDRs. No mês, foram negociados diariamente R$ 336 milhões, em média, de recibos de ações dos EUA – abaixo da média diária do ano, de R$ 485 milhões.

Em termos mensais, foi o menor volume de negociação dos BDRs em quase um ano. Investidores movimentaram R$ 7,05 bilhões em BDRs no mês passado, segundo pior volume desde julho de 2021, quando foram negociados R$ 6,56 bilhões.

De acordo com o boletim mensal da B3, as sucessivas vendas dos recibos resultaram em uma queda brusca no estoque de BDRs em Bolsa. Em dezembro do ano passado, o estoque era de R$ 26,6 bilhões, montante 43,6% maior do que o registrado no mês passado, de R$ 15 bilhões.

O índice de BDRs (BDRX) apresentou um desempenho pior do que o do Ibovespa no período. Entre janeiro e junho, a desvalorização foi de 29,6%, ante queda de 5,2% do IBOV.

Confira os 10 BDRs mais negociados em junho:

  1. Tesla (TSLA34)
  2. Mercado Livre (MELI34)
  3. Meta Platforms (M1TA34)
  4. Alibaba (BABA34)
  5. Microsoft (MSFT34)
  6. Alphabet (GOGL34)
  7. Apple (AAPL34)
  8. Amazon (AMZO34)
  9. Nvidia (NVDC34)
  10. Exxon Mobil (EXXO34)

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: