Ibovespa sobe com ajuda de commodities, mas se mantém nos 96 mil pontos

Petrorio (PRIO3) liderou as maiores altas do dia, com valorização de 6,72%, seguida de SLC Agrícola (SLCE3)

Redação
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa encerrou o pregão de hoje (18) em leve alta de 0,38%, aos 96.916 pontos, após uma sessão em que o índice contou com a ajuda das companhias de commodities para descolar de Wall Street.

A alta do petróleo no mercado mundial e a sinalização de estímulos econômicos na China, que alimentariam a demanda por commodities metálicas, impulsionaram as maiores altas do dia. O destaque entre as maiores valorizações foi a Petrorio (PRIO3), que subiu 6,72% nesta segunda-feira, cotada a R$ 22,09.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Em seguida, aparece a SLC Agrícola (SLCE3), com alta de 4,36%, as ações ordinárias da Petrobras (PETR3), que subiram 3,33%, e os papéis de Rumo (RAIL3), que avançaram 2,93%.

Enquanto uns ganham, outros perdem. A alta das commodities também influencia o desempenho das empresas que têm custos relacionados a matérias-primas agrícolas, como é o caso da BRF (BRFS3), que se desvalorizou 5,67% na sessão de hoje, a R$ 14,65.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“As commodities, em geral, haviam caído fortemente nas duas últimas semanas. Essa alta de hoje pode ser um movimento técnico de recomposição das posições vendidas, além de abertura de posições compradas. Ou seja, quem lucrou com a queda começa a encerrar as posições vendidas, e quem está de fora entende que os preços atuais podem ser uma boa oportunidade de compra”, explica Leandro Petrokas, diretor de research e sócio da Quantzed.

As maiores quedas do pregão também ficaram com Eztec (EZTC3), Petz (PETZ3), Méliuz (CASH3), Marfrig (MRFG3) e Fleury (FLRY3), que recuaram 5,88%, 5,10%, 4,51% e 4,46%, respectivamente.

O Boletim Focus desta segunda-feira mostrou que o mercado passou a ver um maior aperto monetário no ano que vem, devido a projeções mais elevadas para a inflação geral e para os preços administrados.

Outro ponto de destaque foi o IGP-10 (Índice Geral de Preços-10), que desacelerou a 0,60% neste mês, ante uma alta de 0,74% em junho, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV). Com o resultado de julho, o indicador passou a acumular avanço de 10,87% nos últimos 12 meses.

No cenário internacional, os índices asiáticos e europeus fecharam em alta após sessões marcadas por maior apetite ao risco e se afastaram do sentimento negativo de uma possível recessão global.

Já nos Estados Unidos, o movimento foi diferente. Depois de uma sessão de alta, o índice norte-americano reverteu o sinal positivo e caiu. O Dow Jones registrou queda de 0,69%, aos 31.072 pontos, o S&P 500 cedeu 0,84%, aos 3.830 pontos, e o Nasdaq recuou 0,81%, aos 11.360 pontos.

O dólar registrou alta frente ao real no pregão de hoje, com valorização de 0,37%, a R$ 5,4247.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: