Inflação durará anos e bitcoin pode ficar inútil, diz bilionário

O pioneiro da corretora Thomas Peterffy conversou com a Forbes USA sobre suas perspectivas econômicas e quando ele acredita que o mercado vá chegar ao fundo do poço

John Hyatt
Compartilhe esta publicação:
AFP/Getty Images
AFP/Getty Images

A maioria dos investidores espera que o Federal Reserve aumente as taxas de juros de referência em pelo menos 75 pontos-base na próxima reunião

Acessibilidade


Ontem (13), os EUA divulgaram uma inflação ao consumidor de 9,1% no ano até junho. Esse número, o maior em quatro décadas, abalou os mercados e causou a queda dos índices de ações.

Na visão do bilionário Thomas Peterffy, de 77 anos, fundador e presidente da plataforma de negociação online Interactive Brokers, os investidores precisam se acostumar com a inflação.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“Acredito que as pressões inflacionárias continuarão por anos, não meses”, disse Peterffy à Forbes USA por bate-papo em vídeo, ligando de sua casa em Palm Beach, Flórida. “Esta não é uma questão de curto prazo.”

De acordo com Peterffy, cuja fortuna é avaliada em US$ 18,1 bilhões (R$98,9 bilhões ), há várias razões pelas quais a inflação veio para ficar: décadas de déficit crônico nos EUA, interrupção contínua nas cadeias de suprimentos à medida que a globalização se “reverte”, escassez de trabalhadores qualificados e automação crescente, requisitos ESG (ambientais, sociais e de governança) impostos pelas próprias empresas que “aumentam os custos de produção” e paradoxalmente, o aumento das taxas de juros, o próprio mecanismo destinado a conter a inflação.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“À medida que o Fed aumenta as taxas de juros, está aumentando o valor que o país deve pagar por sua dívida”, diz Peterffy. “Este é um ciclo vicioso que acabará por resultar em dívidas explosivas.”

A maioria dos investidores espera que o Federal Reserve aumente as taxas de juros de referência em pelo menos 75 pontos-base, ou mesmo um ponto percentual, no final deste mês. O aumento da taxa de 0,75% no mês passado foi o maior em 28 anos.

Mas Peterffy não espera ver uma repetição da década de 1980, quando o presidente do Federal Reserve, Paul Volcker, elevou as taxas de juros para dois dígitos, induzindo uma recessão esmagadora, mas eliminando a inflação.

“Não acredito que o Fed cumprirá sua promessa de ‘fazer o que for preciso’ [para reduzir a inflação], porque tem medo de destruir a economia e a causar a explosão da dívida”, diz ele.

Em vez disso, de acordo com Peterffy, o Fed limitará as taxas de referência em torno de 4% e, como resultado, a inflação ficará em torno de 6% nos próximos anos – haverá estagflação por um tempo”, prevê ele.

Apesar de suas previsões sombrias, Peterffy espera que os mercados de ações dos EUA atinjam o fundo do poço em breve. Ele sugere que o S&P 500 pode cair para 3.000 pontos em outubro – uma queda de 21% em relação ao seu valor atual de cerca de 3.800 pontos. O índice S&P 500 já caiu mais de 20% em relação ao recorde de novembro do ano passado.

“Eventualmente, a alta dos preços atingirá as ações”, insiste Peterffy, e, como resultado, “as ações entrarão em um longo período de alta no mercado impulsionado pela inflação”. Ele acrescenta: “Este é um ótimo momento para pesquisar e acumular ações de empresas”.

Peterffy está menos focado em investir em setores ou indústrias específicas. Em vez disso, os investidores devem visar empresas que estão “investindo em sua própria competitividade durante esse ambiente e ganhando participação de mercado”, diz ele.

Em janeiro, Peterffy disse que os investidores deveriam considerar manter de 2% a 3% de sua riqueza em criptomoedas para se proteger contra moedas tradicionais “indo para o poço”. Agora, após a desaceleração do mercado e a crise de liquidez que abalaram a indústria de criptomoedas, Peterffy está se sentindo menos confiante.

“Acho que as chances são muito altas de que o bitcoin se torne inútil ou proibido”, em algum momento, Peterffy diz à Forbes.

Ele acredita que o governo dos EUA poderia tentar banir as criptomoedas em meio a preocupações com ativos digitais sendo usados para “fornecer financiamento para atividades ilegais”, bem como a incapacidade do Departamento do Tesouro dos EUA de “controlar ou acompanhar pagamentos e coletar impostos”.

Não que Peterffy tenha baixado seus ativos digitais ainda. Ele ainda possui algum bitcoin e diz que comprará mais se atingir US$ 12 mil. (A criptomoeda atualmente é negociada em torno de US$ 20 mil para o dólar norte-americano).

Olhando para o futuro, Peterffy está pensando em mais do que apenas mercados. Quando perguntado sobre sua perspectiva, ele respondeu com uma risada: “Espero sobreviver”.

Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: