Investimento da Weg em 2022 deve ficar abaixo de previsão

A companhia disse que encerrou o primeiro semestre do ano com investimento de R$ 436 milhões

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Executivos da Weg afirmaram que a companhia está operando atualmente com sua capacidade de produção praticamente tomada

Acessibilidade


A Weg deve executar este ano R$ 1,2 bilhão em investimentos ante orçamento anterior de desembolsos de R$ 1,5 bilhão, afirmaram executivos da fabricante de motores elétricos e tintas industriais hoje (21).

A companhia divulgou na quarta-feira que encerrou o primeiro semestre com investimento de R$ 436 milhões, dos quais 226 milhões entre abril e o fim de junho. Pouco mais da metade dos recursos (55%) foram aplicados no Brasil e o restante nas operações no exterior.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Em teleconferência com analistas, executivos da Weg afirmaram que a companhia está operando atualmente com sua capacidade de produção praticamente tomada em uma série de frentes e que está investindo em novas áreas como recarregadores e motores para veículos elétricos como forma de minimizar o impacto de uma eventual recessão.

“A expectativa para este ano é ficarmos em torno de R$ 1,2 bilhão. É o que vamos conseguir executar”, disse o diretor financeiro, André Rodrigues. Em 2021, a empresa investiu cerca de R$ 851 milhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O que a gente não conseguir realizar este ano vai ficar para o ano que vem”, acrescentou o executivo, explicando que o investimento significativamente maior previsto para este ano decorre de projetos que acabaram sendo adiados nos anos da pandemia e de planos para suportar o crescimento da empresa.

Margens

As ações da Weg exibiam queda de 1% às 12h38, enquanto o Ibovespa mostrava variação positiva de 0,13%. Na véspera, os papéis recuaram 3,6%, com analistas citando recuo de margens operacionais.

Para Rodrigues, porém, o comportamento da margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) da Weg no 2º tri, que caiu de 18,1% nos três primeiros meses do ano, para 17,5%, ficou dentro do esperado e de acordo com o cenário de pressão inflacionária de custos, problemas logísticos e crescimento da empresa em negócios de energia renovável que carregam por si só margens menores que outros segmentos.

“Não temos nenhum indicativo neste momento que a margem vai apresentar redução adicional em relação à que foi observada no último trimestre de 2021”, disse o executivo.

Ele se referiu ao nível de 17,2% apresentando no quarto trimestre de 2021 e que ficou quase três pontos abaixo do registrado no mesmo período de 2020. “A expectativa (para o segundo trimestre) era que não ficasse abaixo de 17,2% e não superasse 18%”, acrescentou.

A Weg tem atualmente visto uma tendência de estabilização nos preços de matérias-primas como o cobre e em alguns casos até de queda, mas isso não terá um impacto imediato nos resultados da empresa diante de estoques de insumos formados a preços maiores, afirmaram executivos da companhia.

Sobre o mercado brasileiro, a empresa tem registrado uma demanda industrial positiva, principalmente por conta de segmentos como agronegócio, papel e celulose e mineração.

Diante do contexto atual e das novas frentes de negócios e regiões de operação, a Weg não vê necessidade de alterar sua estratégia de investimento por causa de riscos de eventual recessão, disseram os executivos da empresa.

Compartilhe esta publicação: