Risco-Brasil renova máxima desde maio de 2020 com medo global e cena fiscal doméstica

Depois de ter chegado a cair para perto de 200 pontos em abril deste ano, o risco-país fechou ontem (6) acima de 300

Reuters
Compartilhe esta publicação:

Sean Gladwell/GettyImages

Acessibilidade


Uma medida do risco-país do Brasil fechou ontem (6) acima de 300 pontos-base, renovando seu maior patamar desde maio de 2020 em meio a movimento globalmente coordenado de fuga para a segurança e persistentes riscos fiscais domésticos.

O custo de proteção contra calote da dívida soberana brasileira mensurado por Credit Default Swaps (CDS) de cinco anos fechou a última sessão em 300,47 pontos-base, máxima para encerramento desde 22 de maio de 2020 (304,01).

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Depois de ter chegado a cair para perto de 200 pontos no início de abril deste ano, o risco-Brasil se recuperou rapidamente ao longo do restante do segundo trimestre, disparando quase 70 pontos-base apenas em junho.

A confiança no Brasil tem sofrido com o azedamento do sentimento internacional em meio a temores crescentes de recessão global, afetada ainda pela tramitação no Congresso doméstico de medidas de ampliação e criação de benefícios sociais, que devem levar a gastos fora do teto fiscal.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Compartilhe esta publicação: