Simpar prepara internacionalização, mira EUA e Europa

Em cinco anos, a Simpar pretende ter 35% das receitas em outras moedas.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Holding dos grupos Movida, JSL e Vamos, a Simpar prepara sua internacionalização para os EUA e Europa. 

Acessibilidade


A Simpar, holding dos grupos de logística Movida, JSL e Vamos, está preparando sua entrada em mercados dos Estados Unidos e Europa, como parte de um processo de diversificação geográfica e de receitas.

“Nos próximos quatro a cinco anos, pretendemos ter cerca de 35% das nossas receitas com outras moedas”, disse à Reuters o presidente-executivo da Simpar, Fernando Simões, em entrevista na sede da companhia, em São Paulo. “A diversificação de moedas faz parte da nossa governança.”

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Os comentários indicam o novo foco do grupo criado em 1956 como empresa de transportes rodoviários e que na última década se expandiu via aquisições para setores tão diversos quanto locação e revenda de veículos leves e pesados, concessões de infraestrutura, reciclagem de resíduos e serviços financeiros.

Só no último ano e meio a Simpar comprou 18 empresas, o que espera ajudar na sua meta de expandir receita bruta em 135% do ano passado até 2024, a 35,5 bilhões de reais.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Simões, filho do fundador do grupo, afirmou ver grandes oportunidades para a companhia seguir crescendo no Brasil via aquisições especialmente pelas divisões de transportes pesados – concentrados na JSL – e a de concessionárias de veículos – sob guarda-chuva da Automob.

Para o executivo, o cenário adverso do mercado de transporte de cargas no país, agravado com os altos custos dos combustíveis e baixa atividade econômica, tem aproximado empresas médias e pequenas de grupos com maior musculatura financeira. Com isso, a JSL comprou seis rivais menores nos últimos dois anos.

Um processo similar deve acontecer nos próximos anos no setor de concessionárias de veículos leves, disse Simões, segmento no qual a Automob detém somente 0,2% do mercado, mesmo sendo uma das maiores do país. Em mercados mais maduros, a fatia de mercado do líder oscila entre 7% e 9%. “Ninguém fez consolidação nesse segmento ainda no Brasil e nós temos estrutura para isso”, disse ele.

A Automob, inclusive, é a que o executivo enxerga com maiores chances de ser a quarta das sete unidades de negócios do grupo a ser listada em bolsa. “É a que tem hoje mais tamanho para uma operação dessas”, disse Simões, referindo-se a uma potencial oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), mas sem revelar quando isso poderia acontecer.

A última do grupo a estrear na B3 foi a locadora de caminhões e máquinas pesadas Vamos, em janeiro do ano passado, com uma operação de 1,2 bilhão de reais.

Perenidade do negócio

Tendo reduzido o nível de alavancagem financeira mesmo com um processo acelerado de aquisições – a dívida líquida em relação ao Ebitda caiu de 5 para cerca de 3 vezes no fim de março passado – e mantido um caixa de 11,6 bilhões de reais, Simões avalia que a Simpar está pronta para fazer suas primeiras incursões em mercados de moeda forte, como dólar e euro. Ele, porém, declinou de dar detalhes sobre prazos. “Estamos tendo alguns namoros”, afirmou o executivo.

Para profissionais do mercado, considerando que os resultados operacionais do conglomerado devem seguir robustos nos próximos trimestres, as atenções dos investidores devem se concentrar nas sinalizações da companhia em relação à alocação de capital e alavancagem financeira, escreveu o BTG Pactual em relatório na semana passada.

Na sexta-feira, a agência de classificação de risco Fitch elevou o rating de crédito em moeda estrangeira da Simpar, de BB- para BB, citando a estrutura de custos e a receita baseada em contratos de longo prazo para a maioria dos negócios, o que reduz a sensibilidade aos ciclos econômicos no Brasil.

Esse conjunto, no entanto, não protegeu a ação da Simpar do pessimismo do mercado em relação às ações brasileiras. Mesmo com todos os 14 analistas que cobrem o papel da companhia atribuindo recomendação de compra ou “outperform”, o ativo acumula queda de 21% em 2022 até sexta-feira passada, ante recuo de 8% do Ibovespa no período.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: