Vale vende CSP para a ArcelorMittal e mais sete empresas divulgam resultados; veja os destaques do Radar

Últimas notícias sobre: Ambev, Santander, Suzano, Grupo Pão de Açúcar, Assaí, Odontoprev, Petrobras, Taesa, Kleper Weber, EDP e BRF.

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (28), a Vale informou ao mercado que assinou, junto a seus sócios, um acordo para a venda da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) para a ArcelorMittal, pelo valor de US$ 2,2 bilhões.

Ambev, Santander, Grupo Pão de Açúcar, Suzano, Odontoprev, Assaí, EDP e Kleper Weber divulgaram seus balanços financeiros do 2º trimestre de 2022.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Confira os destaques:

Vale (VALE3)

A Vale informou ao mercado que assinou, junto a seus sócios, um acordo para a venda da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) para a ArcelorMittal. O valor da operação ficou em US$ 2,2 bilhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ambev (ABEV3)

A Ambev divulgou lucro ajustado de R$ 3 bilhões no 2º trimestre de 2022, de acordo com o documento enviado ao mercado. O valor corresponde a uma alta de 4,2% em comparação ao mesmo período do ano anterior.

O Ebitda ajustado subiu 17,6% na base anual, a R$ 5,5 bilhões.

Santander (SANB11)

O Santander reportou lucro líquido de R$ 4 bilhões no trimestre, 2,1% abaixo do reportado no mesmo período de 2021.

A margem financeira líquida atingiu R$ 7 bilhões, baixa de 24,6% frente ao ano anterior.

Suzano (SUZB3)

A Suzano teve lucro líquido de R$ 182 milhões no segundo trimestre, forte queda ante o resultado positivo de R$ 10,3 bilhões obtido no mesmo período de 2021, apesar do resultado operacional ter avançado 23%.

A companhia também anunciou mais um programa de recompra de ações após ter tido uma “significativa evolução das recompras” de um programa aprovado em maio. Desta vez, a operação envolve até 20 milhões de ações, ou 2,8% do total em circulação, e o prazo será de 18 meses.

Grupo Pão de Açúcar (PCAR3)

O Grupo Pão de Açúcar teve prejuízo de R$ 172 milhões no segundo trimestre, ante lucro líquido de R$ 3 milhões no mesmo período do ano passado.

A companhia apurou uma geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado de R$ 706 milhões, queda de 9% sobre o desempenho do segundo trimestre de 2021.

Assaí (ASAI3)

O Assaí teve aumento de 21% do lucro no segundo trimestre, uma vez que a contribuição de lojas abertas nos últimos meses turbinou as receitas comparáveis, e previu que a conversão acelerada das unidades compradas do Extra devem ajudá-lo a reduzir a alavancagem financeira até o ano que vem.

O grupo de atacarejo anunciou ontem (27) que seu lucro de abril a junho somou R$ 319 milhões.

As vendas brutas do grupo cresceram 33% ano a ano, para R$ 14,5 bilhões, resultado da combinação de crescimento da base ‘mesmas lojas’ de 14,7%, além do acréscimo de 18,1% das 33 unidades abertas nos últimos 12 meses.

Odontoprev (ODPV3)

A Odontoprev obteve lucro líquido de R$ 99,5 milhões no trimestre, alta de 15% em relação ao mesmo período do ano passado.

EDP (ENBR3)

A EDP também divulgou seu balanço financeiro do trimestre, no qual contou com lucro líquido de R$ 381 milhões, alta de 10,6% na comparação anual.

Kleper Weber (KEPL3)

O lucro líquido da Kleper Weber atingiu R$ 60,2 milhões no segundo trimestre, aumento de 410,2% em relação ao mesmo período de 2021.

Petrobras (PETR3/PETR4)

A Petrobras informou ontem (27) que foi aprovada uma diretriz que incorpora uma “camada adicional de supervisão” da execução das políticas de preços de combustíveis pelos conselhos de administração e fiscal, formalizando o acompanhamento desse importante tema por esses colegiados.

Mas a diretriz, aprovada pelo Conselho de Administração, reitera a competência da diretoria da empresa para a execução da política de preços, disse a petroleira em fato relevante.

BRF (BRFS3)

A BRF divulgou ao mercado que assinou contrato de exclusividade com a Marfrig (MRFG3), para a distribuição pela Quickfood de produtos da Sadia na Argentina. O acordo custou US$ 10 milhões e tem validade até 1º de janeiro de 2023.

Taesa (TAEE11)

A Taesa informou ao mercado que concluiu o empreendimento de Paraguaçu e recebeu a licença para começar a operar a linha. A nova operação adiciona R$ 71,4 milhões de RAP para a companhia. (Com Reuters)

Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: