Powell repete que há tempo para Fed deliberar sobre cortes de juros

Na reunião de março, o Fed manteve sua taxa de juros de referência na faixa de 5,25% a 5,50%, onde está desde julho

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Jerome Powell, Presidente do Fed - Evelyn Hockstein - Reuters
Jerome Powell, Presidente do Fed - Evelyn Hockstein - Reuters

A inflação em alta nos EUA mexe com o Federal Reserve

Acessibilidade


O chair do Federal Reserve, Jerome Powell, reiterou nesta quarta-feira que o banco central dos Estados Unidos tem tempo para deliberar sobre seu primeiro corte na taxa de juros dada a força da economia e as recentes leituras de inflação elevada.

  • Siga a Forbes no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

“As leituras recentes sobre ganhos de emprego e inflação ficaram acima do esperado”, disse Powell em comentários preparados para serem apresentados na Stanford Graduate School of Business.
“No entanto, os dados recentes não alteram substancialmente o quadro geral, que continua a ser de crescimento sólido, um mercado de trabalho forte, mas em reequilíbrio, e a inflação se aproximando de 2% em um caminho às vezes acidentado.”
“Dada a força da economia e o progresso da inflação até o momento, temos tempo para deixar que os próximos dados orientem nossas decisões sobre a política monetária”, disse Powell, com decisões tomadas “reunião por reunião”

“Se a economia evoluir de forma geral como esperamos”, disse Powell, ele e seus colegas do Fed concordam que uma taxa de juros mais baixa será apropriada “em algum momento deste ano”.

Mas isso só acontecerá quando as autoridades “tiverem mais confiança de que a inflação está se movendo de forma sustentável” para a meta de 2% do banco central, disse Powell, repetindo também a linguagem que o Fed tem adotado ultimamente para refletir seu esforço para equilibrar os riscos de reduzir a taxa de juros antes que a inflação esteja realmente controlada com os riscos de suprimir a atividade econômica mais do que o necessário.
A inflação, com base na medida preferida do Fed, continua meio ponto percentual ou mais acima da meta do banco central, e o progresso recente tem sido mínimo. Isso fez com que algumas autoridades desconsiderassem a necessidade de reduzir os juros até perto do final deste ano.
Investidores ainda esperam um primeiro corte na taxa de juros na reunião do Fed de 11 e 12 de junho, embora as chances de isso acontecer tenham diminuído devido a dados mais sólidos. O relatório de empregos dos EUA de março será divulgado na sexta-feira, e novos dados de inflação sairão na próxima semana.
Na reunião do mês passado, o Fed manteve sua taxa de juros de referência na faixa de 5,25% a 5,50%, onde está desde julho.
Powell também usou seu discurso nesta quarta-feira para oferecer uma reafirmação, em ano eleitoral, de uma abordagem isenta de política para política monetária – uma postura que ele disse ser fundamental para que ela seja correta.
O Fed tem independência para definir a taxa de juros e outras decisões importantes, mas isso “exige que tomemos nossas decisões de política monetária sem levar em consideração questões políticas de curto prazo… O histórico mostra que bancos centrais independentes produzem melhores resultados econômicos”, disse ele.
“Fazemos isso realizando nosso trabalho com competência técnica e objetividade, de forma transparente e responsável, e mantendo-nos fiéis ao nosso trabalho”, acrescentou Powell, uma abordagem que também significa que o Fed deve evitar o “desvio de missão” e não se envolver em questões fiscais ou questões como as mudanças climáticas.

Compartilhe esta publicação: