Aprenda com elas: 3 lições das self-made mais ricas dos Estados Unidos

Aqui está algo que você pode aprender com cada uma das três mulheres mais ricas - nenhuma das quais teve sucesso entregue a elas em uma bandeja de prata.

Q.ai- Contribuidor Forbes
Compartilhe esta publicação:

Meg Whitman, que ocupou o posto de CEO do eBay durante 10 anos e aumentou consideravelmente o faturamento

Acessibilidade


O futuro parece feminino, com as fortunas das mulheres mais ricas do país subindo 31%, para US$118 bilhões, no ranking anual da Forbes. Um recorde; 26 dessas 100 mulheres são agora bilionárias, dois terços das quais fundaram ou co-fundaram empresas inovadoras e 26 das quais estão à frente de suas empresas como CEOs.

Aqui está algo que você pode aprender com cada uma das três mulheres mais ricas – nenhuma das quais teve sucesso entregue a elas em uma bandeja de prata.

VEJA TAMBÉM:Hackers do bem: conheça a profissão que tem salários de até R$ 50 mil

  1. Diane Hendricks

Onde você está não é necessariamente onde você sempre estará.

Diane Hendricks preside a ABC Supply, que está entre os maiores distribuidores atacadistas de telhados, revestimentos e janelas do país – uma empresa que ela fundou com seu falecido marido, Ken, em Wisconsin em 1982 e que dirige desde seu falecimento.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O patrimônio líquido atual de Diane é de US$12,3 bilhões, e por um bom motivo. Ela liderou a ABC em suas duas maiores aquisições, comprando a empresa rival Bradco em 2010 e a distribuidora de materiais de construção L&W Supply em 2016. Hoje, a ABC Supply possui cerca de 800 filiais com mais de $ 12 bilhões em receita, e é amplamente responsável pela reconstrução de blocos inteiros em Beloit, impulsionando o crescimento dos negócios em todo o estado.

Mas Diane não recebeu nada de mãos beijadas. Ela nasceu em Wisconsin, filha de produtores de leite entre oito irmãs. Ela disse à Forbes que sua “criação totalmente americana, foi uma bela vida, mas sempre quis ir para a cidade e usar um terno”. Mas não foi necessariamente uma jornada fácil, especialmente para uma autoproclamada “estudante média” que engravidou na adolescência e passou o último ano em casa.

Depois de dar à luz (pouco antes de completar 18 anos), começou a trabalhar como garçonete e depois como operária para a fabricante de canetas Parker Pen. Ela disse que “a maternidade atrapalhou um pouco, foi muito cedo”, mas isso nunca a impediu de realizar seus sonhos – e ela creditou sua ética de trabalho a observar seus pais cuidando da fazenda 24 horas por dia.

Não demorou muito para ela começar a vender casas feitas sob medida e conhecer seu marido, Ken, que abandonou o ensino médio para explorar o mundo dos telhados com o pai. Juntos, eles criaram um império.

Embora Ken tenha morrido tragicamente depois de cair do telhado em um projeto de construção de uma nova casa em 2007  e o mercado imobiliário estava balançando à beira do colapso, pouco antes do colapso econômico de 2008, a empreendedora se segurou. Ela não apenas conseguiu conter as marés durante a tragédia e a recessão, mas também se tornou a mulher mais rica do país.

  1. Judy Faulkner

Comece com o que você tem, onde você está.

Com um patrimônio líquido de US$6,5 bilhões, Judy Faulkner está em segundo lugar na lista das mulheres mais ricas da Forbes. Ela fundou a Epic (anteriormente Human Services Computing), empresa americana de software de registros médicos de alto desempenho, em seu porão em Wisconsin em 1979. A programadora de computador ainda é a CEO da empresa de US$3,3 bilhões, que sustenta registros médicos de mais de 250 milhões pacientes de um campus de 1.100 acres em Verona, Wisconsin. Ainda mais impressionante, a Epic desenvolve todo o seu software internamente, sem nunca ter levantado capital de risco ou feito uma aquisição.

Em 2015, assinou o Giving Pledge para doar 99 por cento de seus ativos para uma instituição de caridade privada no futuro. É um grande compromisso depois de todo o trabalho que ela fez, começando sozinha a empresa com apenas US$ 70.000 e dois assistentes em meio período. Ela foi rejeitada do financiamento uma e outra vez, mas isso nunca a paralisou.

Tem sido uma jornada e tanto para Judy. Em 2007, a empresa tinha apenas US$ 500 milhões em vendas, mas atingiu US$ 1 bilhão em receita apenas alguns anos depois e seu crescimento aumentou a uma taxa anual de 15% a cada ano desde então. Ela adorava resolver problemas difíceis desde que era uma criança nos subúrbios de Nova Jersey nos anos 50, ela disse à Forbes – resolvendo os enigmas de sua professora de matemática no quadro-negro. Ela se formou em matemática no Dickinson College, trabalhando com física de partículas, na University of Rochester durante o verão para aprender programação de computadores. Faulkner sempre foi visionária. “Sempre gostei de fazer coisas com argila, e o computador era o barro da mente. Em vez de físico, era mental.” Comenta Judy

  1. Meg Whitman

Não existe um caminho certo para o sucesso.

O patrimônio líquido da ex-CEO do eBay, Meg Whitman, é de US $ 5,1 bilhões, o que não é nenhuma surpresa depois que ela levou a corporação multinacional de comércio eletrônico de US$ 5,7 milhões para US$ 8 bilhões em vendas durante sua gestão como CEO de 1998 a 2008. Meg também foi CEO da Hewlett-Packard de 2011 a 2015. Lá, ela supervisionou a divisão da empresa em HP Inc. e Hewlett Packard Enterprise antes de deixar o cargo de presidente-executivo da HPE em fevereiro de 2018.

A executiva também atuou como CEO da plataforma de vídeo não mais existente Quibi e investiu na empresa de esportes de LA Immortals LLC. Ela também ainda faz parte do conselho da Procter & Gamble e do Dropbox.

Com um diploma de graduação em Princeton e um mestrado em Harvard, Whitman trabalhou seu caminho para cima, chegando a concorrer como governadora da Califórnia em 2010 como republicana. A nova-iorquina nativa, nascida e criada em Long Island, sempre teve aquela agitação nova-iorquina mundialmente conhecida, embora eventualmente tenha se desviado de suas raízes.

De 1979 a 1981, ela se viu em Cincinnati, Ohio, trabalhando para a Procter & Gamble antes de se mudar para a Califórnia com o marido para ingressar na empresa de consultoria Bain and Co. como vice-presidente. Então, de 1989 a 1992, ela atuou como vice-presidente sênior de marketing da divisão de produtos de consumo da Walt Disney Co, pouco antes de se mudar para Boston para se tornar presidente da fabricante de calçados infantis Stride Rite. Ela saiu em 1995, aceitando uma oferta como CEO da Florists Transworld Delivery, demitindo-se em 1997 e se tornando gerente geral da divisão Playskool da fabricante de brinquedos Hasbro. A partir daí, ela construiu seu legado no eBay quando preparou a empresa para sua oferta pública inicial em 1998.

Embora a carreira de Meg não fosse necessariamente direta, isso a levou a cargos de diretoria em todo o país e, em última análise, se tornar a terceira mulher mais rica do país.

 

 

 

 

 

Compartilhe esta publicação: