A nômade digital que criou uma empresa enquanto dava uma volta ao mundo

Inspirada por um documentário, Erin Carey mudou de vida e se juntou aos mais de 35 milhões de nômades digitais pelo mundo.

Cheryl Robinson
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Erin Carey, fundadora da Roam Generation, construiu sua empresa de comunicações enquanto navegava pelo mundo

Acessibilidade


Antes da pandemia, o termo nômade digital se referia a millenials que queriam viajar pelo mundo, querendo se encontrar enquanto ganhavam um bom salário. Pós-pandemia, são mais de 35 milhões de nômades digitais e, nos EUA, o número mais que dobrou. Em 2018, havia 4,8 milhões em comparação com 11 milhões em 2021. Além disso, o valor econômico da comunidade global de nômades digitais é de US$ 787 bilhões (cerca de R$ 3,9 trilhões) por ano. A maioria dos nômades digitais vive em terra. Mas há aqueles que assumem riscos adicionais ao realizar negócios no mar enquanto trabalham em um barco.

Erin Carey, fundadora da Roam Generation, lançou sua empresa de comunicações enquanto navegava pelo mundo com sua família. Depois de assistir a um documentário online sobre viver em um veleiro, ela e seu marido queriam quebrar seu padrão de trabalho comum e experimentar uma aventura extrema. Esse risco levou Carey a encontrar um nicho no mercado e se tornar uma nômade digital empreendedora em tempo integral.

“O maior desafio para nós foi mudar nossa mentalidade e acreditar que poderíamos fazer isso porque a reação que recebemos de nossa família, amigos e estranhos foi que era apenas uma ideia maluca”, diz Carey. “Tivemos que realmente bloquear esse barulho. … Eventualmente, eles nos apoiaram.”

VEJA MAIS: Os benefícios de empregar um nômade digital

Carey começou sua carreira em comunicações. Ela e o marido trabalhavam para o governo australiano, vivendo o sonho da cerca branca com a casa e os filhos. Então, uma noite, eles assistiram ao documentário da Netflix “Maidentrip” sobre Laura Dekker, de 14 anos, que partiu em uma viagem de dois anos em busca de seu sonho de se tornar a pessoa mais jovem a navegar ao redor do mundo sozinha. Bastou aquele filme. Eles imediatamente começaram a pesquisar as famílias que viviam em barcos e como eles mesmos poderiam lidar com isso.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Levou dois anos e dois meses para ela e sua família partirem de avião da Austrália com passagens só de ida para o Caribe para pegar o barco que compraram sem ao menos o verem. Ambos tiraram licença não remunerada de seus empregos e prepararam as crianças para estudar em casa. Eles tiveram dois anos para experimentar esse estilo de vida.

“Eu queria descobrir uma maneira de ganhar dinheiro que também nos permitisse prolongar nossa viagem”, explica Carey. “Eu divulguei para o grupo do Facebook que eu estava mantendo. E as pessoas diziam: ‘Você é uma ótima escritora. Você deveria tentar escrever.’… Quando você tem esse espaço e tempo para ser criativo, e você está se sentindo inspirado, eu pensei, ‘Por que não tentar?’… Eu não tinha nada a perder, eu suponho. Então comecei a escrever e acabei ganhando um bom dinheiro todo mês publicando artigos principalmente para revistas de navegação e viagens. Então, ao longo do caminho, conhecemos o canal de YouTube de vela número dois do mundo, Sailing SV Delos.”

Carey entrevistou o grupo para um de seus artigos. Eles perguntaram se ela gostaria de trabalhar com eles como relações públicas. Carey percebeu que era boa nisso ao garantir a cobertura da imprensa e ajudar no treinamento de mídia. Ela então começou a estudar como ser empreendedora, como escalar um negócio e até encontrou um mentor.

Reprodução/Forbes

A família Carey a bordo do Roam, seu Moody 47. Erin Carey e seu marido venderam sua casa na Austrália para viver uma vida de barco. Em um ano, ela se tornou uma nômade digital

O plano de dois anos de Carey e seu marido chegou ao fim. Eles prepararam o barco para o inverno e voaram de volta para a Austrália. Era para durar apenas seis meses, enquanto eles colocavam a casa em ordem e davam a Carey a chance de garantir mais clientes antes de voltar para o mar. Então, depois de dois meses em casa, o mundo entrou em quarentena.

“Ficamos presos lá por 18 meses”, afirma Carey. “Mas, em retrospectiva, isso nos permitiu nos sentir muito à vontade para vender nossa casa porque andamos de um lado para o outro por um bom tempo [vendê-la ou não]. Após 18 meses de volta à Austrália, mergulhados totalmente de volta em uma vida competitiva e exaustiva, concordamos que desistimos disso. Vendemos nossa casa sem sombra de dúvida e nunca nos arrependemos.”

Agora, com quase um ano de compromisso total com a vida no mar, Carey ajuda outros nômades digitais a navegar no cenário da mídia enquanto seu marido cuida do barco e educa as crianças em casa. Ela admite que esse estilo de vida não é para todos, mas vale a pena arriscar se você deseja uma mudança de ritmo.

À medida que Carey continua a expandir sua marca e se adaptar ao estilo de vida nômade digital, ela se concentra nas seguintes etapas essenciais:

  • Procure um grande mentor que tenha feito o que você quer fazer. Ter essa orientação tornará o processo mais gerenciável.
  • Esteja aberto a diferentes possibilidades. Por exemplo, você pode pensar que há apenas uma maneira de fazer isso quando, na realidade, existem várias maneiras.
  • Não perca tempo concentrando-se em pequenas tarefas, como projetar seu logotipo no início. Certifique-se de ter um negócio viável antes de gastar dinheiro e tempo em branding; que tudo vai se encaixar quando você tiver clientes.

“Descobri que sou muito mais resiliente do que jamais soube, porque você só precisa estar na vida do barco”, conclui Carey. “Eu me tornei uma solucionadora de problemas muito melhor. Essa resiliência me ajuda a não desistir, por mais difícil que seja. Há tantas vezes na vida do barco em que você não pode parar. Tantas vezes, tive vontade de dizer: ‘Pare o barco. Eu quero sair agora.” Mas você pode não estar em terra por mais duas semanas. Então você só tem que aguentar isso e encontrar um espaço em sua mente onde você possa lidar com o desconforto. Aprendi a ficar confortável com o desconforto.”

LEIA TAMBÉM: Os 10 melhores destinos para nômades digitais brasileiros ao redor do mundo

Compartilhe esta publicação: