Empreendedoras estão recebendo mais aportes apesar do preconceito

As fundadoras têm mais chance de sucesso se operarem em áreas que são estereotipicamente vistas como femininas.

Bonnie Chiu
Compartilhe esta publicação:
Erik Isakson/Getty Images
Erik Isakson/Getty Images

Estudos mostram que as empreendedoras estão sujeitas a julgamentos mais rigorosos do que os homens em ambientes de negócios

Acessibilidade


As startups fundadas por mulheres continuam a receber uma parcela pequena do venture capital disponível – apenas 2,2% de todo o financiamento de venture capital em 2021. Mas novos dados da empresa de pesquisa e tecnologia Pitchbook parecem contar uma história mais positiva: fundadoras do sexo feminino nos Estados Unidos registraram um número recorde de IPOs e aquisições no ano passado. Finalmente chegou a hora de quebrarmos o viés de risco?

Infelizmente, as empresas que têm apenas fundadoras representam 0,8% do valor total dos aportes. Empresas com uma ou mais fundadoras mulheres (mas com homens no board) se saem melhor e respondem por 8,8% do valor. Embora haja um número recorde de listagens públicas e aquisições, elas ainda representam uma pequena porcentagem do total.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Fundos voltados para empreendedoras

Nos últimos anos, muitos esforços foram feitos para lidar com o preconceito sistemático de gênero no financiamento de empreendimentos. Dados do Projeto Sage 4.0, que rastreia capital de risco, capital privado e dívida privada com uma lente de gênero, mostram que existem 130 fundos de capital de risco que levam em conta o gênero na hora dos aportes.

Embora isso represente um crescimento de 250% desde a primeira edição do Projeto Sage, em 2017, a paridade de gênero no capital de risco ainda está longe de ser alcançada.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Vários estudos acadêmicos descobriram que empreendimentos liderados por mulheres são penalizados em relação aos liderados por homens, especialmente quando as mulheres trabalham em áreas ou exibem qualidades que não são estereotipicamente femininas (conhecidas como “incongruência de papéis de gênero”).

Leia também: Mulheres de Sucesso 2022: veja quem são as 20 eleitas pela Forbes

Há também estudos que descobriram que as mulheres estão sujeitas a julgamentos mais rigorosos do que os homens em ambientes de negócios, incluindo aqueles que operam em domínios mais “femininos”, como impacto social.

Áreas “femininas” recebem mais dinheiro

As fundadoras têm mais chance de sucesso se operarem em áreas que são estereotipicamente vistas como femininas. Os dados de aporte de empreendimentos da Pitchbook descobriram que IPOs de saúde e biotecnologia (incluindo femtechs) representaram a maior parte do valor colocado em empresas fundadas por mulheres, já que essas indústrias estão mais alinhadas com o estereótipo feminino de cuidado.

Esse efeito “positivo” dos estereótipos também é encontrado no crowdfunding. As mulheres atraem mais financiamento coletivo do que os homens devido à percepção de que são mais confiáveis. Mas é claro que o crowdfunding é muito menor em comparação com o capital de risco disponível no mercado.

Compartilhe esta publicação: