Ela criou uma plataforma para ajudar mulheres a lidar com a infertilidade

Andrea Syrtash criou a Pregnantish, primeira plataforma de defesa de pacientes que não conseguem ter filhos

Amy Shoenthal
Compartilhe esta publicação:
Adrianna Favero
Adrianna Favero

Depois de uma década de luta contra a infertilidade, Andrea Syrtash fundou a Pregnantish

Acessibilidade


Andrea Syrtash começou sua carreira como especialista em relacionamentos. Ela escreveu dois best-sellers, apareceu em inúmeras entrevistas na mídia e ficou conhecida durante a maior parte de sua carreira por oferecer conselhos amorosos. Depois de uma década de luta contra a infertilidade e de ter uma filha por meio de barriga de aluguel, ela criou a Pregnantish, primeira plataforma de mídia e defesa de pacientes dedicada à infertilidade e à construção familiar moderna.

Cinco anos depois, Syrtash começou a perceber um novo problema. Com base em suas décadas de experiência em relacionamentos e nos episódios com a gravidez, ela continuou ouvindo como as pessoas que procuravam tratamento de fertilidade estavam tendo problemas de relacionamento – não com seus parceiros, mas com seus médicos, clínicas e fornecedores de fertilidade.

Ela suspeitava que essa era uma questão-chave que impedia as pacientes de continuar sua jornada de fertilidade. A falta de confiança que elas estavam tendo com os provedores estava contribuindo para um sentimento negativo durante um período que já é carregado de fortes emoções. 

Uma pesquisa com mais de mil pacientes provou que a suspeita de Syrtash estava correta. No estudo “Por que eu deixei minha clínica de fertilidade para outro provedor de tecnologia reprodutiva”, 49% dos pacientes apontaram um tema baseado em relacionamentos entre os motivos pelos quais deixaram um provedor. Sentir-se como um número, não se sentir ouvido, não ter tratamento adaptado e muito mais. 

Em outras palavras, as pessoas não saíram por falta de eficácia, custo ou acesso. Acontece que o relacionamento com seu médico ou clínica importava tanto quanto isso, se não até mais.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A pesquisa foi submetida à SERHE (Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia), aceita e será publicada na revista científica Human Journal of Reproduction.

Syrtash falou à Forbes sobre administrar um negócio centrado na infertilidade e os espaços inesperados em que ela se encontrou ao longo do caminho. 

Forbes: Vamos voltar cinco anos. Como surgiu a ideia da Pregnantish?

Andrea Syrtash: Trabalhei na mídia e com publicações compartilhando conselhos sobre relacionamentos e senti que estávamos perdendo um capítulo importante dos relacionamentos modernos: quando as pessoas querem ter filhos e o sexo não faz um bebê. Isso afeta todos os relacionamentos – com amigos, familiares, parceiros, datas, com os próprios eus e corpos. Eu originalmente pensei, e disse ao meu agente, que esse seria o tema do meu próximo livro. Depois de perder outra gravidez naquela época, percebi que isso era muito maior do que um livro e precisava ser uma plataforma para educar, defender e ajudar as pessoas a encontrar uma comunidade.

F: Quais foram algumas reações iniciais da sua comunidade quando você falou sobre suas lutas com a infertilidade?

AS: Fiquei impressionada com a reação. Eu compartilhei minha história no Facebook com amigos pela primeira vez para dizer que estava lançando algo que eu desejava desesperadamente – um site sobre infertilidade que não seria um blog, que não era algo clínico e que não estava em um site de pais. O post foi tão compartilhado que alguém me incentivou a torná-lo público. Na manhã seguinte, fui chamada pela Bravo, ABC News, NY Magazine, Toronto Star e muito mais.

F: Que obstáculos você enfrentou enquanto estava construindo a plataforma? Como você os superou?

AS: Lançamos muito antes de estarmos prontos. Quando anunciei a plataforma pela primeira vez, era para dizer que ela iria chegar durante a Semana Nacional de Conscientização da Infertilidade em abril, mas recebemos tanta atenção que tive que contratar pessoas para acompanhar a demanda. Eu tinha feito uma pequena rodada pré-seed de US$ 50 mil (R$ 237 mil) em 2016 apenas para construir a versão beta do site (com algum conteúdo de vídeo e conteúdo premium que prometi ao público). 

Meu objetivo era crescer conforme entendia o que eles precisavam. Mas acabamos não levantando mais porque estávamos funcionando e com um fluxo de caixa positivo logo de cara.

Minha abordagem tem sido contratar os melhores talentos por meio período. Agora estou considerando uma rodada inicial para construir um time de superestrelas em tempo integral.

F: Qual foi a maior surpresa ao longo de cinco anos à frente da plataforma?

AS: Nunca esperei educar os profissionais de saúde ou usar minha experiência em relacionamentos para ajudar no crescimento da população. Graças a uma bolsa educacional da farmacêutica EMD Serono e da CooperSurgical, realizamos uma pesquisa em 2019 para descobrir por que as pessoas deixaram suas clínicas de fertilidade. O motivo número 1? O relacionamento. Como paciente de longa data em tratamento de fertilidade e autora sobre relacionamentos, isso não me surpreendeu em nada.

Trabalhamos com cientistas de dados e uma equipe com os principais especialistas em fertilidade como consultores, que nos ajudaram a publicar diretrizes de relacionamento e criar um workshop educacional gratuito para profissionais de saúde. Nós nos unimos em torno de um objetivo compartilhado de usar esses dados para melhorar a relação paciente-provedor e, finalmente, melhorar a retenção de pacientes.

Agora estou trabalhando com a farmacêutica alemã Merck KGaA em uma iniciativa global para apoiar pacientes e fornecedores em todo o mundo. Há uma crise global de fertilidade nas nações industrializadas, que é essencialmente uma crise populacional. Em muitos desses países com taxas populacionais em declínio, os governos agora estão financiando tratamentos de fertilidade e, no entanto, as pessoas estão desistindo. O ponto de dor é tão alto. Sabemos que a infertilidade é uma experiência extremamente estressante e, se as pessoas não se sentirem apoiadas, desistirão ou passarão para outro provedor.

Com nossa profunda rede e visão sobre pacientes e provedores, minha experiência profissional em relacionamentos e minha experiência pessoal com infertilidade, sinto que a Pregnantish pode ajudar as pacientes a se sentirem mais vistas, ouvidas e valorizadas, para que tenham maior probabilidade de permanecer com um provedor. 

Espero também que essa pesquisa também ajude os provedores. A questão não está apenas nas pessoas que oferecem esse cuidado. As clínicas de fertilidade são um grande negócio e os pacientes sentem isso. As visitas de fertilidade foram relatadas como um dos eventos mais estressantes de suas vidas. O curso que criamos tem um roteiro que oferece formas de se relacionar melhor com seus pacientes.

F: Isso é diferente de quando você estava passando por sua experiência de infertilidade?

AS: Na verdade não. Quando me disseram que eu estava prestes a perder minha gravidez, o primeiro lugar para onde a clínica me enviou foi para a área de cobrança. Novamente, não quero criticar os médicos, eles estão sobrecarregados de demanda. Todos têm o mesmo objetivo. O ecossistema quando você está tentando criar um bebê científico é frágil. Se você não tiver o apoio emocional e relacional durante esse período estressante, vai falhar.

F: Qual é a sua esperança para o futuro das grávidas?

AS: Quando comecei isso, foi muito perturbador. Todo mundo achava que era um setor muito nichado. Mas não há nada de nicho em uma em cada quatro pessoas que sofrem de uma perda de gravidez.

Prevê-se que em 2100, centenas de milhões de pessoas (alguns dizem que 3% de toda a população!) vão estar vivas graças à fertilização in vitro ou tratamentos de fertilidade. O Congresso Europeu está publicando uma pesquisa que mostra como isso realmente é um problema global. Se fizermos isso corretamente, estaremos fazendo conexões globalmente para permitir que mais pacientes alcancem suas metas e provedores façam melhores conexões para que as mulheres não desistam prematuramente.

Não acho que resolveremos sozinhos uma crise populacional, mas sinto que nosso trabalho aqui pode, em última análise, apoiar o crescimento populacional.

Sempre achei que se você não quer ter um filho ou filhos, tudo bem. Mas, se você está tentando construir sua família com a ajuda da tecnologia de reprodução assistida, ter um filho é um dos seus maiores objetivos e valores.

Se pudermos ajudar essas pessoas a se sentirem mais apoiadas durante esse processo, acho que é uma vitória para todos.

>> Inscreva-se para a seleção da lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: