Serena Williams e Naomi Osaka são as únicas mulheres na lista de atletas mais bem pagos

Juntas, as tenistas somam mais de R$ 500 milhões em contratos, mas são uma exceção na lista dos atletas que mais faturam

Brett Knight
Compartilhe esta publicação:
GettyImages
GettyImages

Serena Williams, a décima do mundo, vale R$ 223 milhões fora das quadras. Osaka, de apenas 24 anos, tem acordos de R$ 287 milhões

Acessibilidade


Quando se trata de anunciantes, poucos atletas têm a força das craques do tênis Naomi Osaka e Serena Williams.

Osaka, de 24 anos, tem mais de 20 parceiros corporativos, ganhando US$ 58 milhões (R$ 287 milhões) – antes de impostos e taxas de agentes – nos últimos 12 meses, de marcas como Nike, Mastercard e Louis Vuitton. 

Esse é o quarto maior valor recebido fora de campo entre os melhores atletas do mundo, atrás apenas de Roger Federer, LeBron James e Tiger Woods – e à frente de nomes como Lionel Messi, Cristiano Ronaldo e Tom Brady. 

Leia também: Seleções de futebol feminina e masculina dos EUA terão igualdade salarial

Williams, de 40 anos, tem mais de uma dúzia de acordos de patrocínio, elevando seu valor fora das quadras para US$ 45 milhões (R$ 223 milhões), o décimo melhor do mundo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Esses ganhos, mais o prêmio em dinheiro ganho na quadra, colocam Osaka em 19º lugar no Ranking de 2022 da Forbes dos 50 atletas mais bem pagos do mundo, com um total de US$ 59,2 milhões (R$ 293,5 milhões) nos últimos 12 meses. Williams, com US$ 45,3 milhões (R$ 224,6 mihões), ficou em 31º lugar.

Essa não é uma vitória pequena no mundo dos esportes femininos. A terceira atleta feminina mais bem paga – a irmã de Williams, Venus – ficou mais de US$ 20 milhões (R$ 99 milhões) aquém do valor limite de US$ 37,6 milhões (R$ 186,4 milhões). A última atleta feminina além de Osaka e Williams a ficar entre os 50 mais bem pagos foi Maria Sharapova em 2015, com US$ 29,7 milhões (R$ 147,2 milhões). Em 2017, 2018 e 2019, nenhuma mulher atingiu o patamar para entrar na lista.

Isso ocorre em parte porque, como os esportes femininos não têm a exposição na mídia que os masculinos obtêm, as marcas geralmente estão menos inclinadas a direcionar seu orçamento de marketing para atletas do sexo feminino. 

Apenas duas mulheres além de Osaka e Williams ganharam pelo menos US$ 10 milhões (R$ 49,5 milhões) fora de campo no ano passado: Venus Williams – US$ 11 milhões (R$ 54,5 milhões) – e a ginasta Simone Biles – US$ 10 milhões (R$ 49,5 milhões). O ranking deste ano dos 50 atletas mais bem pagos, enquanto isso, apresenta 26 atletas homens ganhando pelo menos isso, o que não inclui vários outros – como o golfista Jordan Spieth e a estrela do tênis Novak Djokovic – que ultrapassaram facilmente esse patamar fora de campo, mas ficaram aquém do corte geral.

Desigualdade salarial

O maior impacto da falta de exposição na mídia, no entanto, vem em campo. Sem grandes acordos de transmissão, os esportes coletivos femininos simplesmente não têm receita para sustentar os salários e bônus de grande sucesso que existem no lado masculino.

A NBA, por exemplo, arrecada uma média anual de US$ 2,67 bilhões (R$ 13,2 bilhões) da ESPN e da Turner Sports pelos direitos de exibição de seus jogos, mais de 100 vezes a quantia que a WNBA recebeu de seu único parceiro de TV nos últimos anos, a ESPN. 

Com esse déficit, os salários-base máximos na WNBA chegaram a cerca de US$ 220 mil (R$ 1 milhão) no ano passado. Por outro lado, o armador do Golden State Warriors, Stephen Curry, teve o maior salário da NBA nesta temporada, de US$ 45,8 milhões (R$ 227 milhões), e o salário mínimo da liga para contratos de um ano inteiro foi de mais de US$ 900 mil (R$ 4,4 milhões).

Houve esforços para diminuir essa diferença, no basquete e em outros esportes. O acordo coletivo de trabalho da WNBA em 2020 quase dobrou o salário máximo, e a liga atraiu novos patrocinadores à medida que sua audiência na TV aumentou

A Premier Hockey Federation tem um novo acordo de mídia, e a Liga Nacional de Futebol Feminino, que está recebendo um impulso de novos proprietários e equipes de expansão, assinou um acordo coletivo em fevereiro que aumentou seu salário mínimo em quase 60%. No mesmo mês, a seleção nacional de futebol feminino dos EUA chegou a um acordo de igualdade salarial com a US Soccer, a entidade que rege o esporte.

Enquanto isso, o US Women’s Open está aumentando a bolsa para suas golfistas de US$ 5,5 milhões (R$ 27,2 milhões) para US$ 10 milhões (R$ 49,5 milhões) este ano. Todos os quatro torneios do Grand Slam do tênis deram prêmios iguais a homens e mulheres desde 2007, e as estrelas em ascensão Emma Raducanu e Coco Gauff estão recebendo valiosos acordos de patrocínio ainda na adolescência.

Embora a diferença salarial seja menor nos esportes individuais, também existem disparidades. No golfe, a vencedora do Campeonato PGA Feminino de 2021, Nelly Korda, levou para casa US$ 675 mil (R$ 3,3 milhões), menos de um terço dos US$ 2,16 milhões (R$ 10,7 milhões) que Phil Mickelson ganhou no Campeonato PGA masculino. 

Fora dos Grand Slams, muitas vezes a história é semelhante. A tenista Ashleigh Barty ganhou US$ 255,2 mil (R$ 1,2 milhão) por vencer o Western & Southern Open do ano passado nos arredores de Cincinnati, um evento de aquecimento para o US Open; o campeão masculino, Alexander Zverev, arrecadou US$ 654,8 mil (R$ 3,2 milhões).

Tudo isso sugere que Osaka e Williams, com seu poderoso apelo aos patrocinadores, continuarão se destacando.

Darrian Traynor/ Getty Images
Darrian Traynor/ Getty Images

Osaka ficou em 19º lugar no Ranking de 2022 da Forbes dos 50 atletas mais bem pagos do mundo, com um total de US$ 59,2 milhões (R$ 293,5 milhões) nos últimos 12 meses

Rainhas do tênis

Não é coincidência que ambas joguem tênis, esporte em que as roupas representam um valioso patrimônio para os anunciantes ansiosos por colocar seus logotipos na televisão. Também ajuda que Osaka, que estabeleceu um recorde para uma atleta feminina ao ganhar US$ 60 milhões (R$ 297 milhões) na lista de atletas do ano passado, tenha nascido no Japão, um país cujos profissionais de marketing estão dispostos a pagar por estrelas do esporte. Basta olhar para Shohei Ohtani, que está ganhando cerca de US$ 20 milhões (R$ 99 milhões) fora do campo, uma marca inédita para um jogador de beisebol.

Em março, Osaka fechou um enorme acordo de endosso com a exchange de criptomoedas FTX que veio com uma participação acionária. Este mês, ela anunciou que estava deixando o conglomerado de esporte e entretenimento IMG para lançar sua própria agência de esportes, a Evolve, e continuar a expandir seus negócios. “Para quem está fora do mundo do tênis, Osaka é um rosto relativamente novo com uma ótima história”, disse David Carter, professor de negócios esportivos da USC, à Forbes em 2020. “Combine isso com ser jovem e bicultural, dois atributos que a ajudam a ressoar com o público mais jovem e global, e o resultado é o surgimento de um ícone global de marketing esportivo.”

Serena Williams se tornou profissional em 1995 e está no centro das atenções globais desde que venceu o US Open de 1999, aos 17 anos. Além de parcerias lucrativas com marcas como Nike, Subway e Gucci, ela tem um acordo de TV com a Amazon Studios que inclui um documentário sobre ela, e encontrou sucesso como capitalista de risco. Sua empresa, Serena Ventures, anunciou em março que havia levantado um fundo inaugural de US$ 111 milhões (R$ 550 milhões).

É muito cedo para dizer quem alcançará o nível de Osaka e Williams em seguida, ou quando, mas é uma aposta segura de qual esporte ela sairá: todos os anos desde que a Forbes começou a rastrear os dados, em 1990, a atleta feminina mais bem paga foi tenista.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: