A marca italiana que está reinventando os cosméticos naturais

Esta grife de luxo fundada por duas mulheres vem fazendo cosméticos naturais a partir de azeite de oliva - e virando referência do mercado europeu

Karin Eldor
Compartilhe esta publicação:

A marca de cosméticos naturais e orgânicos Furtuna Skin, fundada por Agatha Relota Luczo e Kim Walls, virou febre na Europa

Acessibilidade


As cofundadoras da Furtuna Skin, Agatha Relota Luczo e Kim Walls, estão prontas para tornar sua luxuosa linha de skincare o novo padrão de beleza plant based. Luczo foi modelo internacional e cofundadora da produtora do azeite de oliva Bona Furtuna. E Walls já fazia produtos de beleza natural antes mesmo do termo clean beauty ser reconhecido.

Juntas, lançaram a marca em novembro de 2019 e ganharam reconhecimento na forma de prêmios, aparições na imprensa e seguidoras entre as celebridades. Seu slogan:“Cuidados com a pele descontroladamente potentes”.

Leia mais: Essa empreendedora mudou radicalmente o jeito de comprar joias online

“Nossa missão é deixar as pessoas e lugares em que tocamos melhor do que quando os encontramos”, explica Walls. “Defendemos a saúde dos humanos, dos animais e da terra por meio de nossas práticas de negócios, produtos e da nossa paixão. Usamos embalagens de vidro e métodos de agricultura orgânica, participamos da criação de bancos de sementes e estamos ajudando a trazer espécies quase extintas da flora. Protegemos as espécies de aves e a biodiversidade apoiando a terra dentro de uma reserva e ajudamos a fornecer estabilidade financeira e educação para a comunidade italiana onde nossos ingredientes são cultivados.”

Isso é apenas a superfície de como Furtuna Skin está transformando a terra, as comunidades, a natureza, a pele das consumidoras e essencialmente – a vida das pessoas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Elogios da imprensa internacional

Seu carro-chefe é um óleo hidratante que ganhou elogios dos editores de beleza de todas as publicações, da Vogue e Goop à Harper’s Bazaar e WWD. Parece que o diferencial da marca tem tudo a ver com desempenho.

Nascida na Itália, produz cosméticos a partir de uma fonte única de matéria-prima (produção selvagem e orgânica de azeite em sua fazenda na Sicília), um processo pioneiro (tecnologia de ultra-som que não usa calor e extrai rapidamente os compostos de plantas, evita a oxidação e protege a potência dos ingredientes ativos).

No coração da marca Furtuna Skin está a promessa que um jovem – Steve Luczo, marido de Agatha – fez à sua avó aos 10 anos de idade sobre encontrar e reviver a terra de sua juventude. Trinta e cinco anos depois, Agatha e Steve Luczo encarnaram plenamente esse sonho de infância de encontrar a propriedade da avó de Steve Luczo no interior da Sicília.

Azeite e cosméticos naturais

Com a ajuda de um botânico aclamado, o casal recuperou a terra e criou a La Furtuna Estate, uma fazenda orgânica que é a fonte dos ingredientes orgânicos da Furtuna Skin. A propriedade agora possui mais de 12.000 oliveiras e árvores antigas com 600 a 1.500 anos.“Quando se trata de tudo o que eu e meu marido fazemos – entre Furtuna Skin e Bona Furtuna Olive Oil – sempre pensamos em como as empresas que nos propusemos a construir vão ajudar os outros e ajudar uma comunidade. Até começamos nossa primeira escavação arqueológica na área, em parceria com a Universidade de Palermo. Então todo o trabalho que está acontecendo na fazenda é empolgante.”

Luczo e Walls queriam resolver o problema da indústria de clean beauty, que é que as pessoas muitas vezes são céticas em relação ao desempenho real desse tipo de produto de beleza. “O maior obstáculo é extrair o mais alto nível de nutrientes para que os produtos superem seus equivalentes sintéticos”, compartilha Walls.

Como CEO, Walls lidera o desenvolvimento desde o conceito e a formulação até a construção da marca e a narrativa. Ela está sempre abrindo um novo caminho, seja sendo uma pioneira no nascente mundo das startups dos anos 90 ou uma inovadora em cuidados com a pele se aventurando em novas fronteiras. Nascida na beleza, ela traz uma vida inteira de conhecimento e insights para Furtuna, adquiridos como filha do fundador de cuidados com a pele da Epicuren, gerente geral da Lime Crime Makeup, formuladora- mestre e esteticista, tendo trabalhado com dermatologistas para entender as necessidades do cliente.

Luczo, que atua como Chief Creative Officer (e CCO da Bona Furtuna), supervisiona todos os aspectos criativos da Furtuna Skin, incluindo o desenvolvimento de novos produtos, inspirados em seu próprio ritual de cuidados com a pele. Ela é a guardiã definitiva da marca, aplicando os mesmos padrões elevados aos cuidados com a pele que ela defende na qualidade do Azeite Bona Furtuna.

Luczo tem tudo a ver com vida saudável e orgânica: é uma modelo internacional (desde os 16 anos) que apareceu nas páginas das Vogue, Marie Claire e W e nas principais marcas de alta costura. Enquanto se preparava para as fotos, maquiadores de celebridades e especialistas em pele a apresentaram aos produtos e segredos comerciais, tornando-a uma especialista em beleza.

Inspiração dos tempos de modelo

Um produto chave que foi inspirado em seu passado no mundo da moda: a água micelar. “Muitos dos meus rituais se originaram dos meus dias de modelo. Todos os maquiadores usavam água micelar antigamente em Paris, e eu me apaixonei por ela. Mas trouxemos um novo ângulo para a água micelar e tivemos uma reinvenção diferente.

“A água micelar típica é feita com surfactante de coco e a nossa é feita com surfactante de azeitona. Também é infundido com nossa água de folha de oliveira orgânica e nosso ingrediente estrela, anchusa azurea!, diz.

Desde o lacre de cera nas embalagens feitas por artesãos, até as garrafas de vidro feitas por vidraceiros italianos, há intenção em todos os processos.

“Através da Furtuna Skin, demos a nós mesmos, nossa equipe e nossos clientes uma maneira de participar plenamente na restauração das injustiças e dificuldades ao nosso redor. Procuramos ensinar às pessoas que as práticas de negócios regenerativas têm o potencial de resultar na mais alta qualidade, no mais alto desempenho e nas experiências de vida mais gratificantes”, diz Walls.

Compartilhe esta publicação: