A empreendedora que criou um unicórnio na área de pagamentos

A fintech Stax, de Suneera Madhani, processou mais de US$ 23 bilhões (R$ 123,3 bilhões) em pagamentos para 22 mil empresas

Yola Robert
Compartilhe esta publicação:
Arlene Laboy
Arlene Laboy

A empreendedora Suneera Madhani, CEO e fundadora da Stax, uma fintech sediada nos Estados Unidos

Acessibilidade


A fintech de Suneera Madhani, a Stax, processou mais de US$ 23 bilhões (R$ 123,3 bilhões) em pagamentos para 22 mil empresas. Com uma taxa de crescimento de mais de 500% ano a ano, a Stax triplicou sua avaliação e chegou ao território de unicórnio. Mas o começo de Madhani com a Stax nem sempre foi brilhante assim. A paquistanesa-americana teve uma epifania enquanto, recém-formada na faculdade, trabalhava em uma empresa de tecnologia financeira que ainda operava à moda antiga.

“Foi em 2014, quando senti que havia oportunidade para uma melhor tecnologia de pagamento no espaço fintech, especialmente para pequenas e médias empresas”, diz. Ela previu que o futuro dos pagamentos seria omnichannel (estratégia de vendas que integra diferentes canais de comunicação e divulgação) e multithread (em que são executadas várias ações simultaneamente), o que foi comprovado durante a pandemia. “Senti que precisávamos investir em tecnologia e nos estabelecer como um modelo de assinatura SaaS (software como serviço)”. 

“Forneceríamos o software e cobraríamos uma taxa de assinatura, deixando os pagamentos essencialmente gratuitos e, no final, seríamos donos do volume de pagamentos, que é o que a maioria das empresas queria.”

Quando ela apresentou essa solução para seus superiores, foi rapidamente rejeitada, e percebeu que teria que perseguir essa ideia por conta própria. Como nunca teve um lugar à mesa, ela estava sempre brigando e tendo que se provar para as pessoas. “Assim que percebi que não havia uma mesa para me sentar, decidi que teria que construir a minha.”

“As pessoas têm preconceito quando veem alguém que é jovem com visão, e elas simplesmente não estão acostumadas a ver uma mulher nesse lugar”, diz a empreendedora. Para ela, a representatividade é importante porque, quando você vê pessoas como você e que são bem-sucedidas, você verá mais delas no futuro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Leia também: Empreendedorismo feminino pode impulsionar economia global

Turning point

Quando Madhani começou a empresa, ela se chamava Fattmerchant e era apenas uma plataforma de pagamento baseada em assinaturas. Ela passou os primeiros cinco anos investindo na companhia e aumentando sua base de clientes para cerca de 10 mil, com US$ 10 bilhões (R$ 53 bilhões) em pagamentos processados. 

No entanto, o momento crucial para a empresa veio em 2018: “Tive essa nova visão em que senti que nosso software era tão poderoso que nossos parceiros, que eram empresas de software, poderiam se beneficiar de nosso processamento de pagamentos para seus próprios clientes.”

Ela investiu em arquitetura de infraestrutura, o que levou à rodada da série B para o Stax Connect, um braço do negócio. Hoje, o foco da Stax está em quatro pontos principais: serviços profissionais, serviços de campo, assistência médica e varejo. “O que nos torna especiais é que ajudamos as empresas com pagamentos omnichannel. O que esses setores têm em comum é que todos precisam receber pagamentos pessoalmente e digitalmente. Somos a ponte entre pagamentos online e presenciais.”

Mulher e investimento

Embora a Stax tenha acabado de levantar sua série D de US$ 245 milhões (R$ 1,3 bilhão), com uma avaliação de US$ 1 bilhão (R$ 5,3 bilhões), no início, era muito difícil para Madhani levantar capital como uma mulher de origem paquistanesa. 

Com menos de 1% das empresas lideradas por minorias e mulheres conseguindo arrecadar fundos, Madhani teve que se esforçar. Ela participou de mais de uma dúzia de competições de pitch e venceu seis delas. Ganhar essas competições permitiu que ela construísse credibilidade e fizesse conexões com outros investidores. 

Agora, com a Stax ultrapassando US$ 100 milhões (R$ 536 milhões) em receita, o foco está em dimensionar seus eixos, sua participação de mercado e presença de marca. “Estamos investindo em nossa tecnologia e ficando de cabeça baixa até estarmos prontos para abrir capital.”

Além das conquistas financeiras na Stax, Madhani assumiu a missão de retribuir à sua comunidade. Em 2020, iniciou o podcast CEO School. “É uma comunidade digital e um espaço seguro para mulheres empreendedoras, onde posso retribuir de várias maneiras: por meio de mentorias, eventos ao vivo e workshops virtuais. É um lugar onde sentimos que podemos fazer todas as perguntas, obter os recursos de que precisamos e aprender com mulheres reais nos negócios”, diz. A Stax também tem um braço filantrópico chamado “Stax Cares” dedicado a apoiar mulheres nos negócios.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: