EXCLUSIVO: Pinterest chega a 400 milhões de usuários

Acessos da Geração Z, Millenials e homens vêm impulsionando crescimento da plataforma .

Gabriela Arbex
Compartilhe esta publicação:
Reprodução
Reprodução

Interesses variam de acordo com o tipo de público da plataforma

Acessibilidade


O Pinterest, rede social de compartilhamento de fotos, acaba de chegar aos 400 milhões de usuários ativos mensais. Criada no começo de 2010 por Paul Sciarra, Evan Sharp e Ben Silbermann – este último detentor de uma fortuna de US$ 1,5 bilhão, segundo ranking em tempo real da Forbes –, a plataforma aproveitou o marco para fazer uma nova pesquisa sobre seus usuários.

De acordo com o levantamento, as mulheres, que foram as primeiras a aderirem à rede social, ainda representam sua maioria – 60% dos usuários totais –, embora o número de homens cresça a taxas de quase 50% ao ano. No caso deles, a motivação passa, principalmente, pela busca de ideias para atividades em casa, que vão de backsplashes (revestimento localizado na parede entre o balcão da cozinha e os armários superiores) à panificação.

LEIA MAIS: Pinterest se prepara para monetizar no Brasil

A pesquisa também revelou que eles querem fazer upgrades na cozinha – o termo “cozinha modular” teve alta de 12 vezes, enquanto “soluções de armazenamento para cozinha” aumentou sete vezes – ou cuidar da aparência (“moda masculina de streetwear” aumentou quase seis vezes e “cuidados para uma pele saudável” teve alta de nove vezes). A procura por “looks de maquiagem criativos” entre os homens também aumentou quase sete vezes em comparação à mesma época do ano passado. Além disso, esse público anda muito criativo na cozinha: a busca por “refeição de um prato único” dobrou e por “receitas de pão artesanal” aumentou cinco vezes e meia.

A Geração Z – que vai dos 18 aos 24 anos – e os Millennials – de 25 a 44 – também são responsáveis por grande parte do crescimento da rede social. No segundo trimestre, o público abaixo dos 25 anos cresceu duas vezes mais rápido que o de visitantes acima dessa idade. Essa geração usa a plataforma para pesquisar sobre moda, encontrar ideias de decoração e ver dicas de estudo, mas o levantamento também revelou que ela não está apenas pensando no próprio futuro, já que busca informações sobre problemas sociais e iniciativas inspiradoras.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga todas as novidades da Forbes Insider no Telegram

Entre os usuários da Geração Z, as pesquisas por “igualdade de gênero” aumentaram em cinco vezes. A mesma taxa de crescimento foi detectada em buscas por “check-in de saúde mental”, enquanto o tema “ideias positivas sobre o corpo” mostraram alta de nove vezes. Eles também buscam ferramentas de planejamento como “diário de pensamentos” (alta de 19 vezes) e “habilidades para a vida” (alta de cinco vezes). Além disso, exploram estéticas promissoras da internet, como “moda cottagecore” (alta de 80 vezes), e inspirações para decoração, como “quarto indie” (alta de 96 vezes). A conclusão do levantamento é que esse público usa a plataforma para planejar em vez de postar sobre o passado.

Já os Millennials, que crescem a taxas de 36% de um ano para outro na rede social, estão usando a plataforma durante a quarentena para conciliar as novas tarefas em casa com o emprego de período integral. Seus interesses passam pela preparação da casa para atividades familiares, com pesquisas por “planos para família em casa” (alta de 10 vezes) e compras de objetos para espaços domésticos, como “área de estar no quintal” (alta de 34 vezes). Com a rotina escolar acontecendo agora dentro de casa, eles também procuram inspiração como “planilhas de matemática para atividades pré-escolares” (que aumentou 28 vezes) e “escritório para crianças” (alta de 10 vezes).

Mesmo no confinamento, essas pessoas se mostraram criativas e buscaram ideias de moda e maquiagem. Interesses por “moda com joias de ouro”, por exemplo, registraram 11 vezes mais procura, enquanto “mechas coloridas para o cabelo” teve uma alta de 58 vezes nas buscas.

Para efeito de comparação, o Facebook, que foi aberto ao público acima dos 13 anos em 2006, depois de funcionar apenas para os universitários norte-americanos, atingiu 2,7 bilhões de usuários em julho. Já o Instagram, lançado em outubro de 2010, teria, segundo uma pesquisa da Socialbakers de março deste ano, ultrapassado seu principal concorrente.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: