Citroën lança carro mirando geração TikTok

Ami é movido por motor elétrico e pode ser dirigido por alguém de 14 anos e sem carteira de motorista na França.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Charles Platiau/Reuters
Charles Platiau/Reuters

Veículo tem velocidade máxima de 45 km/h

Acessibilidade


A Citroën tem um novo veículo que espera que atinja um mercado que a maioria das grandes montadoras ainda não explorou – motoristas adolescentes.

O pequeno veículo Ami de dois lugares da montadora francesa é movido por um modesto motor elétrico de 6 quilowatts, portanto, de acordo com a legislação francesa, ele pode ser dirigido por alguém de apenas 14 anos e sem carteira de motorista.

LEIA MAIS: Para diretor da Audi, carros elétricos são o auge “da conveniência, do conforto e do luxo”

O veículo tem uma velocidade máxima de 45 quilômetros por hora, sua carroceria é de plástico e possui um interior simples.

Mas tem características que provavelmente atrairão adolescentes conectados e está à venda junto com smartphones e consoles de videogames em uma grande rede francesa de lojas de eletrônicos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Na França, a versão mais básica custará € 6.000. A Citroën disse que até agora recebeu 1.000 encomendas do veículo de clientes na França.

“O primeiro cliente que veio … era um adolescente e seu pai”, disse Olivier Garcia, chefe de produtos da varejista de eletrônicos francesa Fnac Darty.

Ele disse que estão procurando uma alternativa mais segura para um patinete ou bicicleta elétrica, os meios de transporte que os jovens franceses mais usam para circular pelas cidades.

“Portanto, é uma parcela de nossos clientes que não é desprezível”, disse Garcia. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: