EXCLUSIVO: Nubank e Qintess conduzem tratativas para avançar pauta racial

Escopo da possível parceria inclui fundo de capital semente para investir em startups brasileiras fundadas ou lideradas por pessoas negras

Angelica Mari
Compartilhe esta publicação:
 Bambu Productions/Getty Images
Bambu Productions/Getty Images

As empresas de David Vélez e Nana Balfour estão buscando formas de avançar iniciativas de diversidade no setor de tecnologia

Acessibilidade


O banco digital Nubank e a empresa brasileira de serviços de tecnologia Qintess estão em tratativas sobre uma atuação conjunta em aspectos do plano de igualdade racial divulgado pela empresa no início do mês, apurou a Forbes.

Segundo uma fonte, que preferiu não se identificar, uma parceria entre as empresas era dada como certa para algumas das iniciativas que a fintech anunciou na semana passada em seu plano antirracista – como o hub de tecnologia NuLab, que será lançado em Salvador -, mas diversos aspectos em áreas como compliance precisavam ser endereçados antes de uma formalização, o que inviabilizou o anúncio imediato da colaboração.

Siga todas as novidades da Forbes Insider no Telegram

Além disso, o escopo da possível parceria entre as duas empresas também incluía o fundo de capital semente para investir em startups brasileiras fundadas ou lideradas por pessoas negras. Segundo a fonte, este fundo teria um valor estimado entre R$ 1 milhão e R$ 2 milhões para o primeiro ano.

“Quando uma empresa tem pressa e dinheiro, faz as coisas do seu jeito e da forma mais rápida, e este mês, em particular, impõe uma série de urgências em relação à pauta racial. Há um certo ‘novembrismo’ envolvido, mas por outro lado, [o Nubank] está atuando dentro do negócio para tratar a questão, o que é louvável”, disse a fonte.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

E continua: “Fazer coisas como montar um hub fora do eixo Rio-São Paulo requer um certo esforço. O Itaú, por exemplo, nunca se propôs a montar um Cubo [hub de empreendedorismo do banco] no Nordeste, pois requer uma saída da zona de conforto. [Abrir um hub em Salvador] pode ser uma demonstração importante de comprometimento, mas os resultados a gente não vê na largada, e sim no meio dessa maratona.”

LEIA MAIS: Nubank investe R$ 20 milhões para combater o racismo estrutural

A relação entre Nana Baffour, CEO da Qintess, e David Vélez, CEO do Nubank, é de longa data, segundo a fonte, e os executivos vinham conversando sobre diversos projetos bem antes de toda a atual movimentação da fintech em relação ao combate ao racismo estrutural.

No entanto, as conversas entre os líderes se intensificaram nos últimos meses e especialmente após a publicação do compromisso antirracista da empresa, em outubro. “O Nana não está interessado no dinheiro, e sim no potencial relacionado a trazer o Nubank para um território em que a Qintess fez seu primeiro investimento social. [Baffour] vê Salvador como a porta de entrada para toda a região Nordeste”, diz a fonte.

O fato de que o anúncio inicial do Nubank não incluiu a Qintess como parceira não quer dizer que futuras iniciativas conjuntas estejam descartadas, segundo a fonte. “[Baffour e Vélez] não fecharam um acordo agora, mas continuam falando sobre uma série de projetos. O pipeline é longo.”

Procurada pela Forbes, a Qintess confirmou a aproximação, reiterando seu compromisso com o fomento ao empreendedorismo, a diversidade e a inovação social no Brasil. “Nos últimos meses, iniciamos uma série de discussões com empresas de todos os portes e segmentos, com o objetivo de criar novos projetos, empoderar os já existentes e ampliar os benefícios que eles podem gerar para a sociedade como um todo. E uma dessas empresas foi o Nubank”, diz.

“O nosso desejo, acima de tudo, é que mais iniciativas de diversidade sejam feitas no ecossistema e que a gente possa garantir o desenvolvimento e o bem-estar das gerações presentes, com o compromisso de propiciar as mesmas oportunidades para as gerações futuras”, disse a empresa, em nota.

LEIA TAMBEM: Nana Baffour, da Qintess, fala sobre transformação digital e diversidade

As múltiplas iniciativas da empresa de Baffour no âmbito da diversidade incluem um investimento de R$ 10 milhões nos próximos cinco anos anunciado em julho. O objetivo é possibilitar o acesso de afrodescendentes, comunidade LGBTI+, pessoas com deficiência e outros representantes da diversidade na área de tecnologia.

Nesse contexto, a primeira organização apoiada é a Vale do Dendê, aceleradora focada em negócios nascidos na periferia de Salvador. O acordo prevê o recebimento de recursos para operação, treinamentos e capital semente destinados a startups que trabalham com o tema da diversidade.

O Nubank, também procurado pela Forbes, diz que “segue comprometido com seu plano de ação voltado à diversidade e inclusão”, anunciado na última quinta-feira (11). Em nota, a fintech informa que está em conversa com diversas organizações: “Mais detalhes sobre nossas ações externas de engajamento com a comunidade serão comunicados em um momento oportuno”, diz a empresa.

Em relação ao fundo de capital semente, a startup unicórnio ressaltou que os critérios de seleção das empresas “serão definidos em conjunto com aceleradoras e organizações sociais”. A empresa não confirmou o montante do investimento, mas disse que o valor “será informado em um futuro próximo”.

Segundo a fonte próxima da empresa, o valor estimado para o fundo é “uma gota no oceano” em relação ao poder de fogo do Nubank. Por outro lado, é preciso considerar o compromisso financeiro inicial da empresa, de R$ 20 milhões, para avançar a pauta racial comparado com o que atualmente existe no mercado.

“[O investimento inicial] é o maior de que se tem notícia em termos de recursos do setor privado para o combate ao racismo. Ninguém fez nada dessa magnitude no Brasil de forma voluntária, e não relacionada a um termo de ajuste de conduta do Ministério Público do Trabalho. Isso é significativo: agora precisamos ver os resultados.”

Angelica Mari é jornalista especializada em inovação há 18 anos, com uma década de experiência em redações no Reino Unido e Estados Unidos. Colabora em inglês e português para publicações incluindo a FORBES (Estados Unidos e Brasil), BBC e outros.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: