Reino Unido restringirá Google e Facebook com regras de concorrência mais rígidas

Hannah McKay/ Reuters
Hannah McKay/ Reuters

Empresas disseram estar comprometidas em trabalhar com o governo e regulador britânico

O Reino Unido irá impor um novo regime de concorrência no próximo ano para evitar que o Google e o Facebook usem seu domínio para prejudicar empresas menores, afetando os consumidores.

O código será aplicado por uma unidade dedicada dentro da Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA), que este ano disse que precisava de novas leis para manter as gigantes da tecnologia sob controle.

LEIA MAIS: Google redesenha app de pagamentos

Google e Facebook dominam a publicidade digital, respondendo por cerca de 80% dos 14 bilhões de libras (US$ 18,7 bilhões) gastos em 2019, disse o regulador de concorrência do Reino Unido, CMA.

As duas empresas norte-americanas disseram estar comprometidas em trabalhar com o governo e regulador britânico em publicidade digital, inclusive dando aos usuários maior controle sobre seus dados e anúncios veiculados.

A recém-criada Unidade de Mercados Digitais da CMA, que começará a funcionar em abril, poderá receber poderes para suspender, bloquear e reverter decisões tomadas por empresas de tecnologia e impor multas em caso de não cumprimento.

As empresas terão que ser mais transparentes sobre como usam os dados do consumidor e as restrições que dificultam o uso de plataformas rivais serão banidas, disse o governo, acrescentando que as regras também apoiarão a indústria de notícias, reequilibrando a relação entre editoras e plataformas. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).