Transformação digital, IA, Fintechs, Locaweb, Bilhete Digital & Muito Mais

Veja as novidades de tecnologia, inovação e transformação digital.

Angelica Mari e Gabriela Arbex
Compartilhe esta publicação:

Arte sobre foto/ Getty Images

Acessibilidade


TENDÊNCIAS GLOBAIS

Maioria das transformações digitais nas empresas não tem sucesso

A falta de comprometimento da liderança e metas bem definidas são os principais fatores do fracasso da maioria das transformações digitais, segundo uma nova pesquisa do Boston Consulting Group (BCG). O estudo sugere que 70% das transformações digitais no mundo não são bem-sucedidas e não atingem seus objetivos. A pesquisa é baseada em análise de dados internos do BCG com 70 empresas globais líderes em transformações digitais nos últimos anos, e de dados externos como respostas de 825 executivos seniores.

Segundo o BCG, cerca de 44% das empresas analisadas conseguiram produzir algum valor de negócio através de suas iniciativas de transformação digital, mas não atingiram suas metas e as mudanças no longo prazo foram limitadas. Por outro lado, 26% criaram valor limitado, equivalente a menos de 50% da meta, e não produziram mudanças sustentáveis.

O relatório sugere que, para aumentar as chances de sucesso de tais projetos de 30% para 80%, é preciso definir certos elementos, como comprometimento da liderança, por meio do gerenciamento intermediário; ter uma estratégia integrada com objetivos de transformação bem definidos; implantar talentos de alto calibre; desenvolver uma mentalidade de governança ágil que impulsiona uma adoção mais ampla; fazer um monitoramento eficaz do progresso em direção aos resultados definidos e, por fim, ter uma tecnologia modular conduzida por negócios, bem como uma plataforma de dados.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga todas as novidades da Forbes Insider no Telegram

Mercado global de IA tem projeções de crescimento revisadas

O mercado global de software de inteligência artificial (IA) não deve atingir o valor projetado atualmente, de US$ 200 bilhões até 2025, segundo um novo relatório da Forrester. A empresa de análise de mercado traz um choque de realidade em termos de previsões, dizendo que o mercado de software de IA deve alcançar US$ 37 bilhões no mesmo período. As restrições no crescimento de software deste tipo serão impostas por fornecedores maiores de tecnologia, que têm incorporado cada vez mais a funcionalidade de IA em seus produtos existentes. A Forrester também ressalta que à medida em que mais empresas de tecnologia adicionam IA a seus produtos, cobrar preços altos pela tecnologia se tornará inviável.

“Acreditamos que investidores estão definindo o mercado de IA de maneira muito hiperbólica. Eles estão erroneamente incluindo categorias que são vagamente influenciadas ou distantemente adjacentes ao software de IA”, diz Andrew Bartels, vice-presidente e analista principal da Forrester. “À medida que os líderes de negócios confiam cada vez mais na IA como princípio de sua estratégia de transformação digital, eles provavelmente irão esperar que seus fornecedores adicionem funcionalidade de IA [às plataformas existentes] sem nenhum custo adicional para eles.”

Segundo a mais recente previsão da Forrester, que não considera hardware ou serviços de consultoria, as receitas de plataformas baseadas em IA após 2023 serão inferiores a 3% do mercado geral de software. A consultoria nota que 60% dos compradores de software já espera que a funcionalidade de IA esteja incorporada aos produtos de fornecedores existentes, e que a mesma porcentagem de compradores espera receber a funcionalidade de IA de empresas que já fornecem software a elas, ao invés de criar seus próprios aplicativos personalizados.

Preconceito com games distancia filhos dos pais

“Games fazem mal para a saúde” e “games estragam o cérebro” são alguns dos preconceitos revelados entre o público brasileiro que fazem com que jogadores se frustrem com seus pais, segundo um estudo global encomendado pela empresa de cibersegurança Kaspersky e conduzido pela empresa de consultoria Savanta. Os estereótipos estão entre as razões pelas quais 53% dos gamers escondem de seus pais o tempo que passam jogando, segundo o estudo, que buscou entender as mudanças na dinâmica entre usuários de jogos eletrônicos e seus pais e como estas barreiras podem ser superadas. A pesquisa entrevistou mais de 5 mil jogadores de 17 países, incluindo o Brasil, todos com menos de 35 anos e que passam de cinco a 10 horas por semana jogando.

A percepção negativa de games incluem preocupações dos pais sobre aspectos como a falta de atividades físicas, vício em jogos eletrônicos e baixo rendimento escolar. Por outro lado, os mais velhos reconhecem que o investimento de tempo em games pode trazer benefícios, como o desenvolvimento da criatividade, citado por 47% dos brasileiros, de habilidades sociais (37%) e o aprendizado de uma língua estrangeira (35%). O estudo nota que 41,8% dos games brasileiros acreditam que o relacionamento com os pais melhoraria se eles também pudessem jogar.

****
TENDÊNCIAS REGIONAIS

Puxado pelo Brasil, e-commerce na América Latina deve crescer 19% em 2021

Principal mercado consumidor da América Latina, o e-commerce brasileiro deve acelerar 19% em 2021, chegando a um valor total de US$ 134 bilhões, segundo a pesquisa Beyond Borders, da fintech EBANX. O Brasil teve um salto de 25% no número de pessoas que compram online este ano, segundo a pesquisa, que contou com dados da Americas Market Intelligence e números internos da empresa. Na América Latina, o número de usuários de e-commerce aumentou em 52 milhões, elevando a base de consumidores online em até 30% nos países da região. Segundo a pesquisa, este salto só seria alcançado em 2022 em condições não-pandêmicas.

Em relação ao Brasil, Mercado Livre, Americanas e OLX são os principais players de e-commerce no Brasil em tráfego online. A norte-americana Amazon aparece em quarto lugar, seguida por Magazine Luiza e Casas Bahia, segundo o estudo. O consumo de serviços digitais como streaming e jogos online aumentou em 42%, e as compras pelo celular decolaram, com 85% dos consumidores dizendo já ter comprado algo através de seus dispositivos móveis.

A pesquisa nota que métodos de pagamento como carteiras digitais avançaram entre os consumidores brasileiros, chegando a crescer até 32%. O uso do cartão de débito no e-commerce no Brasil aumentou em 16% durante a pandemia, impulsionado por um novo protocolo de autenticação e pelo uso do auxílio emergencial para compras. Por outro lado, pagamentos em dinheiro na forma de cash vouchers (como o OXXO, no México, ou boletos, no Brasil) representam até 20% das compras online na América Latina. No Brasil, o boleto reina absoluto quando se trata de compras online de sites internacionais, representando 68% dos pagamentos deste tipo de compra.

****
TENDÊNCIAS NACIONAIS

Meios de pagamentos e crédito são as categorias com maior crescimento entre as fintechs

A mais recente edição do Inside Fintech Report, levantamento mensal realizado pelo Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito, traz uma análise detalhada sobre a evolução das fintechs no Brasil ao longo dos últimos anos. De modo cronológico, o estudo traz a movimentação e o amadurecimento destas empresas diante das descobertas tecnológicas que impactam indiretamente o setor, mas fomentaram a criação de novos hábitos. O consumo de produtos e serviços pela internet, por exemplo, exigiu das varejistas o investimento de meios de pagamentos digitais. Não à toa, a categoria é a mais madura entre as fintechs.

O país conta hoje com 842 startups voltadas para a área financeira, com um crescimento médio acumulado do setor de 22% ao ano, diz o levantamento. Este conjunto de empresas recebeu, desde 2011, um montante de US$ 2,8 bilhões em investimentos. As categorias de meios de pagamentos e crédito são as com maiores índices de crescimento, com avanços entre 22,25% e 27,11%. As subcategorias com melhor desempenho e maior volume são as de processamento de pagamentos (72 fintechs), marketplace de crédito (49), oferta direta de crédito (45) e meios de pagamento PDV (43).

O avanço nas regulamentações também é apresentado pelo estudo. O fim da exclusividade entre credenciadoras e bandeiras de cartão de crédito, que possibilitou a entrada de players como Stone e PagSeguro no mercado ainda em 2010, é uma das regulações abordadas. Mais recentemente, em 2020, temos a instituição dos pagamentos instantâneos com o PIX e o agendamento, para fevereiro de 2021, do início da implementação do open banking.

De acordo com o Inside Fintech Report, o Brasil conta hoje com mais de 40 fintechs atuando diretamente com os serviços e soluções ligados ao open banking. Desde 2017, estas fintechs receberam mais de US$ 125 milhões, em um total de 32 rodadas. Transfeera, Fitbank, Guia Bolso e Olivia são algumas das startups destacadas pelo relatório.

66% dos consumidores não confiam em avaliações de produtos feitas por influencers

A grande maioria dos consumidores brasileiros não compram produtos e serviços sem antes ler avaliações na rede e buscam opiniões contrastadas e sem vieses que lhes ajudem em suas decisões de compra. É o que aponta pesquisa feita pela plataforma de busca e comparação de softwares Capterra sobre o comportamento tanto de compradores como de empresas em relação às reviews.

Segundo o estudo, que ouviu 601 consumidores, 66% não confiam em avaliações de produtos feitas por influencers e metade (51%) não confia nas resenhas de qualquer tipo de formador de opinião. O estudo aponta que as reviews são a fonte mais confiável de informação para 53% dos consumidores na hora de comprar um produto, à frente da opinião de especialistas (29%) e das recomendações de amigos (9%).

“Os dados indicam a vontade do consumidor de obter comentários sem vieses, seja por parte de alguém que possa estar envolvido comercialmente com determinada marca ou produto, como uma celebridade, seja por uma pessoa que se guie somente pelos seus gostos pessoais, como um amigo”, comenta o responsável pelo estudo, Lucca Rossi.

O estudo evidencia ainda que os consumidores desconfiam do que leem na internet, já que apenas 4% dos entrevistados afirmam não fazer qualquer tipo de verificação para detectar se uma avaliação é realmente autêntica e 38% acreditam que mais da metade das empresas possui avaliações falsas na internet.

****
O QUE MAIS ESTÁ ACONTECENDO NO ECOSSISTEMA

CPTM e Metrô avançam para substituir bilhete tradicional com alternativa baseada em QR Code

O Governo do Estado de São Paulo lançou um bilhete digital através de QR Code para embarque nas estações da CPTM e do Metrô. O bilhete, chamado TOP, vinha sendo testado em algumas estações desde o ano passado e deve substituir, a médio prazo, o bilhete unitário tradicional. O novo bilhete digital tem o mesmo valor que o de papel, R$ 4,40 por passagem, e pode ser comprado e utilizado direto pelo aplicativo TOP, disponível para celulares Android e iOS. O aplicativo permite a compra de até 10 bilhetes unitários, que não têm prazo de validade, e visa aumentar a segurança e eliminar o contato com dinheiro físico. Além do aplicativo, também é possível comprar o bilhete baseado em QR Code nas máquinas de autoatendimento localizadas dentro das estações, com cartão de débito, e será possível fazer a compra também em estabelecimentos comerciais parceiros. O bilhete é então impresso para que a pessoa use nas catracas. Segundo o governador do estado de São Paulo, João Doria, o lançamento coloca São Paulo “dentro do patamar das principais regiões do mundo, sobretudo na Ásia, onde o sistema já é utilizado para facilitar o ingresso às estações de transporte”.

TIM é selecionada para primeira tornozeleira eletrônica 4G IoT do Brasil

Junto à Spacecom, empresa de monitoramento de sentenciados da América Latina, a TIM é a responsável pela tecnologia por trás da primeira tornozeleira eletrônica 4G IoT do Brasil. A partir de agora, os equipamentos – que monitoram presos em regime semiaberto ou domiciliar por meio do Sistema de Acompanhamento de Custódia 24 Horas (SAC24) – passam a contar com uma cobertura 4G e rede NB-IOT (Narrow Band em IoT), o que auxilia na alta segurança de transmissão e armazenamento de informações. Os dados de localização georreferenciada (GPS, Glonass e demais sistemas) e de alarmes, por exemplo, são transmitidos por meio da rede 4G com a tecnologia NB-IoT da TIM para os servidores da Spacecom e disponibilizados via interface web. A partir disso, o órgão contratante tem acesso aos dados de monitoramento em tempo real em qualquer dispositivo online. A tornozeleira modelo TZPR04 é a primeira do mercado nacional com a tecnologia e, atualmente, já é disponibilizado às secretarias de segurança pública de 15 estados, incluindo São Paulo e Rio de Janeiro, além da Justiça Federal de São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul, muitos dos quais possuem divisões de fronteira com países como Peru, Paraguai, Uruguai, Argentina, Venezuela e Bolívia.

Gunnebo estreia tecnologia de reconhecimento facial no Aeroporto de Salvador

Como representante do setor de soluções de controle de entrada, a Gunnebo realizou alguns testes no aeroporto de Salvador, na Bahia, na última segunda-feira (14). A tecnologia da empresa suíça, batizada de Self Boarding Gate (SBG), possibilita o reconhecimento biométrico de passageiros no momento do embarque, tornando mais eficiente e seguro o processo de checagem dos aeroportos brasileiros. O projeto faz parte de uma iniciativa chamada Embarque +Seguro organizada pelo governo federal com planos para instalação nos principais aeroportos do país, como Brasília e Galeão, no Rio de Janeiro. Pelo sistema da Gunnebo, não é preciso trocar documentos manualmente com atendentes das companhias aéreas. A partir de máquinas de biometria facial, é possível comprovar a identidade de quem embarca e garantir mais segurança aos passageiros e menos tempo de espera em filas.

Solutis entra para o inovabra habitat, ecossistema de coinovação do Bradesco

Ao lado de mais de 75 companhias e 170 startups, a Solutis, parceira tecnológica que acelera e sustenta a jornada digital de seus clientes, é a mais nova integrante do ecossistema de coinovação do Bradesco: o inovabra habitat. O papel da companhia será promover projetos que atendam às demandas do mercado por soluções e acelerações digitais como estratégia de negócio. “Sabemos que momentos desafiadores são grandes oportunidades para se reinventar, evoluir e inovar”, diz Renata Petrovic, head do inovabra habitat, sobre a nova parceria. “Com mais empresas integrando o ecossistema, ampliamos o portfólio de demandas por soluções inovadoras. Além de potencializar a geração de negócios, contribuímos para a troca de aprendizado e melhores práticas entre diversos setores da indústria”.

Divulgação

La Pastina lança e-commerce

Com mais de 50 marcas e 500 produtos em seu catálogo, a La Pastina estreia finalmente o seu primeiro varejo online. O e-commerce de enogastronomia tem como temática o Mediterrâneo e é um verdadeiro convite pelo imaginário da região, oferecendo azeites da Sicília e vinhos de Bordeaux, por exemplo. Entre bebidas, alimentos e kits gourmets, também é possível encontrar marcas como Fasano, Rustichella, Divella, Beaufor, Montosco, Mouton Cadet, Cono Sur, Emiliana, JP. Chenet e Terre di San Vincenzo. A curadoria de vinhos é um dos destaques grande destaque do e-commerce, com um portfólio de mais de 150 rótulos de sete países diferentes como Argentina, Chile, Estados Unidos, Espanha, França, Itália e Portugal.

Housi expande modelo moradia por assinatura para o Rio de Janeiro

A Housi, plataforma de moradia por assinatura, acaba de anunciar sua expansão para o Rio de Janeiro. A empresa acredita que essa será uma das suas maiores e principais operações do país em número de unidades geridas. A empresa já conta um time local e planeja alocar parte do time de tecnologia na capital carioca. Até o início deste ano, a Housi atuava apenas em São Paulo, onde cerca de 33% da população já vive de aluguel. Mas foi pensando nesta tendência que, além de administrar imóveis em mais de 200 prédios na capital paulista, a empresa expandiu sua expertise para outros sete estados do Brasil – Curitiba, Porto Alegre, Recife, Fortaleza, Goiânia, João Pessoa e Rio de Janeiro. No início do ano, o valor de mercado dos imóveis geridos pela Housi girava em torno de R$ 3,5 bilhões. Atualmente a startup chega a R$ 10 bilhões de ativos sob gestão.

Locaweb anuncia a compra do Ideris e da Melhor Envio

A Locaweb anunciou, na última sexta-feira (11), a aquisição do Ideris, plataforma de tecnologia de integração multicanal fundada em Curitiba. Com a operação, a empresa, que já é dona de um ecossistema de soluções para e-commerce, amplia esse leque e se consolida como um importante player para digitalizar o varejista brasileiro. “Esse movimento reforça nosso compromisso com os acionistas de fazer aquisições que complementem nosso portfólio de soluções e que atendam aos requisitos de recorrência, qualidade do produto, retenção dos fundadores e principalmente grande potencial de geração de valor com a nossa base de clientes”, diz Fernando Cirne, CEO da Locaweb. Já na segunda-feira (14), a plataforma informou ao mercado a aquisição de 100% das cotas de participação do Melhor Envio, empresa de Pelotas (RS) especializada em logística para comércio eletrônico. “Começamos o ano preparados para crescer muito e sabíamos que havia grande oportunidade nesse segmento de comércio eletrônico. A logística é um elo extremamente importante no ciclo de compras e estávamos avaliando algumas empresas desse segmento há bastante tempo”, completa Cirne.

IBM, Flex e FIT anunciam Centro de Soluções de Telecomunicações para 5G na AL

IBM, Flex e FIT (Flex Institute of Technology) anunciaram um acordo de colaboração para lançar o Centro de Soluções de Telecomunicações para 5G, um moderno centro de pesquisas e testes para ajudar as operadoras de telecomunicações e empresas a avaliarem formas de impulsionar tecnologias de nuvem híbrida aberta em redes móveis 5G na América Latina. Localizado no Brasil, o centro utiliza arquiteturas abertas, como o Open Radio Access Network (Open RAN), em um ambiente simulado para as empresas testarem suas inovações. Estudos da IDC estimam que o consumo de dados permanecerá alto na América Latina em 2021. A chegada do 5G na região irá impulsionar importantes investimentos em tecnologias móveis, abrindo uma ampla gama de novos casos de uso para o público em geral e, principalmente para as empresas. Elas poderão utilizar aplicativos que requerem mais velocidade de conexão, capacidade de tráfego aprimorada e latência muito baixa, enquanto aumentam a segurança. Só no Brasil, o 5G deve trazer US$ 22,5 bilhões em oportunidades nos próximos quatro anos. Como parte do acordo, a IBM fornecerá tecnologia, serviços e experiência no setor para ajudar as empresas a explorar a construção de soluções para redes 5G, oferecendo soluções de nuvem aberta e híbrida, e soluções nativas de nuvem como inteligência artificial, automação, segurança e IoT. A Flex fornecerá equipamentos eletrônicos para ajudar na entrega e medição de sinais, enquanto o FIT proverá conhecimento em TI e telecomunicações.

Liga Ventures e PwC Brasil anunciam ferramenta para mapear startups

A Liga Ventures, com o apoio estratégico da PwC, dá um importante passo para a visibilidade e potencialidade de geração de negócios para as startups no país por meio do lançamento da ferramenta Startup Scanner. A ferramenta é uma evolução dos mapas de startups estáticos disponíveis do mercado, mas com dinamismo para o monitoramento e conhecimento das soluções construídas pelos empreendedores, com atualização a cada novo registro de startup inserida, seja pelos mapeamentos ativos, seja pelas redes de parceiros espalhados pelo país todo e os usuários e empreendedores que poderão sugerir negócios para figurarem nestas vitrines. Entre as diversas funcionalidades do Startup Scanner, o interessado em determinado tema de inovação poderá conhecer as startups por setor e categorias, criar suas listas de favoritos, avaliar e entrar em contato com as mesmas, ficando sempre atualizado sobre novas soluções entrantes, com a qualidade e curadoria das duas empresas especialistas.

****
CRESCIMENTO

Agilize cresce 500% em volume de vendas em 2020

Especializada em contabilidade online, a Agilize cresceu 500% nas vendas de soluções e serviços em 2020 mesmo com a pandemia. A crise da Covid-19 representou uma oportunidade para a empresa se posicionar como especialista em resolver as burocracias com redução de custos por esses serviços (aberturas de empresas e assessoria contábil inteligente) – a fórmula perfeita para quem buscava sobreviver em meio às dificuldades. Em março, a plataforma, que estava presente em 14 cidades, expandiu sua operação para todo o país, passando a atender empresas de serviços em mais 5 mil cidades. A promessa para 2021 é a plataforma de comércio para todos os estados brasileiros (hoje funciona para Bahia e São Paulo), que vai ampliar ainda mais o campo de atuação da empresa.

a55 dobra carteira e fecha 2020 com 507% de crescimento

A a55, fintech que viabiliza crédito para empresas de receita recorrente, ampliou seu portifólio em 2020 e passou a oferecer crédito para campanhas de marketing e linhas de crédito emergencial durante a crise. Além do auxílio financeiro, o time da fintech também lançou a Plataforma a55, um serviço voltado para a gestão de crescimento das empresas com insights sobre a saúde financeira, histórico consolidado de transações bancárias e controle de despesas. Mais de 2000 empresas já estão cadastradas. “Em dezembro do ano passado havíamos desembolsado R$ 62 milhões, hoje esse número dobrou, e foram investidos mais de R$ 120 milhões”, comenta sobre o balanço do ano o presidente da a55, André Wetter. Além do aumento do investimento, consequentemente o faturamento da fintech também cresceu. A empresa registrou incremento de 507% se comparado os meses de janeiro e setembro de 2019 e 2020. “Essa alta foi muito mais acelerada do que imaginávamos. Para o ano que vem esperamos um crescimento de 625% baseado neste resultado atual.”, completa.

****
PRÊMIOS & RECONHECIMENTOS

iFood é líder em NPS e popularidade entre os aplicativos de delivery, diz pesquisa

Em um ano marcante para o setor de aplicativos de delivery, a empresa de pesquisa de satisfação e NPS SoluCX fez um levantamento da opinião dos usuários sobre seis serviços de delivery ativos no mercado. A companhia ouviu 3.480 pessoas da capital paulista entre abril e outubro de 2020, entregando o pódio de popularidade para o iFood, com 91,6% de citações e nota 59,8. Logo atrás, os mais bem avaliados pelos entrevistados foram Uber Eats (50), 99 Food (45,8), Rappi (44), Aiqfome (39,6) e James (34,6). Para o público consumidor, métodos de promoção, qualidade de produtos, agilidade no tempo de entrega e facilidade no uso dos aplicativos são algumas das características que mais impactam na avaliação dos serviços. Os programas de fidelidade dos aplicativos, por exemplo, são desaprovados por 30,5% dos respondentes. Em contrapartida, a qualidade dos produtos é aprovada por 93,2%. Segundo o CEO e cofundador da SoluCX, Tiago Serrano, acompanhar o retorno do público sobre esses serviços, por meio da medição de NPS (Net Promoter Score, métrica de fidelidade do cliente), auxilia o mercado a se preparar para o pós-pandemia, que tende a consagrar ainda mais esses serviços.

MadeiraMadeira, Hilab e ZUP vencem prêmio Grandes Exemplos 2020 da Endeavor

Num dos anos mais desafiadores para os negócios no Brasil e no mundo, as empresas da rede da Endeavor refizeram planos, revisitaram processos e apostaram ainda mais na velocidade para enfrentar os desafios. Para muitas, a capacidade de reação rendeu frutos importantes, que foram reconhecidos na última quinta-feira (10), durante o Encontro Anual Endeavor, realizado online, com o prêmio Grandes Exemplos. As scale-ups MadeiraMadeira, Hilab e Zup foram as premiadas da noite pelos resultados obtidos ao longo de 2020. A loja online de produtos para casa foi reconhecida como Scale-Up do Ano na categoria Faturamento, que premia a empresa apoiada pela Endeavor com o maior faturamento, considerando o período de janeiro a setembro de 2020. Na categoria Crescimento, que reconhece a empresa com maior crescimento médio anual, considerando o faturamento entre 2017 e 2020, a Scale-Up do Ano foi a Hilab, que desenvolve tecnologia para a área médica. Neste ano, a empresa realizou 2 milhões de exames de Covid-19. Já a ZUP foi eleita na categoria Diversidade & Inclusão. A empresa – adquirida pelo banco Itaú em 2019 por cerca de R$ 500 milhões – aumentou a contratação de mulheres em 59% neste ano, em 75% a de profissionais pretos e em 76% a de pessoas com deficiência.

Divulgação

Agritask ganha prêmio de € 100 mil em desafio mundial de agricultura sustentável

Com intensa atuação no Brasil por meio de sua filial, a agtech israelense Agritask acaba de ganhar o prêmio de € 100 mil pelo primeiro lugar em um desafio mundial de agricultura sustentável intitulado “Better Cotton Innovation Challenge”, iniciativa da BCI (Better Cotton Initiative), maior certificadora de algodão do mundo, e Sustainable Trade Initiative (IDH), e organizado pela Dalberg Advisors. A ação, lançada em novembro de 2019, teve como objetivo encontrar ideias inovadoras para uma produção de algodão mais sustentável. Dois principais requisitos foram impostos para a identificação das melhores práticas: treinamento personalizado para capacitar milhares de produtores de algodão em métodos agrícolas mais sustentáveis e a coleta de dados para redução de custo e tempo no processo. Das 87 empresas inscritas, a Agritask, junto com outras quatro finalistas – CropIn, Ricult, WaterSprint e eKutir –, testou suas soluções sustentáveis no campo com os produtores da BCI. Após oito semanas, um júri formado por representantes do BCI, IDH e Dalberg avaliaram os resultados, seguindo outros seis critérios: impacto, desempenho técnico, probabilidade de adoção, escalabilidade, sustentabilidade financeira e capacidade da equipe. A Agritask levou o destaque. “Estamos saindo dos testes de campo com uma avaliação mais profunda da complexidade envolvida na implementação e monitoramento de programas de sustentabilidade no campo, e este é exatamente o tipo de desafio que estávamos procurando”, diz Amir Szuster, vice-presidente de vendas e novos negócios da agtech.

****
PROGRAMAS DE INOVAÇÃO

Pulse seleciona sete novas startups

O Pulse, hub de inovação da Raízen, selecionou sete novas startups para apoiar o desenvolvimento de soluções para os compromissos sustentáveis da companhia. A escolha segue um processo de seleção com base em 110 empresas inscritas e entrevistas com time do hub. O edital da companhia contou com apoio institucional da Endeavor, SP Ventures, Thought for Food e Abstartups. O grupo de startups selecionadas terá a Green Fuel, de São Paulo (SP), ativa no segmento de eficiência energética; a Sardrones, de Campinas (SP), que atua em controle de pragas; a Terra Magna, de Ribeirão Preto (SP), de monitoramento e análise de imagens de satélite; a Solubio, de Gurupi (TO), que trabalha na produção de insumos biológicos; a HTS, de Belo Horizonte (MG), que atua em uma plataforma SaaS para auxílio aos indicadores de sustentabilidade, e a Nearbee, de Campinas (SP), que desenvolve centrais de atendimento emergenciais, como situações de assédio e monitoramento de prevenção para a Covid-19. O grupo também inclui a norte-americana EOS Crop Monitoring, que atua com análise de imagens via satélite de alta qualidade para geração de mapas com índice de vegetação do solo, índice de cobertura vegetal, dados climáticos e controle da umidade do solo. Instalado no Agtech Valley, região de empresas de base tecnológica em Piracicaba (SP), o Pulse apoia empresas em diversos estágios de desenvolvimento, já trabalhou no desenvolvimento de 38 startups parceiras e possibilitou que mais de 54 projetos pilotos fossem testados dentro da Raízen. Atualmente, para trabalhar no contexto da pandemia, vem desenvolvendo interações com empresas, universidades, executivos e investidores de maneira remota.

****
IMPACTO SOCIAL

Final Level e YouTube se unem à Gerando Falcões para combater a desigualdade

O Final Level e o YouTube uniram forças para apoiar a campanha da Gerando Falcões, organização social sem fins lucrativos que atua em periferias, para promover o desenvolvimento social por meio da educação. O projeto #DoeumFuturo, lançado recentemente, tem como objetivo dar aos jovens acesso a ensino remoto de qualidade, disponibilizando uma bolsa digital com internet e aplicativo de ensino. O Final Level, plataforma de entretenimento gamer, será o embaixador do projeto e divulgará a campanha aos seus milhões de seguidores, ampliando o alcance e a visibilidade da causa. Em paralelo, o YouTube doará R$ 500 mil para a manutenção e criação de bolsas para mais jovens. “A missão do YouTube é dar a todos uma voz e revelar o mundo. Acreditamos que, por meio da educação, essas vozes ganham força para se expressarem, transformando realidades. Estamos muito felizes em participar da campanha”, comenta Patrícia Muratori, diretora do YouTube Brasil. Criado como um super combo de ensino, a campanha Doe Um Futuro oferece acesso gratuito à internet e a um aplicativo de ensino em quase 100 favelas onde a rede tem presença, atendendo milhares de jovens e crianças. O app oferece conteúdo nas áreas de formação socioemocional, reforço escolar, preparação para o ENEM, cultura, esporte e apoio ao microempreendedor. Para que isso seja possível, a Gerando Falcões conta com doações para manutenção das bolsas digitais que têm um custo mensal de R$ 19,90 por aluno. Enquanto embaixadora do projeto, a plataforma de entretenimento gamer criará conteúdos e ações digitais em parceria com o seu hub de influenciadores parceiros.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: