Parler sofre derrota na tentativa de ter serviço restaurado pela Amazon

Hospedagem foi suspensa após a invasão do Capitólio em 6 de janeiro.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Bing Guan/ Reuters
Bing Guan/ Reuters

Apoiadores do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usam o Parler

Acessibilidade


Uma juíza dos Estados Unidos rejeitou hoje (21) o pedido do Parler para que a Amazon restaure os serviços de hospedagem na web para a plataforma de mídia social, cortados após a invasão do Capitólio em 6 de janeiro.

A juíza Barbara Rothstein, em Seattle, disse que o Parler falhou em demonstrar que prevaleceria no mérito de suas reivindicações, ou que o interesse público apoiava uma liminar exigindo a restauração do serviço.

Siga todas as novidades da Forbes Insider no Telegram

A Amazon Web Services suspendeu Parler em 10 de janeiro.

A gigante de internet disse que o Parler violou seu contrato ao ignorar repetidos avisos para lidar efetivamente com o crescimento de conteúdo violento, incluindo chamadas para assassinar políticos democratas proeminentes, executivos de negócios e a mídia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Parler disse que a Amazon não tem direito contratual de excluí-la e o fez por “animosidade política” para beneficiar o Twitter, um cliente maior da Amazon que o Parler disse não censurar conteúdo violento direcionado aos conservadores.

Muitos apoiadores do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usam o Parler, que afirma ter mais de 12 milhões de usuários. O Parler não respondeu imediatamente aos pedidos de entrevista. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: